CO­MU­NI­CA­DO DA SO­NAN­GOL

Folha 8 - - DESTAQUE -

«Nos úl­ti­mos di­as tem-se as­sis­ti­do à pro­pa­ga­ção de uma sé­rie de no­tí­ci­as re­la­ci­o­na­das com uma ale­ga­da dis­cri­mi­na­ção de qu­a­dros an­go­la­nos na po­lí­ti­ca de con­tra­ta­ções da So­nan­gol, vei­cu­la­das por di­ver­sos ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al e atra­vés de re­des so­ci­ais. Em­bo­ra es­tas no­tí­ci­as se­jam des­pro­vi­das de qual­quer ti­po de fun­da­men­to e ra­ci­o­na­li­da­de, a So­nan­gol en­ten­de ne­ces­sá­rio es­cla­re­cer a opi­nião pública so­bre as mes­mas. A So­nan­gol tem em cur­so um pro­ces­so de Trans­for­ma­ção, cu­jos con­tor­nos são pú­bli­cos e es­tão com­ple­ta­men­te ade­qua­dos ao mo­de­lo de­fi­ni­do pe­lo aci­o­nis­ta Es­ta­do, sen­do o ob­jec­ti­vo prin­ci­pal des­te pro­ces­so de­vol­ver a So­nan­gol à sua con­di­ção de re­fe­rên­cia no mer­ca­do ener­gé­ti­co mun­di­al, cri­an­do ri­que­za pa­ra o país e con­tri­buin­do as­sim, de for­ma de­ci­si­va, pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel dos ci­da­dãos an­go­la­nos. As pes­so­as são o prin­ci­pal ac­ti­vo da So­nan­gol e en­ten­de-se que o ca­mi­nho pa­ra o su­ces­so da em­pre­sa pas­sa pe­lo au­men­to das su­as ca­pa­ci­da­des e com­pe­tên­ci­as. A po­lí­ti­ca de Re­cur­sos Hu­ma­nos tem um pa­pel cru­ci­al. Nes­tes úl­ti­mos 17 me­ses, fo­ram de­sen­vol­vi­dos e im­ple­men­ta­dos: Pro­gra­mas de iden­ti­fi­ca­ção e pro­mo­ção de jo­vens ta­len­tos an­go­la­nos; Pro­gra­mas com pro­ces­sos de for­ma­ção dos Fu­tu­ros Lí­de­res, ha­bi­li­tan­do-os a exer­ce­rem as fu­tu­ras fun­ções de che­fia de acor­do com as me­lho­res prá­ti­cas de ges­tão; Pro­mo­ção de de­ze­nas de qu­a­dros in­ter­nos na­ci­o­nais pa­ra lu­ga­res de re­le­vo nas di­ver­sas es­tru­tu­ras da em­pre­sa e re­cu­pe­ra­ram-se ele­men­tos de gran­de va­lia, que se en­con­tra­vam inac­ti­vos, em re­gi­me de “aguar­da co­lo­ca­ção”, e que ho­je in­te­gram Co­mis­sões Exe­cu­ti­vas e Di­rec­ções da So­nan­gol E.P e su­as sub­si­diá­ri­as. O Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção de­ci­diu ain­da di­ver­si­fi­car as va­lên­ci­as e re­for­çar a sua equi­pa de ges­tão por­que fo­ram iden­ti­fi­ca­das áre­as criticas de me­lho­ria que re­que­ri­am fo­co e de­di­ca­ção ex­clu­si­vos. Fo­ram as­sim de­fi­ni­dos os per­fis ne­ces­sá­ri­os, e re­cru­ta­dos ele­men­tos que pe­la sua ex­pe­ri­ên­cia pro­fis­si­o­nal, pe­las su­as com­pe­tên­ci­as in­trín­se­cas, e pe­lo co­nhe­ci­men­to pro­fun­do da ges­tão mo­der­na, e das su­as res­pe­ti­vas áre­as de es­pe­ci­a­li­za­ção, con­tri­bui­ri­am de for­ma pro­fis­si­o­nal e cé­le­re pa­ra os ob­jec­ti­vos que to­dos te­mos – res­ti­tuir à So­nan­gol o seu pa­pel de em­pre­sa na­ci­o­nal de re­fe­rên­cia e po­si­ci­o­ná-la co­mo um ope­ra­dor glo­bal no sec­tor pe­tro­lí­fe­ro. O Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção pas­sa a con­tar com três no­vos ele­men­tos, sen­do eles: Eng. Ivan Sá de Al­mei­da – Ad­mi­nis­tra­dor, for­ma­do em Ge­o­ci­ên­ci­as na Uni­ver­si­da­de de In­di­a­na, nos Es­ta­dos Uni­dos, com de­zoi­to anos de ex­pe­ri­ên­cia no sec­tor pe­tro­lí­fe­ro, ini­ci­ou a sua car­rei­ra na So­nan­gol e de­pois foi qua­dro de ges­tão na ESSO. É um pro­fis­si­o­nal de “Ups­tre­am”, no­me­a­da­men­te, ex­plo­ra­ção, de­sen­vol­vi­men­to e ope­ra­ções pe­tro­lí­fe­ras; Dr. Emí­dio Pi­nhei­ro – Um dos mais re­pu­ta­dos qu­a­dros da ban­ca an­go­la­na, foi CEO de um dos mai­o­res ban­cos de An­go­la, acu­mu­la mais de vin­te anos de ex­pe­ri­ên­cia no sec­tor ban­cá­rio e em­pre­sa­ri­al, em Por­tu­gal e An­go­la; Drª. Susana Bran­dão – Ad­vo­ga­da que tem vin­do já nos úl­ti­mos 17 me­ses a acom­pa­nhar di­rec­ta­men­te a área ju­rí­di­ca e a tra­ba­lhar em di­ver­sos dos­si­ers ju­rí­di­cos da So­nan­gol, de mé­ri­to fir­ma­do no exi­gen­te do­mí­nio das ne­go­ci­a­ções e con­tra­tos in­ter­na­ci­o­nais é es­pe­ci­a­li­za­da em áre­as crí­ti­cas de di­rei­to, re­gi­me con­tra­tu­al de em­pre­sas, e com ex­pe­ri­ên­cia em dos­si­ers de ele­va­da com­ple­xi­da­de ju­rí­di­ca. O Gru­po So­nan­gol con­ta no seu port­fó­lio com qua­se 100 em­pre­sas, en­tre sub­si­di­a­ri­as e par­ti­ci­pa­das, sen­do que ape­nas du­as des­tas em­pre­sas se de­di­cam ao sec­tor pe­tro­lí­fe­ro – a So­nan­gol P&P e a So­nan­gol E.P. Nes­te sen­ti­do, to­dos os no­vos ad­mi­nis­tra­do­res ofe­re­cem ga­ran­ti­as de re­for­ço das va­lên­ci­as es­pe­cí­fi­cas que são exi­gi­das, nes­ta fa­se, ao Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da So­nan­gol. O cri­té­rio da es­co­lha foi o da sua ex­pe­ri­ên­cia acu­mu­la­da, da com­pe­tên­cia com­pro­va­da nas su­as áre­as de es­pe­ci­a­li­za­ção e o do con­tri­bu­to que da­rão a um Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção que se pre­ten­de for­te, tam­bém pe­la di­ver­si­da­de dos seus mem­bros – for­ma­ção, ge­o­gra­fi­as (na­ci­o­na­li­da­de ou pas­sa­gem pro­fis­si­o­nal por di­ver­sos paí­ses), ge­ra­ção e gé­ne­ro. Re­fi­ra-se que es­tas op­ções não con­têm ne­nhum ti­po de dis­cri­mi­na­ção de gé­ne­ro, ra­ça, ou de na­ci­o­na­li­da­de. A So­nan­gol pro­mo­ve com­pe­tên­ci­as, não pro­mo­ve des­cri­mi­na­ção. Os nú­me­ros são, aliás, es­cla­re­ce­do­res. Dos on­ze ele­men­tos que in­te­gram o Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção, ape­nas três são ex­pa­tri­a­dos. Em aná­li­se, do con­jun­to dos 8129 Co­la­bo­ra­do­res da So­nan­gol so­men­te 20 são ex­pa­tri­a­dos, o que re­pre­sen­ta 0,2% da for­ça de tra­ba­lho. Des­de que es­te Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção as­su­miu fun­ções, em Ju­nho 2016, fo­ram con­tra­ta­dos 35 co­la­bo­ra­do­res, dos quais 26 são na­ci­o­nais, e 9 são ex­pa­tri­a­dos, pri­man­do as­sim sem­pre pe­la con­tra­ta­ções de no­vos ta­len­tos an­go­la­nos sem­pre que dis­po­ní­veis no mer­ca­do. Co­mo os nú­me­ros de­mons­tram, de for­ma inequí­vo­ca, a mai­o­ria dos con­tra­ta­dos é na­ci­o­nal, mas es­te Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção acre­di­ta que a So­nan­gol de­ve­rá, co­mo em­pre­sa de re­fe­rên­cia que é, aco­lher a mul­ti­pli­ci­da­de e a di­ver­si­da­de da so­ci­e­da­de an­go­la­na e in­te­grar nas su­as equi­pas to­dos os que, ob­jec­ti­va­men­te, lhes acres­cen­tem va­lor. Gos­ta­ría­mos ain­da de sal­va­guar­dar, no que res­pei­ta ao aces­so à in­for­ma­ção da em­pre­sa e ao seu pla­no es­tra­té­gi­co, es­te Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção acre­di­ta que não de­pen­de da na­ci­o­na­li­da­de dos pro­fis­si­o­nais o seu com­pro­mis­so com a em­pre­sa e a re­gra de con­fi­den­ci­a­li­da­de a que es­tão obri­ga­dos. To­das as pes­so­as que es­tão li­ga­das a te­mas es­tra­té­gi­cos re­la­ci­o­na­dos com a So­nan­gol, in­de­pen­den­te­men­te de se­rem an­go­la­nos ou não, es­tão obri­ga­dos ao si­gi­lo pro­fis­si­o­nal. No mun­do de ho­je te­mos vá­ri­os exem­plos em que em­pre­sas es­tra­té­gi­cas de um de­ter­mi­na­do pais são di­ri­gi­das, ao mais al­to ní­vel, por pro­fis­si­o­nais es­tran­gei­ros. A com­pe­tên­cia e a ido­nei­da­de são ca­rac­te­rís­ti­cas que não têm fron­tei­ras. A So­nan­gol não po­de­rá es­tar fo­ra des­te en­ten­di­men­to de que o mun­do é ca­da vez mais glo­bal.»

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.