JO­SÉ LUÍS MEN­DON­ÇA APRE­SEN­TA RO­MAN­CE NA SUÉ­CIA

O Rei­no das Ca­su­a­ri­nas, o pri­mei­ro ro­man­ce na história li­te­rá­ria de Jo­sé Luís Men­don­ça, foi traduzido pa­ra su­e­co e lan­ça­do a 28 de Se­tem­bro na Fei­ra In­ter­na­ci­o­nal do Li­vro de Go­tem­bur­go, a se­gun­da mai­or ci­da­de do Rei­no da Sué­cia.

Folha 8 - - CULTURA -

AA­go­ra com o no­vo tí­tu­lo de “Kun­ga­do­met I Ka­su­a­rins­ko­gen”, a obra tra­du­zi­da por Gu­nil­la Win­berg, pro­pri­e­tá­ria da edi­to­ra Pan­ta Rei, pas­sa a fa­zer par­te da bi­bli­o­te­ca de vi­das an­go­la­nas pu­bli­ca­das na Sué­cia. O Rei­no das Ca­su­a­ri­nas foi publicado ori­gi­na­ri­a­men­te em português pe­la LEYA/ Ca­mi­nho e Tex­to Edi­to­res em Lis­boa e em Lu­an­da, em 2014. Tra­ta-se de um ro­man­ce his­tó­ri­co, com du­as es­tó­ri­as pa­ra­le­las, a do nar­ra­dor au­to-di­e­gé­ti­co, Nku­ku, que con­ta a sua ex­pe­ri­ên­cia trau­má­ti­ca des­de o iní­cio da lu­ta de li­ber­ta­ção em 1961 até ao ano de 1987, en­quan­to des­ven­da a ra­zão da fun­da­ção na Flo­res­ta da Ilha de Lu­an­da de um rei­no cu­ja po­pu­la­ção é com­pos­ta por se­te do­en­tes men­tais (vul­go ma­lu­cos), e go­ver- na­dos por uma mu­lher, a Rai­nha Eu­ta­ná­sia. “Pa­re­ce que vi­rar ma­lu­co, po­de ser uma es­tra­té­gia de so­bre­vi- vên­cia hu­ma­na pe­ran­te os lo­bos do pró­prio ho­mem. Es­te li­vro é uma ho­me­na­gem a es­sa clas­se de som- bras que nin­guém vê pas­sar no tem­po”, de­fen­deu Men­don­ça. Um dos per­so­na­gens é um ga­to cha­ma­do Stra­visnky, um Mau Egíp­cio, do­ta­do de po­de­res me­diú­ni­cos. A ac­ção de­sen­ro­la-se por vá­ri­os ce­ná­ri­os, in­do até à Ale­ma­nha De­mo­crá­ti­ca, pa­ra lá do Mu­ro de Ber­lim, on­de Nku­ku foi es­tu­dar Economia e de­pois re­gres­sa à An­go­la dos anos 80, qu­an­do se ini­ci­a­va o pro­ces­so de re­es­tru­tu­ra­ção da economia an­go­la­na sob a égi­de do SEF. Cha­ma­do a dar o seu con­tri­bu­to às te­ses apre­sen­ta­das pe­lo economista Jo­sé Cer­quei­ra, Nku­ku, en­tão fun­ci­o­ná­rio do Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças, pro­duz um en­saio in­ti­tu­la­do “Se os Mi­nis­tros Mo­ras­sem no Mu­ce­que”, que o le­vou à des­pro­mo­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.