RE­DE TER­RO­RIS­TA ATA­CA ES­QUA­DRAS DA PO­LÍ­CIA

Folha 8 - - INTERNACIONAL -

De­pois de, em ple­no dia co­me­mo­ra­ti­vo da paz ou sim­ples­men­te da as­si­na­tu­ra do Acor­do Ge­ral de Paz, o país ter re­gis­ta­do o he­di­on­do as­sas­si­na­to do edil da ci­da­de de Nam­pu­la, Maha­mu­do Amu­ra­ne, no dia 5 de Ou­tu­bro, o dis­tri­to de Mo­cím­boa da Praia, pro­vín­cia de Ca­bo Del­ga­do vi­veu um cli­ma de ver­da­dei­ra guer­ra.

Por um la­do es­ta­va um gru­po ti­do, até aqui, co­mo “ban­do ar­ma­do des­co­nhe­ci­do” e, por ou­tro, as

For­ças de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça, es­sen­ci­al­men­te com­pos­tas pe­la Po­lí­cia de Pro­tec­ção e Po­lí­cia de

Pro­tec­ção de Re­cur­sos Na­tu­rais e Meio Am­bi­en­te.

A des­cri­ção in­di­ca que tu­do co­me­çou de ma­dru­ga­da. Exac­ta­men­te qu­an­do eram du­as ho­ras.

Es­tra­te­gi­ca­men­te, apa­ren­te­men­te or­ga­ni­za­do, o “ban­do ar­ma­do Re­gres­so dos fan­tas­mas do Al-Sha­ba­ab Ban­do ar­ma­do des­co­nhe­ci­do ater­ro­ri­za Mo­cím­boa da Praia des­con­ge­la­do”, com­pos­to por cer­ca de trin­ta ho­mens mu­ni­dos de me­tra­lha­do­ras e ins­tru­men­tos con­tun­den­tes, ata­cou três uni­da­des das For­ças de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça.

Os ata­ques, se­gun­do con­tou o por­ta- -voz do Co­man­do-ge­ral da Po­lí­cia da Re­pú­bli­ca de Mo­çam­bi­que, Iná­cio Di­na, o gru­po ata­cou, si­mul­ta­ne­a­men­te, três lo­cais, no­me­a­da­men­te o Co­man­do Dis­tri­tal da PRM de Mo­cím­boa da Praia, o pos­to po­li­ci­al de Awas­se e ain­da a Se­gun­da Com­pa­nhia da Po­lí­cia de Pro­tec­ção de Re­cur­sos Na­tu­rais e Meio Am­bi­en­te. O ti­ro­teio, que co­me­çou as du­as da ma­dru­ga­da só ter­mi­nou por vol­ta das 4 ho- ras, mas ao lon­go do dia se po­de­ria ouvir, de for­ma es­po­rá­di­ca, o som de ar­mas de guer­ra, no que era des­cri­to co­mo “per­se­gui­ção po­li­ci­al” ao gru­po in­va­sor.

Ofi­ci­al­men­te se fa­la de dois agen­tes da Po­lí­cia da Re­pú­bli­ca de Mo­çam­bi­que mor­tos em re­sul­ta­do da con­fron­ta­ção, três ban­di­dos aba­ti­dos e ain­da a apre­en­são, pe­las au­to­ri­da­des po­li­ci­ais, de du­as ar­mas de fo­go do ti­po AK47 e vá­ri­as ar­mas bran­cas (ca­ta­nas). Há ain­da dois ata­can­tes cap­tu­ra­dos pe­la Po­lí­cia.

En­tre­tan­to, fon­tes pa­ra­le­las ci­ta­das pe­la Rá­dio Mo­çam­bi­que, fa­la­vam na noi­te do dia 04, de 11 ata­can­tes mor­tos, cin­co cap­tu­ra­dos e três agen­tes po­li­ci­ais tam­bém mor­tal­men­te atin­gi­dos no fo­go cru­za­do. Ain­da de acor­do com a Rá­dio Mo­çam­bi­que, ci­tan­do po­pu­la­res lo­cais, os in­va­so­res, qu­an­do se de­pa­ra­vam com a po­pu­la­ção, da­vam in­for­ma­ções de que ne­nhum mal que­ri­am fa­zer às pes­so­as. O seu di­fe­ren­do, se­gun­do dis­se­ram, tem a ver com com o go­ver­no mo­çam­bi­ca­no e as For­ças de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça. Os cer­ca de 30 ho­mens, se­gun­do a po­lí­cia mo­çam­bi­ca­na, es­ta­vam en­ca­pu­ça­dos.

Na oca­sião, o por­ta-voz foi ques­ti­o­na­do se o país não es­ta­ria pe­ran­te a ins­ta­la­ção de cé­lu­las do mo­vi­men­to ter­ro­ris­ta e fun­da­men­ta­lis­ta do “Al-Sha­ba­ab” que ten­ci­o­na cri­ar e ins­ta­lar ba­ses, ten­do co­mo pon­to de en­tra­da a re­gião cos­tei­ra da pro­vín­cia de Ca­bo Del­ga­do. Di­na dis­se não ha­ver, até en­tão, in­di­ca­ção de uma pro­vá­vel li­ga­ção com o Al-sha­ba­ab, se­não o fac­to de se­rem ho­mens mas­ca- ra­dos mas os dois de­ti­dos se­rão, na óp­ti­ca da cor­po­ra­ção, pe­ças de ex­tre­ma im­por­tân­cia pa­ra mais de­ta­lhes. Ques­ti­o­na­do so­bre o ní­vel de pron­ti­dão e a exis­tên­cia, na cor­po­ra­ção, de uni­da­des pre­pa­ra­das pa­ra li­dar com as­pec­tos do ter­ro­ris­mo, a fon­te foi

pe­remp­tó­ria e adi­an­tou que há uni­da­des já cons­ti­tuí­das e es­tru­tu­ra­das que tra­ba­lham nes­ses as­pec­tos. O dis­tri­to de Mo­cím­boa da Praia foi, nos me­ses de Mar­ço e Abril, epi­cen­tro de epi­só­di­os de agi­ta­ção pro­vo­ca­dos in­di­ví­du­os que se iden­ti­fi­ca­ram co­mo

sim­pa­ti­zan­tes do Al-Sha­ba­ab que, nas su­as in­cur­sões, proi­bi­am os mem­bros das co­mu­ni­da­des de pro­cu­rar cui­da­dos mé­di­cos nas uni­da­des sa­ni­tá­ri­as e as crianças ir às es­co­las.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.