NO­BEL DA PAZ? AIN­DA NÃO FOI DES­TA!

Folha 8 - - CRÓNICA - OR­LAN­DO CAS­TRO

OCo­mi­té No­bel no­ru­e­guês atri­buiu o No­bel da Paz de 2017 à Cam­pa­nha In­ter­na­ci­o­nal pa­ra a Abo­li­ção de Ar­mas Nu­cle­a­res (ICAN, na si­gla em in­glês) pe­lo tra­ba­lho fei­to pa­ra a eli­mi­na­ção de ar­ma­men­to nu­cle­ar no mun­do. Ain­da não foi des­te que o “es­co­lhi­do de Deus” foi dis­tin­gui­do. É ca­so pa­ra o MPLA fi­car cha­te­a­do. É mes­mo. E qu­an­do is­so acon­te­ce… Cus­ta a com­pre­en­der a di­fi­cul­da­de que o mun­do tem em re­co­nhe­cer o pa­pel úni­co de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, tan­to em An­go­la co­mo em Áfri­ca e até nos res­tan­tes con­ti­nen­tes. Es­pe­re­mos que, em 2018, a Aca­de­mia Su­e­ca não se es­que­ça de lhe atri­buir um Pré­mio No­bel. Qu­al? Tan­to faz. Sua ma­jes­ta­de até não é, nes­ta ma­té­ria, es­qui­si­to. Ao ex­cluí­rem sis­te­ma­ti­ca­men­te o “es­co­lhi­do de Deus”, a revolta vai ins­ta­lar-se no re­gi­me e as re­per­cus­sões mun­di­ais se­rão gra­ves. To­dos sa­be­mos que qu­an­do re­gi­me an­go­la es­pir­ra, o mun­do apanha uma gra­ve pneu­mo­nia. O MPLA atra­vés dos im­po­lu­tos ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al do re­gi­me, ago­ra sob a li­de­ran­ça pes­so­al do im­po­lu­to João Melo e com uma mão­zi­nha de Luís Fer­nan­do, vai com cer­te­za – se aca­so ela se vol­tar a es­que­cer – de­cla­rar a Aca­de­mia Re­al Su­e­ca/no­ru­e­ge­sa “per­so­na non gra­ta”, pre­ven­do-se a pro­mul­ga­ção de um de­cre­to, com efei­tos re­tro­ac­ti­vos, em que se cor­ta to­do o ti­po de re­la­ções com aque­la ins­ti­tui­ção. De fac­to, e aqui o Folha 8 ma­ni­fes­ta a sua so­li­da­ri­e­da­de, não se com­pre­en­de que já te­nha atri­buí­do o Pré­mio No­bel da Paz a, por exem­plo, Ma­la­la You­saf­zai, a jo- vem pa­quis­ta­ne­sa que aler­tou o mun­do pa­ra o di­rei­to à edu­ca­ção, em par­ti­cu­lar das ra­pa­ri­gas, jun­ta­men­te com o ac­ti­vis­ta in­di­a­no pe­los di­rei­tos das crianças, Kai­lash Satyarthi, es­que­cen­do-se de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. To­do o mun­do sa­be, ou de­via sa­ber, que Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos foi é a fi­gu­ra afri­ca­na do ano dos úl­ti­mos 38 anos e, cer­ta­men­te, a fi­gu­ra mun­di­al dos úl­ti­mos 15. Ou se­rá que ser pai de Isa­bel dos San­tos, so­gro de Sindika Do­ko­lo e tio de Ben­to Kan­gam­ba não con­ta? To­dos os anos, quem man­da no país diz que o Pré­mio No­bel pa­ra o pre­si­den­te se­ria o mais ele­men­tar re­co­nhe­ci­men­to de que Edu­ar­do dos San­tos é “o lí­der de um am­bi­ci­o­so pro­gra­ma de Re­cons­tru­ção Na­ci­o­nal”, que a “sua ac­ção con­du­ziu à des­trui­ção do re­gi­me de “apartheid”, te­ve “um pa­pel de pri­mei­ro pla­no na SADC e na CDEAO”, que “a sua in­fluên­cia na re­gião do Gol­fo da Gui­né per­mi­tiu equi­lí­bri­os po­lí­ti­cos, tal co­mo per­mi­tiu avan­ços sig­ni­fi­ca­ti­vos na cri­se de Ma­da­gás­car”. Co­mo es­cre­veu o ór­gão ofi­ci­al do re­gi­me, “An­go­la já foi um país ocu­pa­do por for­ças es­tran­gei­ras, se por hi­pó­te­se ho­je An­go­la