“WALL STRE­ET DO REI­NO FEU­DAL”

Folha 8 - - DESTAQUE -

O dis­tri­to fi­nan­cei­ro do pro­jec­to Baía de Lu­an­da, tam­bém de­no­mi­na­do “Wall Stre­et de Lu­an­da” aí es­ta­rá pa­ra gáu­dio do emé­ri­to (por en­quan­to) clã pre­si­den­ci­al e do fu­tu­ro, tal­vez, su­ces­sor de sua ma­jes­ta­de o rei. O Pre­si­den­te Exe­cu­ti­vo da Baía de Lu­an­da, Mi­guel Car­nei­ro, e a ad­mi­nis­tra­do­ra, Ve­ra Mas­san­go, or­gu­lham-se do pro­jec­to lo­ca­li­za­do jun­to ao Por­to de Lu­an­da, a Wall Stre­et da ca­pi­tal an­go­la­na, uma par­ce­la de 20 lo­tes de ter­re­no, que tem já 60% des­tes co­mer­ci­a­li­za­dos e 25% em fa­se avan­ça­da de ne­go­ci­a­ção. Fi­na­li­za­do o pro­jec­to, a zo­na po­de­rá con­tar com edi­fí­ci­os de es­cri­tó­ri­os e ha­bi­ta­ção, ho­téis e áre­as co­mer­ci­ais. O pro­jec­to Baía de Lu­an­da, lan­ça­do em 2004, vi­sou a re­qua­li­fi­ca­ção da­que­la área, vi­ran­do a sua fren­te de ac­ti­vi­da­des pa­ra a cons­tru­ção de dis­tri­to fi­nan­cei­ro, even­tos, es­pa­ços co­mer­ci­ais, es­ta­ci­o­na­men­to, pu­bli­ci­da­de e re­si­den­ci­al. Se­gun­do Mi­guel Car­nei­ro, no ac­tu­al mo­men­to de de­sa­ce­le­ra­ção da economia an­go­la­na o pro­jec­to re­viu os seus ob­jec­ti­vos de ren­ta­bi­li­da­de e adap­tou-se ao no­vo pa­ra­dig­ma eco­nó­mi­co, com van­ta­gens mú­tu­as pa­ra in­ves­ti­do­res e con­su-

mi­do­res. “Daí nós ho­je ter­mos es­pa­ços co­mer­ci­ais com mo­de­lo con­tra­tu­al mui­to fle­xí­vel. Sa­bía­mos que no mer­ca­do an­te­ri­or­men­te co­bra­vam-se ren­das de um ano, por exem­plo, pa­ra o ar­ren­da­men­to de um es­pa­ço, a baía de Lu­an­da ho­je co­bra no seu mo­de­lo uma jóia de en­tra­da de dois me­ses, e de­pois os lo­jis­tas vão pa­gan­do a ren­da à me­di­da que es­tão a ga­nhar com o seu ne­gó­cio”, ex­pli­cou o res­pon­sá­vel. Por sua vez, Ve­ra Mas­san­go dis­se que pe­las ca­rac­te­rís­ti­cas da baía, os in­ves­ti­do­res “mes­mo de uma for­ma tí­mi­da” têm pro­cu­ra­do e vi­si­ta­do o pro­jec­to pa­ra in­for­ma­ções so­bre a zo­na re­si­den­ci­al. Na ilha de Lu­an­da es­tá em de­sen­vol­vi­men­to o dis­tri­to re­si­den­ci­al, com 50% de cons­tru­ção das in­fra-es­tru­tu­ras, cer­ca de 30 por cen­to dos lo­tes co­mer­ci­a­li­za­dos, dos quais qua­tro em cons­tru­ção. Mi­guel Car­nei­ro con­si­de­rou “en­tu­si­as­man­te” pa­ra o pro­jec­to o ac­tu­al mo­men­to de cri­se, “por con­se­guir co­lo­car e ma­te­ri­a­li­zar um pla­no de ne­gó­ci­os con­ser­va­dor”. O res­pon­sá­vel re­cor­dou que o pro­jec­to re­gis­tou sem­pre, des­de o seu iní­cio, al­gu­mas dú­vi­das por par­te dos ci­da­dãos, quan­to à exe­cu­ção da sua lim­pe­za, alar­ga­men­to, cri­a­ção de es­pa­ços ver­de e a sua ma­nu­ten­ção, cons­tru­ção e com­pe­ti­ti­vi­da­de. “Tem si­do um pro­ces­so ex­tre­ma­men­te de­sa­fi­an­te, con­ti­nu­a­men­te provar que é pos­sí­vel. Mes­mo no mo­men­to ac­tu­al é pos­sí­vel a baía con­ti­nu­ar a ter uma mar­gi­nal de 3,1 km, man­tê-la ver­de, com es­pa­ços pa­ra as fa­mí­li­as e lan­çar uma es­tra­té­gia de tra­zer os in­ves­ti­do­res, lo­jis­tas e an­go­la­nos de to­das as clas­ses”, con­cluiu.

Mi­guel Car­nei­ro con­si­de­rou ntu­si­as­man­te” pa­ra o pro­jec­to o ac­tu­al mo­men­to de cri­se, “por con­se­guir co­lo­car e ma­te­ri­a­li­zar um pla­no de ne­gó­ci­os con­ser­va­dor”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.