JLO MAL TO­CA NO LE­ME, O BAR­CO TEM CON­TRO­LO RE­MO­TO

Folha 8 - - TOPS -

VNão va­le a pe­na es­pe­rar, nem mes­mo se for sen­ta­do num con­for­tá­vel so­fá. Na­da mu­da­rá com o Go­ver­no de João Lou­ren­ço, tal co­mo já pre­viu o nos­so dir­tec­tor-ad­jun­to Or­lan­do Cas­tro. Por exem­plo, a cor­rup­ção de­ve con­ti­nu­ar em al­ta e uma sim­ples pro­va dis­so é o fac­to de An­go­la ter en­tra­do em li­tí­gio com as au­to­ri­da­des de jus­ti­ça de Por­tu­gal no pros­se­gui­men­to de uma to­ma­da de ati­tu­de mus­cu­la­da, co­pi­a­da a pa­pel quí­mi­co da pos­tu­ra do Ou­tro-se­nhor, ao que acres­ce um le­que de «ame­a­ça­zi­nhas» eco­nó­mi­cas e fi­nan­cei­ras, o tu­do em de­fe­sa de uma mais que evi­den­te tra­fu­lhi­ce fi­nan­cei­ra per­pre­ta­da por Manuel Vi­cen­te aos olhos dos mais dé­beis ana­lis­tas,. Em po­li­ti­ca in­te­ri­or, JLO de­ve ter ba­ti­do um re­cor­de do mun­do em ce­le­ri­da­de de in­cum­pri­men­to de pro­mes­sas fei­tas em cam­pa­nha elei­to­ral, ao ema­gre­cer o Go­ver­no, pro­mes­sa sua, en­gor­dan­do-o por ta­be­la se­ca. Ex­pli­que­mo-nos, o no­vo pre­si­den­te cor­tou dois Mi­ni­té­ri­os no rol ge­ral. mas não se es­que­ceu de sal­var­guar­dar as su­as gor­du­ras ao no­me­ar dois ele­men­tos a mais do que an­te­ri­or­men­te no seu pró­prio Ga­bi­ne­te Pre­si­den­ci­al, com po­de­res­com­pa­rá­véis aos de mi­nis­tro nos seus resç­pec­ti­vos sec­to­res. No dia 5 do mês em cur­so, JLO, deu-lhe uma ve­ne­ta e, sem se­quer o ter cha­ma­do à pe­dra e es­cla­re­cer, exo­ne­rou por de­cre­to An­tó­nio Ro­dri­gues Afon­so Pau­lo do car­go de Mi­nis­tro da Ad­mi­nis­tra­ção Pública, Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al, por não ter com­pa­re­ci­do à ce­ri­mó­nia da sua to­ma­da de pos­se. Em subs­ti­tui­ção no­me­ou Je­sus Fa­ria Mai­a­to. Em re­la­ção à cor­rup­ção, ci­te­mos Ra­fa­el Mar­ques, «is­so é mais ou me­nos co­mo pro­me­ter que se vai cui­dar das ga­li­nhas e de­pois pôr a ra­po­sa den­tro do ga­li­nhei­ro a cui­dar das ga­li­nhas». An­go­la é for­mal­men­te uma de­mo­cra­cia, tem par­ti­dos, mas o par­ti­do do­mi­nan­te con­ti­nua a fun­ci­o­nar co­mo se fos­se um par­ti­do úni­co. E as pes­so­as que es­tão li­ga­das à Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, ou que even­tu­al­men­te ve­nham a es­tar li­ga­das à João Lou­ren­ço co­mun­gam to­das des­ses mes­mos prin­cí­pi­os», em su­ma, pa­ra com­ba­ter a cor­rup­ção JLO tem de ata­car de fron­te o dis­co duro do MPLA de que ele faz par­te in­te­gran­te. Por trás dis­to tu­do per­fi­la-se o já re­fe­ri­do dis­co duro do MPLA, for­ma­ta­do pe­lo ex-pre­si­den­te e ac­tu­al­men­te che­fe su­pre­mo do par­ti­do no po­der, JES. Não te­nha­mos ilu­sões, JLO vai-se por­tar mui­to bem e obe­de­cer ao que JES lhe dis­ser pa­ra fa­zer, de ca­be­ça ao al­to, pa­ra dis­far­çar. O con­tro­lo, re­mo­to, mas pou­co! Is­to sem es­que­cer que, do al­to do seu ca­dei­rão de po­der po­lí­ti­co, re­al, ele sen­te os ali­cer­ces do es­tra­do, mui­to ve­lhos, já lon­ge da re­a­li­da­de ac­tu­al. Com­pli­ca­do….

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.