PON­TE POS­SÍ­VEL EN­TRE O MARXISMO E A DE­MO­CRA­CIA?

Folha 8 - - CRÓNICA - DO­MIN­GOS DA CRUZ

Na mi­nha pá­gi­na do Fa­ce­bo­ok, pos­tei o se­guin­te: Karl Marx em de­fe­sa da li­ber­da­de de Im­pren­sa. A se­guir vem um tex­ti­nho que re­su­me a vi­são de Marx so­bre a im­pren­sa e que no es­sen­ci­al foi re­vi­si­ta­da e re­ac­tu­a­li­za­da pe­la no­va ge­ra­ção de fi­ló­so­fos Mar­xis­tas. Uma vi­são com a qu­al es­tou de acor­do. “Pa­ra ele, o jor­nal de­ve­ria ser uma ar­ma de com­ba­te à opres­são e à ex­plo­ra­ção e não um veí­cu­lo neu­tro. A exem­plo do folha 8 com o qu­al Marx es­ta­ria de acor­do. “A fun­ção da im­pren­sa é ser o cão-de-guar­da, o de­nun­ci­a­dor incansável dos opres­so­res, o olho omnipresente e a bo­ca omnipresente do es­pí­ri­to do po­vo que guar­da com ciú­me sua li­ber­da­de”. Nou­tro tex­to, afir­ma: “O de­ver da im­pren­sa é to­mar a pa­la­vra a fa­vor dos opri­mi­dos a sua vol­ta. O pri­mei­ro de­ver da im­pren­sa é mi­nar to­das as ba­ses do sis­te­ma po­lí­ti­co exis­ten­te”. Por es­ta pos­ta­gem mui­tos ami­gos da re­de co­men­ta­ram, mas cha­mou-me aten­ção o se­guin­te co­men­tá­rio: “(…) Mas o Marx não era de­mo­crá­ti­co, desculpa lá!”, es­cre­veu Mi­guel Go­mes. Di­an­te dis­to, re­a­gi com os se­guin­tes ar­gu­men­tos a se­guir. Gos­ta­ria de di­ri­gir-me de for­ma par­ti­cu­lar ao Mi­guel Go­mes que afir­ma que Marx não era de­mo­crá­ti­co. É im­por­tan­te não con­fun­dir Marx fi­ló­so­fo e pen­sa­dor que cons­truiu to­do um sis­te­ma de pen­sa­men­to que se es­ten­deu pa­ra a es­té­ti­ca, an­tro­po­lo­gia, pa­ra a te­o­di­ceia, a éti­ca, a economia, a so­ci­o­lo­gia etc, com o so­ci­a­lis­mo/co­mu­nis­mo prá­ti­co que foi uma in­ter­pre­ta­ção e apli­ca­ção er­ra­da das idei­as do ve­lho Marx pen­sa­dor. Só pa­ra com­pre­en­der, Adam Smith, ape­sar de ser um dos mai­o­res ex­po­en­tes do li­be­ra­lis­mo eco­nó­mi­co, tal co­mo co­nhe­ce­mos ho­je e que tem sua má­xi­ma ex­pres­são nos EUA (par­ti­do re­pu­bli­ca­no co­mo bra­ço da sua de­fe­sa ra­di­cal), ele tam­bém de­fen­dia li­mi­tes no mer­ca­do ca­pi­ta­lis­ta por meio de um sen­so éti­co ex­pres­so num li­vro de­pois da pu­bli­ca­ção de “A ri­que­za das Na­ções”. Sig­ni­fi­ca que o li­be­ra­lis­mo tal co­mo co­nhe­ce­mos ho­je, ex­pres­so no ca­pi­ta­lis­mo sel­va­gem sem al­ma é uma má in­ter­pre­ta­ção de Adam Smith, tal co­mo o “so­ci­a­lis­mo ra­di­cal” foi uma má in­ter­pre­ta­ção de Marx. Se o Se­nhor é hu­mil­de leia mais um pou­co e sa­be­rá que os Di­rei­tos Hu­ma­nos, um ali­a­do his­tó­ri­co in­con­tor­ná­vel da De­mo­cra­cia, en­con­tram em Marx a mais vi­va de­fe­sa e sus­ten­ta­ção teó­ri­ca. Pa­ra tal leia o seu li­vro “So­bre a ques­tão ju­dai­ca”. É ver­da­de que Marx não foi mui­to útil no qua­dro dos Di­rei­tos po­lí­ti­cos, mas gra­ças ao ve­lho Marx as de­mo­cra­ci­as têm o rol de di­rei­tos eco­nó­mi­cos e so­cais. É im­por­tan­te que o Se­nhor sai­ba que a de­fe­sa dos de- mo­cra­tas tra­di­ci­o­nais em re­la­ção ao sis­te­ma po­lí­ti­co e o rol de di­rei­tos era só pa­ra aqui­lo que se cha­ma­va, no se­cu­lo XV até a primeira me­ta­de do se­cu­lo XX, a clas­se bur­gue­sa, e gra­ças a crítica teó­ri­ca Mar­xis­ta que se mu­dou o qua­dro. No âm­bi­to da im­pren­sa, pre­ci­sas sa­ber que Marx es­cre­veu o li­vro cha­ma­do a “Li­ber­da­de de Im­pren­sa” e ne­la cri­ti­ca a ló­gi­ca li­be­ral da Im­pren­sa que se con­duz pa­ra uso ide­o­ló­gi­co de opres­são e pa­ra o en­ri­que­ci­men­to dos mais for­tes. Pa­ra Marx, a im­pren­sa de­ve ser con­tro­la­da pe­la clas­se me­dia e tra­ba­lha­do­ra e não pe­los ca­pi­ta­lis­tas e po­de­ro­sos co­mo as­sis­ti­mos ho­je. Sa­bi­as que Marx foi jor­na­lis­ta e che­gou à ser di­rec­tor de jor­nais? Sai­ba ain­da que Marx foi per­se­gui­do, jul­ga­do e te­ve mui­tos pro­ces­sos ju­di­ci­ais co­mo con­sequên­cia da sua vi­da jor­na­lís­ti­ca, mas um jor­na­lis­ta que de­fen­dia uma mi­dia plu­ral, mas do la­do dos fra­cos. Pa­ra re­tro­ce­der ao pri­mei­ro pa­rá­gra­fo, de­vo di­zer-lhe que mui­tos pen­sa­do­res fo­ram ví­ti­mas de má in­ter­pre­ta­ção e por is­so ho­je es­tão a ser re­vi­si­ta­dos e rein­ter­pre­ta­dos: Ma­qui­a­vel, Ni­etzs­che, Ga­li­leu, etc. Is­to le­var-nos-ia à es­cre­ver um li­vro pa­ra res­pon­der con­for­me a tra­di­ção aca­dé­mi­ca sé­ria faz, o que não é o ca­so de An­go­la, um país pri­mi­ti­vo com si­nais de mo­der­ni­da­de im­por­ta­da, mes­mo sem os com­pre­en­de­rem!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.