AGO­RA, CA­MA­RA­DA MI­NIS­TRO A VER­DA­DE SE­RÁ DI­FE­REN­TE?

Folha 8 - - POLÍTICA -

João Melo es­cre­veu no dia 5 de Agos­to de 2015, no Jor­nal de No­tí­ci­as (Por­tu­gal), um ar­ti­go de opi­nião com o tí­tu­lo “A pre­sun­ção tem dois la­dos”. Em 2008, o jor­na­lis­ta (?), es­cri­tor, di­rec­tor de uma agên­cia de co­mu­ni­ca­ção e de­pu­ta­do do MPLA foi o ven­ce­dor da 16ª edi­ção do Pré­mio Ma­bo­que de Jor­na­lis­mo, ten­do re­ce­bi­do 70 mil dó­la­res. João Melo di­ri­giu vá­ri­os mei­os de co­mu­ni­ca­ção an­go­la­nos, es­ta­tais e pri­va­dos. Mem­bro fun­da­dor da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos (UEA), ocu­pou di­ver­sos car­gos de res­pon­sa­bi­li­da­de nos res­pec­ti­vos ór­gãos so­ci­ais tais co­mo se­cre­tá­rio-ge­ral, pre­si­den­te da Co­mis­são Di­rec­ti­va e pre­si­den­te do Con­se­lho Fis­cal. Foi di­rec­tor de uma agên­cia de co­mu­ni­ca­ção e deu au­las em du­as uni­ver­si­da­des pri­va­das. Co­mo jor­na­lis­ta, in­gres­sou na Rá­dio Na­ci­o­nal de An­go­la (RNA) e as­su­miu a di­rec­ção de di­ver­sos mei­os de Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al es­ta­tais, no­me­a­da­men­te “Agên­cia An­go­la – Press An­gop”, “Jor­nal de An­go­la” e o se­ma­ná­rio pri­va­do “Cor­reio da Se­ma­na”. Nes­se ar­ti­go publicado no JN, dis­se que “a pri­são, em Lu­an­da, de 15 ac­ti­vis­tas acu­sa­dos de pre­pa­ra­rem uma su­ble­va­ção po­pu­lar de aten­ta­do ao Pre­si­den-

te da Re­pú­bli­ca es­tá a ser usa­da co­mo pre­tex­to pa­ra re­vi­ver, so­bre­tu­do em Por­tu­gal, as ve­lhas cam­pa­nhas an­ti-mpla do pe­río­do da guer­ra ci­vil em An­go­la, qu­an­do a UNITA pa­ga­va o sa­lá­rio de nu­me­ro­sos jor­na­lis­tas, po­lí­ti­cos e ou­tras fi­gu­ras por­tu­gue­sas, que ado­ra­vam as vi­si­tas à Jam­ba” João Melo, na velha tra­di­ção dog­má­ti­ca do seu par­ti­do, re­e­di­ta­va ve­lhas te­ses, se­gun­do as re­gras – não me­nos dog­má­ti­cas – do seu “Jor­nal de An­go­la” (JA), des­de sem­pre ór­gão ofi­ci­al do MPLA, correia de trans­mis­são do re­gi­me di­ta­to­ri­al que (des)go­ver­na An­go­la des­de 1975. De fac­to, no dia 12 de Maio de 2008, o Prav­da (co­mo é tam­bém co­nhe­ci­do o JA) ame­a­çou di­vul­gar “as listas dos no­mes dos qua­dri­lhei­ros por­tu­gue­ses cap­tu­ra­das no bun­ker de Jo­nas Sa­vim­bi no An­du­lo”. Até ho­je não o fez. E tam­bém, e mais uma vez, João Melo fa­la da ques­tão mas não dá o no­me aos bois. É pe­na. Se­rá que o vai fa­zer ago­ra que é Mi­nis­tro da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al? Não, não vai. En­tão, ca­ma­ra­da João Melo, co­mo mais va­le tar­de do que nun­ca, não se­rá es­ta a me­lhor al­tu­ra pa­ra di­vul­gar es­sa lis­ta de “jor­na­lis­tas, po­lí­ti­cos e ou­tras fi­gu­ras por­tu­gue­sas”? Não se­rá al­tu­ra de pôr tu­do em pra­tos lim­pos? Con­ti­nu­a­mos à es­pe­ra das listas de qua­dri­lhei­ros por­tu­gue­ses e, já ago­ra, tam­bém da imen­sa lis­ta­gem dos ofi­ci­ais das FAPLA e de­pois das FAA que tra­ba­lha­vam pa­ra Sa­vim­bi, as­sim co­mo dos po­lí­ti­cos do MPLA, al­guns com al­tos car­gos nos di­fe­ren­tes go­ver­nos e que tam­bém eram as­sa­la­ri­a­dos do lí­der da UNITA, e ain­da dos jor­na­lis­tas (por­tu­gue­ses e an­go­la­nos), ho­je ren­di­dos aos en­can­tos do MPLA, e que tam­bém eram ama­men­ta­dos por Sa­vim­bi. De ba­te­ri­as apon­ta­das ao jor­nal português Pú­bli­co e ao pro­gra­ma “Ei­xo do Mal”, da SIC No­tí­ci­as, o Prav­da – cer­ta­men­te com a anuên­cia de João Melo – afir­ma­va que os “idi­o­tas úteis” que in­te­gram o pro­gra­ma e o diá­rio português es­tão ao ser­vi­ço de “qua­dri­lhas” que se ser­vi­ram de “di­a­man­tes de san­gue” em An­go­la. Con­ti­nu­an­do os “di­a­man­tes de san­gue” an­go­la­no a cir­cu­lar pe­los areó­pa­gos da al­ta fi­nan­ça mun­di­al, em­bo­ra com ou­tro no­me, as­sim co­mo o “pe­tró­leo de san­gue”, se­ria bom que se sou­bes­se (san­ta in­ge­nui­da­de a nossa!) a que “qua­dri­lhas” ser­vem ago­ra. Por tu­do is­to, for­ça ca­ma­ra­das do Mpla/re­gi­me, for­ça João Melo. Se os ti­ve­rem no sí­tio (não têm, nun­ca ti­ve­ram e nun­ca te­rão, co­mo é bom de ver) não de­vem es­pe­rar. Man­dem cá pa­ra fo­ra tu­do o que têm. Tu­do. Tu­do. Tu­do sig­ni­fi­ca tu­do. Per­ce­bem? Sob a ba­tu­ta do MPLA, es­tes es­cri­bas es­co­la­ri­za­dos há bem pou­co tem­po ser­vem-se do “Jor­nal de An­go­la” (e não só, co­mo se viu com o re­fe­ri­do ar­ti­go no JN) pa­ra pu­bli­ca­rem o que nem eles sa­bem o quer di­zer e, quem sa­be, pa­ra es­con­de­rem “as listas dos no­mes dos qua­dri­lhei­ros cap­tu­ra­das no bun­ker de Jo­nas Sa­vim­bi no An­du­lo” on­de se ca­lhar fi­gu­ram al­guns de­les.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.