fos­se a Lí­bia, o país es­ta­va no­va­men­te a atra­ves­sar um pe­río­do de gran­de ins­ta­bi­li­da­de e per­tur­ba­ção. Mas co­mo o tem­po não re­cua, Lu­an­da é uma ci­da­de li­vre”. E tu­do gra­ças a quem? A quem? Edu­ar­do dos San­tos, ob­vi­a­men­te. A Aca­de­mia No­ru­e­gue­sa (no ca­so do No­bel da Paz) pa­re­ce, con­tu­do, es­que­cer pon­tos fun­da­men­tais: “O Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos não go­ver­nou – di­rec­ta­men­te- du­ran­te 38 anos. Ele é o lí­der de um po­vo que te­ve de en­fren­tar de ar­mas na mão a in­va­são de exér­ci­tos es­tran­gei­ros e os seus ali­a­dos in­ter­nos”; “Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos foi o lí­der mi­li­tar que der­ru­bou o re­gi­me de “apartheid”, o mes­mo que ti­nha Nelson Man­de­la apri­si­o­na­do. Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos só acei­tou de­por as ar­mas qu­an­do a Na­mí­bia e a Áfri­ca do Sul fo­ram li­vres e os seus lí­de­res pu­de­ram cons­truir re­gi­mes li­vres e de­mo­crá­ti­cos”; Foi gra­ças a Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos que Por­tu­gal adop­tou a de­mo­cra­cia, que a es­cra­va­tu­ra foi abo­li­da, que D. Afon­so Henriques es­cor­ra­çou os mou­ros, que Ba­rack Oba­ma foi elei­to e que os ri­os pas­sa­ram a cor­rer pa­ra o mar; O di­vi­no ca­ris­ma de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos tor­nou-o o mais po­pu­lar po­lí­ti­co mun­di­al, pe­lo me­nos des­de que Di­o­go Cão por cá an­dou. Tão po­pu­lar que ba­te aos pon­tos Nelson Man­de­la, Mar­tin Luther King e até mes­mo Cris­ti­a­no Ro­nal­do ou Li­o­nel Mes­si. Tam­bém con­cor­da­mos que Edu­ar­do dos San­tos me­re­ce um Pré­mio No­bel que, con­tu­do, ain­da não exis­te. Ou se­ja, um No­bel que dis­tin­ga quem é o prin­ci­pal res­pon­sá­vel por An­go­la ser – en­tre mui­tas ou­tras re­a­li­da­des – um dos paí­ses mais cor­rup­tos do mun­do, por ser um dos paí­ses com pi­o­res prá­ti­cas de­mo­crá­ti­cas, por ser um país com enor­mes as­si­me­tri­as so­ci­ais, por ser o país com o mai­or ín­di­ce de mor­ta­li­da­de in­fan­til do mun­do. Es­cre­ver so­bre Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, abor­dan­do tan­to a sua di­vi­na e nun­ca vis­ta (nem mes­mo pe­lo Va­ti­ca­no) qua­li­da­de de Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca co­mo a de sim­ples, hon­ra­do, in­có­lu­me, im­po­lu­to, ho­no­rá­vel e igual­men­te di­vi­no ci­da­dão, tem tan­to de fá­cil co­mo de com­ple­xo. Fá­cil por­que bas­ta con­ju­gar o ver­bo ba­ju­lar. Com­ple­xo por­que não há qua­li­fi­ca­ti­vos que che­guem… Por ou­tras pa­la­vras. Fá­cil, por­que se tra­ta de uma fi­gu­ra que li­de­ra o top das mais em­ble­má­ti­cas vir­tu­des da hu­ma­ni­da­de, con­sen­su­al­men­te (des­de a Co­reia do Nor­te à Gui­né Equa­to­ri­al) acei­te co­mo pos­sui­do­ra de uma per­so­na­li­da­de até ho­je aci­ma de qual­quer ou­tra, for­te, fér­reo e de no­vo di­vi­no ca­ris­ma que o tor­na o mais po­pu­lar po­lí­ti­co mun­di­al. Não ad­mi­ra, pois, que se­ja con­si­de­ra­do com to­da a jus­ti­ça não só pai da na­ção do MPLA, de Áfri­ca, do Mun­do