KILUANJI KIA HEN­DA EM DESTAQUE NA FEI­RA DE AR­TE FRIEZE EM LON­DRES

O cul­to do marxismo-le­ni­nis­mo em An­go­la após a in­de­pen­dên­cia do país é o pon­to de par­ti­da da ins­ta­la­ção do ar­tis­ta Kiluanji Kia Hen­da, pa­ten­te na fei­ra de ar­te Frieze, em Lon­dres.

Folha 8 - - CULTURA -

Oar­tis­ta an­go­la­no tra­ça um pa­ra­le­lo com as prá­ti­cas de fei­ti­ça­ria du­ran­te a guer­ra ci­vil em An­go­la e as nar­ra­ti­vas de fic­ção ci­en­tí­fi­ca usa­das pe­las po­tên­ci­as da Guer­ra Fria, a União So­vié­ti­ca e os Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca. A ins­ta­la­ção, com­pos­ta por du­as par­tes, vai evo­luin­do ao lon­go do even­to, olhan­do pa­ra co­mo a “fan­ta­sia fic­tí­cia e o seu po­der de ma­ni­pu­la­ção se trans­for­ma nu­ma ar­ma im­por­tan­te em si­tu­a­ções de vi­o­lên­cia ex­tre­ma”, re­fe­re a or­ga­ni­za­ção. O pró­prio Kiluanji Kia Hen­da ex­pli­ca que, “ape- sar de ser uma ide­o­lo­gia po­lí­ti­ca que re­jei­tou a re­li­gião, a ma­nei­ra co­mo o marxismo-le­ni­nis­mo foi dou­tri­na­do du­ran­te a re­vo­lu­ção exi­gia le­al­da­de e cren­ça in­ques­ti­o­ná­vel, se­me­lhan­te à prá­ti­ca re­li­gi­o­sa”. O ar­tis­ta re­fe­re que usa um bus­to de Le­ni­ne co­mo ob­je­to cen­tral da ins­ta­la­ção, “on­de as me­mó­ri­as e as nar­ra­ti­vas de um dos con­fli­tos mais san­gren­tos de Áfri­ca são fun­di­das com a trans­cen­dên­cia da fei­ti­ça­ria e a di­men­são dog­má­ti­ca de uma ide­o­lo­gia po­lí­ti­ca”. In­ti­tu­la­da “Un­der the Si­lent Eye of Le­nin” [Sob o olhar si­len­ci­o­so de Le­ni­ne], a ins­ta­la­ção faz par­te da pla­ta­for­ma Frieze Pro­jects, um pro­gra­ma sem fins lu­cra­ti­vos pa­ra o qu­al o ar­tis­ta an­go­la­no foi se­le­ci­o­na­do en­quan­to ven­ce­dor do pré­mio Frieze Ar­tist en­tre can­di­da­tos de mais de 82 paí­ses.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.