PATRIOTICAMENTE EDU­CA­DOS ACÉFALOS E INVERTEBRADOS…

Folha 8 - - DESTAQUE -

As For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas (FAA) con­ti­nu­a­rão a pre­ser­var a paz, uni­da­de, re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal e a in­te­gri­da­de ter­ri­to­ri­al pa­ra o bem dos an­go­la­nos, afir­mou, no dia 02.10, em Lu­an­da, o che­fe do Es­ta­do Mai­or Ge­ne­ral ad­jun­to pa­ra a Edu­ca­ção Pa­trió­ti­ca, ge­ne­ral Egí­dio Sou­sa e San­tos ”Dis­ci­pli­na”. Que nin­guém, por­tan­to, te­nha dú­vi­das. Até mes­mo a re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal ou se por­ta bem ou, é cla­ro, su­jei­ta-se a en­fren­tar a in­ter­ven­ção das FAA. É que o MPLA não brin­ca em ser­vi­ço. Es­te é, aliás, um ca­so que se­rá es­tu­da­do nas me­lho­res uni­ver­si­da­des do Mun­do. Até mes­mo a NA­TO es­tu­da a pos­si­bi­li­da­de de no­me­ar um che­fe do Es­ta­do Mai­or Ge­ne­ral ad­jun­to pa­ra a… Edu­ca­ção Pa­trió­ti­ca. A tí­tu­lo de exem­plo re­cor­de­mos um se­mi­ná­rio de for­ma­ção de for­ma­do­res, que mar­cou o lan­ça­men­to do pro­gra­ma de for­ma­ção po­lí­ti­ca e pa­trió­ti­ca dos di­ri­gen­tes, qu­a­dros, mi­li­tan­tes e ami­gos da JMPLA, que te­ve lu­gar em Cabinda em Mar­ço de 2010. Tal e qu­al co­mo nos tem­pos da mi­li­tân­cia mar­xis­ta-le­ni­nis­ta do pós-in­de­pen­dên­cia (11 de No­vem­bro de 1975), o re­gi­me an­go­la­no con­ti­nua a re­e­du­car o po­vo ten­do em vis­ta e mi­li­tân­cia po­lí­ti­ca e pa­trió­ti­ca. E tan­to a mi­li­tân­cia po­lí­ti­ca co­mo a pa­trió­ti­ca são si­nó­ni­mos de MPLA. Bas­ta ver, mas so­bre­tu­do não es­que­cer, que o re­gi- me man­tém, en­tre ou­tras, a es­tru­tu­ra dos cha­ma­dos Pi­o­nei­ros, uma or­ga­ni­za­ção si­mi­lar à Mo­ci­da­de Por­tu­gue­sa dos tem­pos fas­cis­tas e co­lo­ni­ais de um ou­tro An­tó­nio. Não An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to mas An­tó­nio de Oli­vei­ra Sa­la­zar. Num Es­ta­do de Di­rei­to, que An­go­la diz – pe­lo me­nos diz – qu­e­rer ser, não faz sen­ti­do a exis­tên­cia de or­ga­nis­mos, entidades ou ac­ções que ape­nas vi­sam a la­va­gem ao cé­re­bro e a de­pen­dên­cia pe­ran­te quem es­tá no po­der des­de 1975, o MPLA. De­pen­dên­cia es­sa que, co­mo to­das as ou­tras, ape­nas tem co­mo ob­jec­ti­vo a fi­de­li­da­de ce­ga e ca­ni­na ao MPLA, co­mo se es­te par­ti­do fos­se ain­da o úni­co, co­mo se MPLA e pá­tria fos­sem si­nó­ni­mos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.