PE­TRÓ­LEO NU­MA MÃO DI­A­MAN­TES NA OU­TRA

Folha 8 - - ECONOMIA -

Ono­vo mi­nis­tro dos Re­cur­sos Mi­ne­rais e Pe­tró­le­os de An­go­la, Di­a­man­ti­no Pe­dro Aze­ve­do, du­as pas­tas que no Go­ver­no an­te­ri­or es­ta­vam se­pa­ra­das, as­su­miu o “de­sa­fio ele­va­do” que tem pe­la fren­te, des­de lo­go pe­las al­te­ra­ções or­gâ­ni­cas que são ne­ces­sá­ri­as no âm­bi­to des­sa fu­são go­ver­na­ti­va. Di­a­man­ti­no Pe­dro Aze­ve­do fa­la­va em Lu­an­da, na ce­ri­mó­nia de trans­mis­são de pas­tas, de­pois de ter si­do em­pos­sa­do nas fun­ções de mi­nis­tro dos Re­cur­sos Mi­ne­rais e Pe­tró­le­os do no­vo Go­ver­no for­man­do pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo, João Lou­ren­ço. “Te­mos de ime­di­a­to uma ac­ção a re­a­li­zar, e que es­pe­ra­mos fa­zê-la no es­pa­ço de uma se­ma­na, que é pre­pa­rar o no­vo es­ta­tu­to or­gâ­ni­co, que é pa­ra per­mi­tir, na prá­ti­ca, a fu­são dos dois mi­nis­té­ri­os”, ex­pli­cou o no­vo mi­nis­tro dos Re­cur­sos Mi­ne­rais e Pe­tró­le­os. Es­te no­vo mi­nis­té­rio re­sul­ta das an­te­ri­o­res tu­te­las dos Pe­tró­le­os e da Ge­o­lo­gia e Mi­nas, res­pon­sá­veis pe­los dois pro­du­tos que ga­ran­tem a qua­se to­ta­li­da­de de ex­por­ta­ções an­go­la­nas: pe­tró­leo e di­a­man­tes. “Es­ta é uma ta­re­fa exi­gen­te por­que nós te­re­mos que aglu­ti­nar di­rec­ções, aglu­ti­nar ga­bi­ne­tes. E pe­ço des­de já a com­pre­en­são de to­dos os co­le­gas, por­que nós ire­mos ter uma re­du­ção de di­rec­ções e uma re­du­ção de ga­bi­ne­tes, pa­ra tor­nar o mi­nis­té­rio efi­ci­en­te”, de­fen­deu Di­a­man­ti­no Pe­dro Aze­ve­do. O no­vo Go­ver­no an­go­la­no con­ta com 32 mi­nis­tros (in­cluin­do três de Es­ta­do), no­ve dos quais man­ten­do-se nas mes- mas pas­tas pa­ra as quais ti­nham si­do no­me­a­das pe­lo an­te­ri­or che­fe de Es­ta­do, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. O an­te­ri­or Go­ver­no con­ta­va com 31 mi­nis­té­ri­os, mas na to­ma­da de pos­se, a 26 de Se­tem­bro, João Lou­ren­ço re­a­fir­mou a in­ten­ção de pro­mo­ver a re­du­ção do exe­cu­ti­vo, no âm­bi­to de uma re­for­ma do Es­ta­do, pre­ven­do a “des­cen­tra­li­za­ção de po­de­res, a im­ple­men­ta­ção gra­du­al das autarquias e a mu­ni­ci­pa­li­za­ção dos ser­vi­ços em ge­ral”. “A es­tru­tu­ra do exe­cu­ti­vo se­rá re­du­zi­da (pas­sar de 31 pa­ra 32 é re­du­zir?) de mo­do a ga­ran­tir a sua fun­ci­o­na­li­da­de sem dis­per­são de mei­os e evi­tan­do o es­ban­ja­men­to e o des­per­dí­cio de re­cur­sos que são ca­da vez mais es­cas­sos”, apon­tou Lou­ren­ço, que en­ca­be­çou a lis­ta do MPLA que ven­ceu as elei­ções ge­rais an­go­la­nas de 23 de Agos­to, ten­do si­do elei­to ter­cei­ro Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.