SE­RÁ DES­TA QUE SINDIKA TE­RÁ EMÉRITA ES­TÁ­TUA NO POR­TO?

Folha 8 - - POLÍTICA -

PPor­tu­gal re­a­li­zou no dia 01.10, pas­sa­do elei­ções autárquicas. No Por­to, o pre­si­den­te an­te­ri­or, Rui Mo­rei­ra, foi re­e­lei­to des­ta vez com mai­o­ria ab­so­lu­ta. As­sim sen­do, aca­ba­ram os ar­gu­men­tos con­tra a edi­fi­ca­ção de uma es­tá­tua ao gen­ro de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos (do­no de An­go­la du­ran­te 38 anos) e, é cla­ro, dar o no­me do so­gro de Sindika Do­ko­lo à Avenida da Bo­a­vis­ta. Ven­di­da em Ja­nei­ro de 2016 pe­la Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal do Por­to à Fun­da­ção Sindika Do­ko­lo em has­ta pública, por 1,58 mi­lhões de eu­ros, a casa Manoel de Oli­vei­ra – que se­rá a se­de da fun­da­ção pa­ra a Eu­ro­pa. “Após con­cluí­do o pro­ces­so da ven­da do edi­fí­cio, a Fun­da­ção de­fi­niu em con­jun­to com o ar­qui­tec­to Edu­ar­do Sou­to Mou- ra [au­tor do pro­jec­to] as obras ne­ces­sá­ri­as pa­ra re­cu­pe­rar a casa, que es­te­ve sem ser ha­bi­ta­da du­ran­te 14 anos e já ti­nha si­do van­da­li­za­da”, dis­se na al­tu­ra Ma­ria Manuel Gui­ma­rães., res­pon­sá­vel da Fun­da­ção no Por­to. Se­gun­do a res­pon­sá­vel, quer o ex­te­ri­or co­mo o in­te­ri­or do edi­fí­cio man­têm-se iguais, “por­que a fun­da­ção en­ten­de que faz to­do o sen­ti­do man­ter a li­nha de­fi­ni­da pe­lo ar­qui­tec­to, pré­mio Pritz­ker”, ten­do si­do tam­bém de­fi­ni­do, em co­la­bo­ra­ção com a au­tar­quia, “ade­quar o edi­fí­cio pa­ra per­mi­tir o aces­so de ci­da­dãos com mo­bi­li­da­de re­du­zi­da”. “É tam­bém fei­ta uma adap­ta­ção que vai ga­ran­tir se­gu­ran­ça a to­das as fai­xas etá­ri­as”, de­sig­na­da­men­te crianças, su­bli­nhou. Se­gun­do a mes­ma res­pon­sá­vel, a ideia é “pro­mo­ver a Fun­da­ção co­mo in­ter­câm­bio cul­tu­ral en­tre o Por­to, An­go­la, a Eu­ro­pa e ou­tros paí­ses”, is­to por­que a “a fun­da­ção no Por­to tra­ba­lha em sin­to­nia com ou­tras ex- ten­sões da fun­da­ção e to­da a es­tra­té­gia é sem­pre de­fi­ni­da e ori­en­ta­da pe­lo seu pre­si­den­te, Sindika Do­ko­lo”. Sindika Do­ko­lo, que é ca­sa­do com Isa­bel dos San­tos, fi­lha de sua ma­jes­ta­de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos (que foi até pre­si­den­te de An­go­la du­ran­te 38 sem nun­ca ter si­do no­mi­nal­men­te elei­to), afir­mou em Fe­ve­rei­ro do ano pas­sa­do à Lu­sa, em An­go­la, qu­e­rer par­ti­ci­par no “en­ri­que­ci­men­to da vi­da cul­tu­ral” do Por­to, com a com­pra des­ta casa do ci­ne­as­ta Manoel de Oli­vei­ra e com “vá­ri­os ou­tros pro­jec­tos” em agen­da pa­ra a ci­da­de por­tu­gue­sa. Na oca­sião, em vi­si­ta a Lu­an­da, o pre­si­den­te da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal do Por­to, Rui Mo­rei­ra, afir­mou que, en­tre ou­tras va­lên­ci­as, o edi­fí­cio de­ve­rá re­ce­ber uma ex­po­si­ção de­di­ca­da à ar­te Tchokwe – po­vo ori­gi­ná­rio do in­te­ri­or nor­te de An­go­la e sul da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go -, cu­ja re­cu­pe- ra­ção es­tá a ser le­va­da a ca­bo pe­la Fun­da­ção Sindika Do­ko­lo. Vá­ri­as pe­ças de ar­te Tchokwe fo­ram le­va­das de An­go­la du­ran­te a guer­ra ci­vil en­tre 1975 e 2002, es­tan­do aque­la Fun­da­ção a li­de­rar o pro­ces­so pa­ra as fa­zer re­gres­sar ao país, ne­go­ci­an­do com co­lec­ci­o­na­do­res pri­va­dos. A casa Manoel de Oli­vei­ra foi ide­a­li­za­da há du­as dé­ca­das pa­ra aco­lher o es­pó­lio do ci­ne­as­ta, mas o acor­do en­tre o realizador e a Câ­ma­ra do Por­to pa­ra o uso da casa nun­ca foi for­ma­li­za­do, o que aca­bou por con­di­ci­o­nar o fu­tu­ro do imó­vel que fi­cou con­cluí­do em 2003, mas nun­ca te­ve o uso pa­ra que foi pen­sa­do. De­pois de ter pro­mo­vi­do no Por­to, em 2015, a ex­po­si­ção You Lo­ve Me, You Lo­ve Me Not, a Fun­da­ção Sindika Do­ko­lo re­for­çou a sua li­ga­ção à ci­da­de com a com­pra do imó­vel Manoel de Oli­vei­ra, si­tu­a­do na Foz do rio Dou­ro.

