E O CUL­PA­DO É…?

Folha 8 - - POLÍTICA -

Em en­tre­vis­ta ao jor­nal Sol, Ju­lião Ma­teus Pau­lo “Di­no Ma­tross”, se­cre­tá­rio das Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais do MPLA, diz que os an­go­la­nos (do MPLA) es­tão ma­go­a­dos com Por­tu­gal por cau­sa de Manuel Vi­cen­te e acha que o Mi­nis­té­rio dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros de Por­tu­gal e o das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res de An­go­la de­vem “con­ver­sar”. O MPLA, mau gra­do a cri­se pe­tro­lí­fe­ra que atin­ge o país, con­ti­nua a quer trans­for­mar An­go­la num país de­sen­vol­vi­do e de re­fe­rên­cia em Áfri­ca e no Mun­do, se­gun­do afir­ma rei­te­ra­da­men­te Ju­lião Ma­teus Pau­lo “Di­no Ma­tross”. Não se per­ce­be. Se An­go­la é, por for­ça da im­po­lu­ta go­ver­na­ção do MPLA que já du­ra des­de 1975, uma re­fe­rên­cia em to­do o Mun­do e ar­re­do­res, pa­ra on­de que­re­rá “Di­no Ma­tross” que o rei­no vá? É que An­go­la é mes­mo uma no­bre e in­có­lu­me re­fe­rên­cia mun­di­al, gra­ças ex­clu­si­va­men­te ao MPLA e à li­de­ran­ça do “que­ri­do lí­der” Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos e que ago­ra – co­mo to­dos já per­ce­be­ram – se­rá se­gui­da por João Lou­ren­ço, por ser di­vi­na, já du­ra há 42 anos. Com 70% da po­pu­la­ção afec­ta­da pe­la po­bre­za, com uma ta­xa de mor­ta­li­da­de in­fan­til que é a mais al­ta do mun­do, com 250 mor­tes por ca­da 1.000 crianças, An­go­la é uma re­fe­rên­cia em Áfri­ca, no Mun­do e – se­gu­ra­men­te – ar­re­do­res. Ou­tros in­di­ca­do­res, ba­si­la­res pa­ra que An­go­la se­ja a tal re­fe­rên­cia, re­ve­lam que ape­nas 38% da po­pu­la­ção an­go­la­na tem aces­so a água po­tá­vel e que so­men­te 44% dis­põe de sa­ne­a­men­to bá­si­co, que ape­nas um quar­to da po­pu­la­ção tem aces­so a ser­vi­ços de saú­de que, na mai­or par­te dos ca­sos, são de fra­ca qua­li­da­de. Mas há mais da­dos que re­ve­lam to­da a ca­pa­ci­da­de que An­go­la tem, gra­ças ao MPLA e ao seu lí­der – “o es­co­lhi­do de Deus”- pa­ra ser um pa­ra­dig­ma pe­lo me­nos afri­ca­no e mun­di­al: 12% dos hos­pi­tais, 11% dos cen­tros de saú­de e 85% dos pos­tos de saú­de exis­ten­tes no país apre­sen­tam pro­ble­mas ao ní­vel das ins­ta­la­ções, da fal­ta de pes­so­al e de ca­rên­cia de me­di­ca­men­tos. Quem não se re­cor­da de, em Agos­to de 2012, por exem­plo, os cen­tros de saú­de dos bair­ros Bu­la-Ma­tady, Na­bamby e o Hos­pi­tal Mu­ni­ci­pal do Lubango, no bair­ro da Mit­cha, na ca­pi­tal da pro­vín­cia de Huí­la, te­rem so­li­ci­ta­do às par­tu­ri­en­tes que se fi­zes­sem acom­pa­nhar de ve­las pa­ra a sua as­sis­tên­cia, de­vi­do às fa­lhas de ener­gia e fal­ta de ge­ra­do­res? Mas em abo­no des­sa di­vi­na go­ver­na­ção do MPLA jo­gam ou­tros fac­to­res que fa­zem de An­go­la a tal re­fe­rên­cia afri­ca­na e mun­di­al: a ta­xa de anal­fa­be­tos é bas­tan­te ele­va­da, es­pe­ci­al­men­te en­tre as mu­lhe­res, uma si­tu­a­ção que é agra­va­da pe­lo gran­de nú­me­ro de crianças e jo­vens que to­dos os anos fi­cam fo­ra do sis­te­ma de en­si­no, 45% das crianças an­go­la­nas so­fre­rem de má nu­tri­ção cró­ni­ca, sen­do que uma em ca­da qua­tro (25%) mor­re an­tes de atin­gir os cin­co anos. “Di­no Ma­tross” po­de­ria igual­men­te, no âm­bi­to dos mais al­tos va­lo­res pa­trió­ti­cos do MPLA, fa­lar da de­pen­dên­cia só­cio-eco­nó­mi­ca a fa­vo­res, pri­vi­lé­gi­os e bens que é o mé­to­do ofi­ci­al do re­gi­me pa­ra amor­da­çar os an­go­la­nos ou, ain­da, que 80% do Pro­du­to In­ter­no Bru­to an­go­la­no é pro­du­zi­do por es­tran­gei­ros; que mais de 90% da ri­que­za na­ci­o­nal pri­va­da é sub­traí­da do erá­rio pú­bli­co e es­tá con­cen­tra­da em me­nos de 0,5% da po­pu­la­ção; que 70% das ex­por­ta­ções an­go­la­nas de pe­tró­leo tem ori­gem em Cabinda. Tam­bém não se­ria des- ca­bi­do “Di­no Ma­tross” lem­brar que o aces­so à boa edu­ca­ção, aos con­do­mí­ni­os, ao ca­pi­tal ac­ci­o­nis­ta dos ban­cos e das se­gu­ra­do­ras, aos gran­des ne­gó­ci­os, às li­ci­ta­ções dos blo­cos pe­tro­lí­fe­ros, es­tá li­mi­ta­do a um gru­po mui­to res­tri­to de fa­mí­li­as li­ga­das ao re­gi­me no po­der. “Di­no Ma­tross” lem­brou-se, con­tu­do, de di­zer que a apos­ta do Exe­cu­ti­vo an­te­ri­or, tal co­mo a do pre­sen­te, é na di­ver­si­fi­ca­ção da economia pa­ra que o país dei­xe de de­pen­der ex­clu­si­va­men­te do pe­tró­leo e dos di­a­man­tes e, mais im­por­tan­te do que tu­do is­so, que o MPLA, ao lon­go da sua tra­jec­tó­ria, cum­priu os seus prin­cí­pi­os ide­o­ló­gi­cos, en­rai­zan­do-se no po­vo e tor­nou-se “nu­ma for­ça res­pei­ta­da em An­go­la, em Áfri­ca e no Mun­do”. Mas, é cla­ro, to­dos es­tes pro­ble­mas – as­sim co­mo o da cor­rup­ção ge­né­ti­ca – es­ta­ri­am re­sol­vi­dos se Por­tu­gal não se me­tes­se no que não é cha­ma­do. Daí o MPLA es­tar ma­go­a­do…

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.