VA­LE (MES­MO) TU­DO

Folha 8 - - POLÍTICA -

Re­cor­de-se que o Exe­cu­ti­vo da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal do Por­to, pre­si­di­do por Rui Mo­rei­ra, dis­tin­guiu Sindika Do­ko­lo com uma me­da­lha de mé­ri­to. Só fal­ta­rá ago­ra dar o no­me de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos à Avenida Bo­a­vis­ta. Aliás, há mui­ta boa gen­te a su­ge­rir tam­bém que a Pon­te da Ar­rá­bi­da pas­se a cha­mar-se Pon­te Isa­bel dos San­tos… Na al­tu­ra, a ve­re­a­do­ra do PS na Câ­ma­ra do Por­to, Car­la Mi­ran­da, deu uma no cra­vo e ou­tra na fer­ra­du­ra ao cri­ti­car o prin­cí­pio sub­ja­cen­te à de­ci­são de atri­buir a me­da­lha de Mé­ri­to Grau Ou­ro ao di­to co­lec­ci­o­na­dor de ar­te. Nu­ma ati­tu­de de ga­to es­con­di­do com ra­bo de fo­ra, a ve­re­a­do­ra do PS vo­tou fa­vo­ra­vel­men­te es­ta pro­pos­ta mas – re­pa­re-se – ti­nha “dú­vi­das se se­rá su­fi­ci­en­te pa­ra re­ce­ber es­ta me­da­lha ape­nas vir ao Por­to di­vul­gar o seu pa­tri­mó­nio”. “Exis­te um re­gu­la­men­to pa­ra atri­bui­ção de me­da­lhas e pa­ra as de mé­ri­to é bem cla­ro: ela de­ve ser da­da a quem te­nha pra­ti­ca­do ac­tos com as­si­na­lá­veis be­ne­fí­ci­os pa­ra a ci­da­de. Pre­ci­sa­ría­mos de mais be­ne­fí­ci­os pa­ra a ci­da­de e pa­ra a po­pu­la­ção pa­ra lhe atri­buir es­ta me­da­lha”, dis­se a ve­re­a­do­ra so­ci­a­lis­ta. Sindika Do­ko­lo nas­ceu no an­ti­go Zai­re, ac­tu­al Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, e foi edu­ca­do pe­los pais na Bél­gi­ca e em França, ten­do co­me­ça­do aos 15 anos a cons­ti­tuir uma co­lec­ção de obras de ar­te, por ini­ci­a­ti­va do pai, re­fe­re o tex­to lau­da­tó­rio, ba­ju­la­dor e ser­vil da au­tar­quia. “Em Lu­an­da, cons­ti­tuiu a Fun­da­ção Sindika Do­ko- lo, a fim de pro­mo­ver as ar­tes e fes­ti­vais de cul­tu­ra em An­go­la e nou­tros paí­ses, com o ob­jec­ti­vo de cri­ar um cen­tro de ar­te con­tem­po­râ­nea que reú­na não ape­nas pe­ças de ar­te con­tem­po­râ­nea afri­ca­na, mas que, além dis­so, pro­vi­den­cie as con­di­ções e ac­ti­vi­da­des ne­ces­sá­ri­as pa­ra in­te­grar os ar­tis­tas afri­ca­nos nos cír­cu­los in­ter­na­ci­o­nais do mun­do da ar­te”, acres­cen­ta o pa­ne­gí­ri­co sub­mis­so e de clara ba­ju­la­ção da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal do Por­to. A jus­ti­fi­ca­ção apre­sen­ta­da por Rui Mo­rei­ra, um ca­da vez mais vi­sí­vel apo­lo­gis­ta da au­to­cra­cia do seu ami­go Edu­ar­do dos San­tos, pa­ra tão im­por­tan­te dis­tin­ção a al­guém que não tem qual­quer li­ga­ção à ci­da­de foi – re­pi­ta-se – a de ir pa­tro­ci­nar a apre­sen­ta­ção da ex­po­si­ção You Lo­ve me, You lo­ve me not. Rui Mo­rei­ra dis­se ain­da que “com es­te ges­to de gran­de ge­ne­ro­si­da­de, Sindika Do­ko­lo, per­mi­te à ci­da­de do Por­to de­sen- vol­ver um dos pro­jec­tos mais re­le­van­tes no âm­bi­to da ar­te con­tem­po­râ­nea da ac­tu­a­li­da­de, aju­dan­do a es­ta­be­le­cer uma pon­te sin­gu­lar en­tre a ci­da­de e o mun­do”. Por es­te an­dar não tar­da­rá que o MPLA re­tri­bua com a atri­bui­ção a Rui Mo­rei­ra da me­da­lha da de­mo­cra­cia e do Es­ta­do de Di­rei­to que An­go­la não é. Nos ne­gó­ci­os, fa­ce­ta que é mui­to ca­ra a Rui Mo­rei­ra, o ma­ri­do de Isa­bel dos San­tos tem su­ces­so, mes­mo qu­an­do as tran­sac­ções são opa­cas. Em 2014, a re­vis­ta For­bes re­ve­lou que Isa­bel dos San­tos, atra­vés de Sindika Do­ko­lo, em par­ce­ria com o Es­ta­do an­go­la­no, ad­qui­ri­ra a jo­a­lha­ria suí­ça De Gri­so­go­no, uma mar­ca co­nhe­ci­da por ter co­mo cli­en­tes gran­des es­tre­las mun­di­ais do ci­ne­ma e da mo­da, co­mo Sha­ron Sto­ne e Hei­di Klum, num ne­gó­cio pou­co cla­ro, que per­mi­ti­ria a ca­na­li­za­ção dos di­a­man­tes an­go­la­nos pa­ra aque­la jo­a­lha­ria. Em No­vem­bro de 2013, Ra­fa­el Mar­ques de Mo­rais, em en­tre­vis­ta à Deuts­che Wel­le, ex­pli­cou que “es­te ne­gó­cio não en­vol­veu um cen­ta­vo da fa­mí­lia pre­si­den­ci­al, é em tro­ca de di­a­man­tes an­go­la­nos”, fri­san­do que “te­mos aqui um pro­ces­so em que os di­a­man­tes an­go­la­nos es­tão a be­ne­fi­ci­ar di­rec­ta­men­te a fa­mí­lia pre­si­den­ci­al e não os co­fres do Es­ta­do”. É ca­ro que, co­mo diz Ra­fa­el Mar­ques de Mo­rais, “a eli­te an­go­la­na, pa­ra sa­que­ar o país à von­ta­de, pre­ci­sa do apoio de Por­tu­gal. Mas Por­tu­gal to­le­ra is­so, por­que é a for­ma que en­con­trou de ser cha­ma­do pa­ra par­ti­ci­par do sa­que de An­go­la”. E do pon­to de vis­ta da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal do Por­to, o im­por­tan­te não são os mi­lhões de an­go­la­nos que pas­sam fo­me mas, is­so sim, os pou­cos mem­bros do clã pre­si­den­ci­al que têm mi­lhões e que, com is­so, tan­to com­pram jo­a­lha­ri­as, jor­nais, me­da­lhas ou… la­van­da­ri­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.