O pre­si­den­te da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal do Por­to, Rui Mo­rei­ra, con­ti­nua a ser uma das mais pro­e­mi­nen­tes fi­gu­ras por­tu­gue­sas na ba­ju­la­ção ao re­gi­me de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos e ao seu clã. Pa­ra o au­tar­ca por­tu­en­se pou­co im­por­ta que An­go­la se­ja um dos paí­ses mais cor­rup­tos do mun­do e o país com o mai­or ín­di­ce de mor­ta­li­da­de in­fan­til do mun­do. Rui Mo­rei­ra, que não po­de ser con­fun­di­do com a po­pu­la­ção do Por­to, es­tá-se nas tin­tas pa­ra os an­go­la­nos que são ge­ra­dos com fo­me, nas­cem com fo­me e mor­rem, pou­co de­pois, com… fo­me. Al­guém ou­viu Rui Mo­rei­ra re­cor­dar que 68% da po­pu­la­ção an­go­la­na é afec­ta­da pe­la po­bre­za, que a ta­xa de mor­ta­li­da­de in­fan­til é a mais al­ta do mun­do? Al­guém ou­viu Rui Mo­rei- ra re­cor­dar que ape­nas 38% da po­pu­la­ção an­go­la­na tem aces­so a água po­tá­vel e so­men­te 44% dis­põe de sa­ne­a­men­to bá­si­co? Al­guém ou­viu Rui Mo­rei­ra re­cor­dar que ape­nas um quar­to da po­pu­la­ção an­go­la­na tem aces­so a ser­vi­ços de saú­de, que, na mai­or par­te dos ca­sos, são de fra­ca qua­li­da­de? Al­guém ou­viu Rui Mo­rei­ra re­cor­dar que 12% dos hos­pi­tais, 11% dos cen­tros de saú­de e 85% dos pos­tos de saú­de exis­ten­tes no país apre­sen­tam pro­ble­mas ao ní­vel das ins­ta­la­ções, da fal­ta de pes­so­al e de ca­rên­cia de me­di­ca­men­tos? Al­guém ou­viu Rui Mo­rei­ra di­zer que 45% das crianças an­go­la­nas so­fre­rem de má nu­tri­ção cró­ni­ca, sen­do que uma em ca­da qua­tro (25%) mor­re an­tes de atin­gir os cin­co anos? Al­guém ou­viu Rui Mo­rei­ra di­zer que, em An­go­la, a de­pen­dên­cia só­cio-eco­nó­mi­ca a fa­vo­res, pri­vi­lé­gi­os e bens, ou se­ja, o ca­bri­tis­mo, é o mé­to­do uti­li­za­do pe­lo MPLA pa­ra amor­da­çar os an­go­la­nos? Al­guém al­gu­ma vez ou­viu Rui Mo­rei­ra di­zer que, em An­go­la, o aces­so à boa edu­ca­ção, aos con­do­mí­ni­os, ao ca­pi­tal ac­ci­o­nis­ta dos ban­cos e das se­gu­ra­do­ras, aos gran­des ne­gó­ci­os, às li­ci­ta­ções dos blo­cos pe­tro­lí­fe­ros, es­tá li­mi­ta­do a um gru­po mui­to res­tri­to de fa­mí­li­as li­ga­das ao re­gi­me no po­der? Não. Rui Mo­rei­ra só es­tá in­te­res­sa­do nos pou­cos que têm mi­lhões, ti­po Sindika Do­ko­lo a quem atri­buiu a me­da­lha de ou­ro da ci­da­de do Por­to, es­tan­do-se nas tin­tas pa­ra os mi­lhões que têm pou­co… ou na­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.