e de tu­do o mais que se vi­er a des­co­brir nos pró­xi­mos sé­cu­los. A com­ple­xi­da­de de se es­cre­ver so­bre Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos re­sul­ta, afi­nal de con­tas, da so­ma dos fac­to­res que o tor­nam una­ni­me­men­te co­mo a mais ca­ris­má­ti­ca, im­po­lu­ta, ho­no­rá­vel di­vi­na etc. etc. etc. fi­gu­ra da história da hu­ma­ni­da­de. Quem com ele con­vi­veu na in­fân­cia e na ju­ven­tu­de re­co­nhe­ce-lhe o mé­ri­to de, ao lon­go dos anos, se ter man­ti­do fi­el a si mes­mo, mos­tran­do já des­de pe­que­no (tal­vez até mes­mo an­tes de nas­cer) a sua fa­ce­ta de fu­tu­ro ci­da­dão ca­ris­má­ti­co, im­po­lu­to, ho­no­rá­vel, di­vi­no etc. etc. etc. fi­gu­ra da história da hu­ma­ni­da­de. Di­zem os mui­tos mi­lhões de ami­gos que tem es­pa­lha­dos por to­do o uni­ver­so co­nhe­ci­do (in­cluin­do os nos­sos 20 mi­lhões de­po­bres), que sem­pre foi ami­go dos seus ami­gos, que nun­ca es­que­ceu de on­de veio e mui­to me­nos de on­de nas­ceu e com quem con­vi­veu nos ban­cos da es­co­la. Sem­pre dis­po­ní­vel pa­ra aju­dar quem a si re­cor­re nas mais va­ri­a­das cir­cuns­tân­ci­as, co­mo po­dem com- provar – cor­ro­bo­re-se – os mais de 20 mi­lhões de an­go­la­nos po­bres, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos é o ros­to da ge­ne­ro­si­da­de, da de­ter­mi­na­ção, do ca­ris­ma que ca­rac­te­ri­zam um ser im­po­lu­to, ho­no­rá­vel, di­vi­no etc. etc. etc. fi­gu­ra da história da hu­ma­ni­da­de. Mas há mais. Pa­ra além da sua fa­ce­ta en­quan­to ci­da­dão ca­ris­má­ti­co, im­po­lu­to, ho­no­rá­vel, di­vi­no etc. etc. etc. e fi­gu­ra da história da hu­ma­ni­da­de, é igual­men­te um ho­mem (tal­vez o úni­co) de paz e de uma só pa­la­vra, dis­cre­to a pon­to de se re­cu­sar a dar or­dens pa­ra que se­ja es­co­lhi­do co­mo ven­ce­dor do Pré­mio No­bel da Paz, pre­fe­rin­do pas­sar os lou­ros da sua ex­cel­sa, im­po­lu­ta e ho­no­rá­vel go­ver­na­ção pa­ra os seus co­la­bo­ra­do­res. A sua de­di­ca­ção à fa­mí­lia, ca­so a me­re­cer es­tu­do ci­en­tí­fi­co por ser úni­co des­de a pré-história, é as­su­mi­da sem gran­de ala­ri­do, mas com uma to­tal de­vo­ção, fa­zen­do sem­pre ques­tão de se­pa­rar cla­ra­men­te que aqui­lo que é dos an­go­la­nos ao Es­ta­do per­ten­ce, e que o que é do Es­ta­do aos… seus fa­mi­li­a­res per­ten­ce. Ho­mem de uma só pa­la­vra, ci­da­dão ca­ris­má­ti­co, im­po­lu­to, ho­no­rá­vel, di­vi­no etc. etc. etc. fi­gu­ra da história da hu­ma­ni­da­de, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos car­re­ga con­si­go o se­gre­do de ser ama­do por 99,6% dos an­go­la­nos. Em­bo­ra se­ja um ci­da­dão ca­ris­má­ti­co, im­po­lu­to, ho­no­rá­vel, di­vi­no etc. etc. etc. fi­gu­ra da história da hu­ma­ni­da­de, di­zem os seus acó­li­tos que é uma pes­soa nor­mal, de car­ne e os­so. E é aqui que re­si­de o bu­sí­lis. As­sim não se­rá eter­no. No­ta: Va­mos tra­du­zir es­te tex­to em su­e­co, no­ru­e­guês, fin­lan­dês, meän­ki­e­li, sa­mi ou la­pão, ro­ma­ni, ií­di­che etc. e fa­zê-lo che­gar à Aca­de­mia Su­e­ca e No­ru­e­gue­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.