SI­NOP­SE DU­MA GE­RÊN­CIA IM­POS­SÍ­VEL

Folha 8 - - QUENTE -

Mi­guel Chis­to, ges­tor do Es­tá­dio 11 de No­vem­bro dis­se, sem frio nos olhos, que o 11 de No­vem­bro é a mai­or es­tru­tu­ra des­por­ti­va exis­ten­te no país e que is­so se de­ve es­sen­ci­al­men­te ao fac­to de ele ter si­do con­ce­bi­do e cons­truí­do nu­ma al­tu­ra em que era ne­ces­sá­rio mos­trar ao mun­do as ca­pa­ci­da­des de An­go­la pa­ra or­ga­ni­zar um cam­pe­o­na­to de Áfri­ca com uma or­ga­ni­za­ção de ex­ce­lên­cia, “E is­so foi con­se­gui­do, re­ma­tou». Pois é, mas o re­ma­te foi à tra­ve, por­que o que foi mos­tra­do ao mun­do foi um mo­no im­pos­sí­vel de ge­rir com os mei­os fi­nan­cei­ros e hu­ma­nos alo­ca­dos pe­lo Go­ver­no. O Es­tá­dio 11 de No­vem­bro pre­ci­sa de: 300 ou 400 pes­so­as têm en­tre 50 e 60 pes­so­as a tra­ba­lhar; O or­ça­men­to men­sal pa­ra ma­nu­ten­ção es­tá nos 40 a 50 mi­lhões de kwan­zas/mês e nem de per­to nem de lon­de o or­ça­men­to es­tá a es­se ní­vel; O pro­ble­ma são os es­tra­gos co­me­ti­dos, ar­ran­co de tor­nei­ras, que­bra de vi­dros, ar­ran­co de por­tas, des­trui­ção das sa­ni­tas, etc… Não há ma­nei­ra de evi­tar… Os as­cen­so­res são cer­ca de uma de­ze­na e há um úni­co que fun­ci­o­na; os ma­te­ri­ais pa­ra re­pa­rar os ele­va­do­res são chi­ne­ses, mas es­pe­cí­fi­cos pa­ra es­te ti­po de tra­ba­lho. Não há no mer­ca­do. JLO, olha aqui mais uma pe­dra no teu sa­pa­to!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.