CAM­PA­NHA POR ABO­LI­ÇÃO DE AR­MAS NU­CLE­A­RES GA­NHA NO­BEL DA PAZ

Folha 8 - - INTERNACIONAL -

Co­mi­tê No­ru­e­guês do No­bel con­ce­deu nes­ta sex­ta-fei­ra o prê­mio No­bel da Paz a um gru­po in­ter­na­ci­o­nal pou­co co­nhe­ci­do que faz cam­pa­nha pe­lo fim das ar­mas nu­cle­a­res, ad­ver­tin­do con­tra o cres­cen­te ris­co de uma guer­ra nu­cle­ar. A Cam­pa­nha In­ter­na­ci­o­nal pa­ra a Abo­li­ção de Ar­mas Nu­cle­a­res (Ican) se des­cre­ve co­mo uma co­a­li­zão de gru­pos não go­ver­na­men­tais com re­pre­sen­ta­ção em mais de 100 na­ções. A or­ga­ni­za­ção co­me­çou na Aus­trá­lia e foi lan­ça­da ofi­ci­al­men­te em Vi­e­na em 2007. “Nós vi­ve­mos em um mun­do on­de o ris­co de ar­mas nu­cle­a­res se­rem usa­das é mai­or do que tem si­do há mui­to tem­po”, dis­se Be­rit Reiss-an­der­sen, lí­der do Co­mi­tê No­ru­e­guês do No­bel, ao anun­ci­ar o ga­nha­dor do prê­mio. Em ju­lho, 122 Es­ta­dos ado­ta­ram um tra­ta­do da ONU so­bre a proi­bi­ção de ar­mas nu­cle­a­res, mas o acor­do não in­clui na­ções co­mo os Es­ta­dos Uni­dos, Rús­sia, Chi­na, Rei­no Uni­do e França. “Es­se prê­mio lan­ça uma ne­ces­sá­ria luz so­bre o ca­mi­nho que o tra­ta­do de proi­bi­ção for­ne­ce em direção a um mun­do li­vre de ar­mas nu­cle­a­res. An­tes que se­ja mui­to tar­de, nós pre­ci­sa­mos to­mar es­se ca­mi­nho”, dis­se a Ican em co­mu­ni­ca­do em sua pá­gi­na do Fa­ce­bo­ok. “Es­se é um mo­men­to de gran­de ten­são glo­bal, qu­an­do re­tó­ri­cas in­fla­ma­das po­dem fa­cil­men­te nos le­var, ine­vi­ta­vel­men­te, a um ter­ror in­des­cri­tí­vel. O fan­tas­ma do con­fli­to nu­cle­ar é mais uma vez mo­ti­vo de gran­de pre­o­cu­pa­ção. Se al­gu­ma vez hou­ve um mo­men­to pa­ra que na­ções de­cla­ras­sem sua opo­si­ção inequí­vo­ca a ar­mas nu­cle­a­res, es­se mo­men­to é ago­ra”. O prê­mio No­bel bus­ca for­ta­le­cer a cam­pa­nha de de­sar­ma­men­to em meio a ten­sões nu­cle­a­res en­tre os Es­ta­dos Uni­dos e a Co­reia do Nor­te e a in­cer­te­zas so­bre o des­ti­no de um acor­do de 2015 en­tre o Irã e gran­des po­tên­ci­as pa­ra li­mi­tar o pro­gra­ma nu­cle­ar de Te­e­rã. O acor­do do Irã é vis­to co­mo ame­a­ça­do de­pois que o pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos, Do­nald Trump, o cha­mou de “pi­or acor­do já ne­go­ci­a­do”. Uma au­to­ri­da­de do go­ver­no dos EUA dis­se na quin­ta-fei­ra que Trump de­ve anun­ci­ar em bre­ve que irá re­ti­rar a cer­ti­fi­ca­ção do pac­to, um pas­so pa­ra po­ten­ci­al­men­te re­ver­tê-lo. O co­mi­tê cau­sou apre­en­são com a de­ci­são de pre­mi­ar um gru­po de cam­pa­nha in­ter­na­ci­o­nal re­la­ti­va­men­te des­co­nhe­ci­do, ao in­vés dos ar­qui­te­tos do acor­do do Irã, am­pla­men­te vis­tos co­mo fa­vo­ri­tos, após ela­bo­ra­rem um com­ple­xo tra­ta­do du­ran­te anos de di­plo­ma­cia de al­to ris­co.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.