KA­ZUO ISHI­GU­RO DIS­TIN­GUI­DO COM O NO­BEL DA LITERATURA 2017

A Aca­de­mia Su­e­ca dis­tin­guiu o es­cri­tor in­glês Ka­zuo Ishi­gu­ro, que se tor­nou glo­bal­men­te co­nhe­ci­do com a obra “Os Des­po­jos do Dia”, uma re­vi­si­ta­ção con­tem­po­râ­nea com lai­vos his­tó­ri­cos e so­ci­ais.

Folha 8 - - CULTURA -

ONo­bel da Literatura de 2017 foi atri­buí­do ao es­cri­tor in­glês Ka­zuo Ishi­gu­ro e aos seus “ro­man­ces de gran­de for­ça emo­ci­o­nal, que re­ve­lam o abis­mo da nossa ilu­só­ria sen­sa­ção de con­for­to em re­la­ção ao mun­do”, anun­ci­ou em Es­to­col­mo a se­cre­tá­ria per­ma­nen­te da Aca­de­mia Su­e­ca, Sa­ra Da­nius. Ishi­gu­ro é o ce­le­bra­do au­tor de Os Des­po­jos do Dia (1989), um ro­man­ce on­de são bem vi­sí­veis os seus te­mas de elei­ção, “a memória, o tem­po e a au­to-ilu­são”, co­mo es­cre­ve a Aca­de­mia Su­e­ca na pe­que­na bi­o­gra­fia do au­tor dis­po­ní­vel no si­te. Com ele ven­ceu o Bo­o­ker Pri­ze; o li­vro vi­ria a ser adap­ta­do ao ci­ne­ma em 1993 por Ja­mes Ivory. Ishi­gu­ro es­cre­veu tam­bém Os In­con­so­la­dos (1995, ven­ce­dor do Chel­te­nham Pri­ze), Qu­an­do Éra­mos Ór­fãos (2000, no­me­a­do pa­ra o Bo­o­ker Pri­ze e pa­ra o Whit­bre­ad Pri­ze), Nun­ca me Dei­xes (2005, no­me­a­do pa­ra o Bo­o­ker Pri­ze; adap­ta­do ao ci­ne­ma), Noc­tur­nos (2009) e O Gi­gan­te En­ter­ra­do (2015), pu­bli­ca­dos em Por­tu­gal pe­la Gra­di­va. O seu pri­mei­ro ro­man­ce, As Co­li­nas de Na­ga­sa­ki, foi traduzido em 1989 pe­la Re­ló­gio D’água. Re­cor­te li­te­rá­rio Na­tu­ral de Na­ga­sá­qui, no Ja­pão, on­de nas­ceu em 1954, Ishi­gu­ro mu­dou-se com a fa­mí­lia pa­ra o Rei­no Uni­do qu­an­do ti­nha cin­co anos. Li­cen­ci­ou-se pe­la Uni­ver­si­da­de de Kent em 1978 e ob­te­ve um mes­tra­do em es­cri­ta cri­a­ti­va pe­la Uni­ver­si­da­de de East An­glia em 1980. Des­de o seu pri­mei­ro ro­man­ce, As Co­li­nas de Na­ga­sa­ki, (1982), que Ka­zuo Ishi­gu­ro “tem si­do um es­cri­tor a tem­po in­tei­ro”, su­bli­nha a Aca­de­mia Su­e­ca; tal co­mo a sua se­gun­da obra, Um Ar­tis­ta do Mun­do Tran­si­tó­rio (1986), edi­ta­da em Por­tu­gal pe­la Li­vro Aber­to, o ro­man­ce pas­sa-se na ci­da­de ja­po­ne­sa on­de o es­cri­tor nas­ceu, al­guns anos de­pois da Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al e do bom­bar­de­a­men­to ató­mi­co pe­los EUA. A es­cri­ta de Ishi­gu­ro “é mar­ca­da por uma ex­pres­são cui­da­do­sa­men­te con­ti­da, in­de­pen­den­te­men­te dos acon­te­ci­men­tos que re­tra­ta”, mas, “ao mes­mo tem­po, a sua fic­ção mais re­cen­te con­tém te­mas fan­tás­ti­cos”. Com o li­vro Nun­ca Me Dei­xes (2005), “Ishi­gu­ro in­tro­duz uma cor­ren­te sub­ja­cen­te de fic­ção ci­en­tí­fi­ca no seu tra­ba­lho”. Nes­te ro­man­ce, co­mo em vá­ri­os ou­tros, con­ti­nua a Aca­de­mia, mos­tra um tra­ba­lho com vá­ri­as re­fe­rên­ci­as mu­si­cais, de que é exem­plo a co­lec­tâ­nea de con­tos Noc­tur­nos, “on­de a mú­si­ca tem um pa­pel fun­da­men­tal no re­tra­to das re­la­ções en­tre as per­so­na­gens”. O es­cri­tor português Jo­sé Sa­ra­ma­go ga­nhou o Pré­mio No­bel da Literatura em 1998. Es­te ano, An­tó­nio Lo­bo An­tu­nes vol­tou a es­tar en­tre os es­cri­to­res da­dos co­mo fa­vo­ri­tos ao pré­mio pe­las prin­ci­pais ca­sas de apos­tas, nu­ma lis­ta em que fi­gu­ra­vam tam­bém o que­ni­a­no Ngu­gi wa Thi­ong’o, a ca­na­di­a­na Mar­ga­ret Atwo­od e o ja­po­nês Haruki Mu­ra­ka­mi.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.