FI­DE­LI­DA­DE CA­NI­NA

Folha 8 - - POLÍTICA -

Mas ao que as For­ças Ar­ma­das diz res­pei­to não exis­te en­ga­no, bas­tan­do ver a na­tu­re­za po­lí­ti­co ide­o­ló­gi­ca dos ofi­ci­ais, des­de a sua for­ma­ção, não re­pu­bli­ca­na em 1975, na Lei Cons­ti­tu­ci­o­nal da Re­pú­bli­ca Po­pu­lar de An­go­la: Art.º 6 As For­ças Ar­ma­das Po­pu­la­res de Li­ber­ta­ção de An­go­la - FAPLA - bra­ço ar­ma­do do Po­vo, sob a di­rec­ção do MPLA e ten­do co­mo co­man­dan­te em che­fe o seu Pre­si­den­te, são ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­das co­mo exér­ci­to na­ci­o­nal da Re­pú­bli­ca Po­pu­lar de An­go­la, ca­ben­do-lhes a de­fe­sa da in­te­gri­da­de ter­ri­to­ri­al da Pá­tria e a par­ti­ci­pa­ção ao la­do do Po­vo na pro­du­ção e, con­se­quen­te­men­te, na Re­cons­tru­ção Na­ci­o­nal. O Co­man­dan­te em Che­fe das For­ças Ar­ma­das Po­pu­la­res de Li­ber­ta­ção de An­go­la - FAPLA- no­meia e de­mi­te os res­pon­sá­veis mi­li­ta­res no es­ca­lão su­pe­ri­or”. Co­mo se po­de de­pre­en­der, a men­ta­li­da­de de to­dos qu­an­tos vi­e­ram das FAPLA, não mu­dou, não muda, na ce­ga obe­di­ên­cia ao par­ti­do no po­der e seu lí­der, daí, que na ac­ção le­va­da a ca­bo pe­lo re­gi­me em Cabinda, os tra­ba­lhos in­ci­di­ram so­bre “Prin­cí­pi­os fun­da­men­tais e ba­ses ide­o­ló­gi­ca do MPLA”, “Dis­cur­so do Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos na aber­tu­ra do VI Con­gres­so do par­ti­do”, “Prin­cí­pi­os fun­da­men­tais de or­ga­ni­za­ção e fun­ci­o­na­men­to da JMPLA” e ” O pa­pel da ju­ven­tu­de na con­quis­ta da in­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal e na pre­ser­va­ção das vi­tó­ri­as do po­vo an­go­la­no”. Nem no re­gi­me de Sa­la­zar se fa­zia um tão ca­ni­no cul­to do re­gi­me e do pre­si- den­te co­mo o faz o MPLA, só fal­tan­do (e já es­te­ve mais lon­ge) di­zer que exis­te Deus no Céu e o MPLA na Ter­ra. Não nos es­que­ça­mos, por exem­plo, que o re­gi­me tem co­man­dan­tes mi­li­ta­res cu­ja exclusiva fun­ção é a Edu­ca­ção Pa­trió­ti­ca. Nes­te ca­so até um che­fe do Es­ta­do Mai­or Ge­ne­ral ad­jun­to. É obra! Qu­a­ren­te e dois anos de­pois da in­de­pen­dên­cia, 15 de­pois da paz, a es­tru­tu­ra mi­li­tar con­ti­nua a tra­ba­lhar à ima­gem e se­me­lhan­ça dos Kh­mer Ver­me­lhos de Pol Pot. Em Se­tem­bro de 2009, o subs­ti­tu­to do co­man­dan­te da Re­gião Mi­li­tar Nor­te pa­ra Edu­ca­ção Pa­trió­ti­ca do MPLA, Co­ro­nel Ze­fe­ri­no Se­ku­nan­gue­la, enal­te­cia, no Uí­ge, o con­tri­bu­to do pri­mei­ro pre­si­den­te de An­go­la, An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to na lu­ta de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal. O ofi­ci­al su­pe­ri­or da tal “Edu­ca­ção Pa­trió­ti­ca”, que fa­la­va na pa­les­tra so­bre “Vi­da e obra de Dou­tor Agos­ti­nho Ne­to”, dis­se que Ne­to foi o Fun­da­dor do mo­vi­men­to na­ci­o­na­lis­ta, da Na­ção an­go­la­na e con­tri­buiu pa­ra a lu­ta de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal. As­sim sen­do, “Edu­ca­ção Pa­trió­ti­ca” é si­nó­ni­mo do cul­to das per­so­na­li­da­des afec­tas ao re­gi­me do MPLA, ba­nin­do da História de An­go­la qual­quer ou­tra fi­gu­ra que não se en­qua­dre na car­ti­lha do par­ti­do que, ca­da vez mais, não só se con­fun­de com o país co­mo obri­ga o país a con­fun­dir-se con­si­go. O ofi­ci­al su­pe­ri­or da tal “Edu­ca­ção Pa­trió­ti­ca” re­co­nhe­ceu en­tão que o pri­mei­ro pre­si­den­te de An­go­la foi um gran­de es­ta­dis­ta e po­lí­ti­co que con­tri­buiu tam­bém pa­ra a li­ber­ta­ção de ou­tros po­vos Afri­ca­nos ru­mo à in­de­pen­dên­cia dos seus paí­ses. Só é pe­na que Agos­ti­nho Ne­to não te­nha nas­ci­do há uns sé­cu­los pa­ra ser pos­sí­vel di­zer que tam­bém con­tri­buiu pa­ra a in­de­pen­dên­cia de Por­tu­gal. Mes­mo as­sim, é de crer que o ofi­ci­al su­pe­ri­or da tal “Edu­ca­ção Pa­trió­ti­ca” sem­pre po­de di­zer que Ne­to aju­dou a de­mo­cra­ti­zar o re­gi­me português. Se­gun­do o ofi­ci­al su­pe­ri­or da tal “Edu­ca­ção Pa­trió­ti­ca”, gra­ças à sa­be­do­ria de Agos­ti­nho Ne­to é que o po­vo de An­go­la con­se­guiu li­ber­tar-se da es­cra­va­tu­ra e da co­lo­ni­za­ção por­tu­gue­sa e de to­das os cri­mes pro­mo­vi­das pe­los ini­mi­gos de An­go­la. O ofi­ci­al su­pe­ri­or da tal “Edu­ca­ção Pa­trió­ti­ca” ex­pli­cou tam­bém a con­tri­bui­ção de Ne­to co­mo mé­di­co pro­fun­da­men­te hu­ma­no, co­mo es­cri­tor e po­lí­ti­co de re­no­me in­ter­na­ci­o­nal. De fac­to, ao que pa­re­ce, me­lhor do que Agos­ti­nho Ne­to só se­rá, um dia des­tes, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.