DO MOR­RO DO MOCO AO CI­MO DO EVEREST

Folha 8 - - DESPORTO -

Omi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, Manuel Au­gus­to, afir­mou, em Lu­an­da, que o seu pe­lou­ro vai con­ti­nu­ar a man­ter bem al­to a ban­dei­ra e o no­me de An­go­la no con­tex­to in­ter­na­ci­o­nal. Tal­vez, pre­su­me-se, vá has­te­ar a ban­dei­ra (do MPLA) no ci­mo do Mon­te Everest. Manuel Au­gus­to as­su­miu es­te de­sa­fio na ce­ri­mó­nia da sua apre­sen­ta­ção aos fun­ci­o­ná­ri­os do pe­lou­ro (em­bai­xa­do­res, di­rec­to­res e che­fes de de­par­ta­men­to de di­fe­ren­tes ór­gãos), na des­pe­di­da do seu an­te­ces­sor, Ge­or­ges Chi­ko­ti, que pro­va­vel­men­te só te­rá con­se­gui­do co­lo­car a ban­dei­ra no ci­mo do Mor­ro do Moco. O no­vo mi­nis­tro re­fe­riu que as idei­as que de­vem cons­ti­tuir o pi­lar da ac­ção di­plo­má­ti­ca an­go­la­na já fo­ram de­li­ne­a­das pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço, no seu dis­cur­so à Na­ção, pro­fe­ri­da por oca­sião da sua in­ves­ti­du­ra, a 26 de Se­tem­bro des­te ano. Pe­los vis­to são di­fe­ren­tes das ac­ções de­li­ne­a­das pe­lo pre­si­den­te do MPLA, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. Se­rá? Se­gun­do Manuel Au­gus­to, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca si­tu­ou tam­bém, em ter­mos de par­cei­ros, os Es­ta­dos com os quais o seu mi­nis­té­rio vai pro­cu­rar tra­ba­lhar mais, vis­to que uma co­o­pe­ra­ção com es­ses paí­ses tra­rá be­ne­fí­ci­os adi­ci­o­nais pa­ra An­go­la. Re­cor­de-se que Por­tu­gal não faz par­te des­ses par­cei­ros e as­sim se man­te­rá en­quan­to tei­mar que de­ve ha­ver se­pa­ra­ção de po­de­res. Ou se­ja, en­quan­to não ar­qui­var to­dos os pro­ces­sos ju­di­ci­ais con­tra al­tos dig­ni­tá­ri­os do re­gi­me do MPLA. Pa­ra atin­gir o de­si­de­ra­to or­de­na­do por João Lou­ren­ço, o mi­nis­tro dis­se ser ne­ces­sá­ria uma mai­or or­ga­ni­za­ção pa­ra que o Mirex pos­sa as­su­mir o seu pa­pel de mo­tor nas re­la­ções ex­ter­nas de An­go­la, ten­do apon­ta­do o diá­lo­go e a ne­go­ci­a­ção co­mo a me­lhor for­ma de con­vi­vên­cia po­lí­ti­ca en­tre os Es­ta­dos e po­vos. Por ou­tras pa­la­vras, o seu an­te­ces­sor na pas­ta, Ge­or­ges Chi­ko­ti, em vez de ser o mo­tor foi ape­nas o ca­no de es­ca­pe. “An­go­la é co­nhe­ci­da pe­la sua tra­di­ção de re­sol­ver con­fli­tos, ba­se­an­do-se na sua ex­pe­ri­ên­cia, pe­lo que vai con­ti­nu­ar a dar a sua con­tri­bui­ção nes­ta sen­da, vi­san­do um mun­do ca­da vez me­nos pe­ri­go­so e com as aten­ções mais vi­ra­das pa­ra a me­lho­ria de vi­da da po­pu­la­ção mun­di­al”, apon­tou. Com es­ta afir­ma­ção (“me­lho­ria de vi­da da po­pu­la­ção mun­di­al”) o mun­do res­pi­rou mais fun­do e até o am­bi­en­te en­tre a Co­reia do Nor­te e os EUA fi­cou mui­to mais sau­dá­vel. É obra. Manuel Au­gus­to ca­rac­te­ri­zou a pas­sa­gem de tes­te­mu­nho na di­plo­ma­cia co­mo a “lon­ga ma­ra­to­na de es­ta­fe­ta”, cu­jo per­cur­so se ini­ci­ou em 1975 pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca ces­san­te, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, e con­ti­nu­a­do por ou­tras fi­gu­ras, al­gu­mas das quais já fa­le­ci­das. Manuel Au­gus­to va­lo­ri­zou o fac­to da di­plo­ma­cia an­go­la­na, ao lon­go da sua história, ser ca­rac­te­ri­za­da pe­la trans­mis­são diá­ria e per­ma­nen­te de co­nhe­ci­men­tos fei­ta de di­ver­sas for­mas e opor­tu­ni­da­des, en­tre as vá­ri­as ge­ra­ções. Mais um pon­to a fa­vor des­sa aber­ra­ção do MPLA que se cha­ma “edu­ca­ção pa­trió­ti­ca” “O que de­ve fun­ci­o­nar co­mo de­no­mi­na­dor co­mum, pa­ra dar sequên­cia à di­plo­ma­cia an­go­la­na, é o es­tu­do, per­se­ve­ran­ça, cren­ça das nos­sas ca­pa­ci­da­des, co­ra­gem de en­fren­tar os de­sa­fi­os, sa­be­do­ria de con­tor­nar obs­tá­cu­los e, fun­da­men­tal­men­te, sa­ber ouvir e fa­lar me­nos”, nar­rou. Por sua vez, ao dis­cur­sar na ce­ri­mó­nia de des­pe­di­da e pas­sa­gem de pas­tas, Ge­or­ges Chi­ko­ti dis­se que, com o iní­cio da le­gis­la­tu­ra 2017/2022, sur­gem no­vos de­sa­fi­os pa­ra ca­da um dos qu­a­dros do Mi­nis­té­rio das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res e exor­tou a to­dos no sen­ti­do de es­ta­rem pre­pa­ra­dos pa­ra le­var, a “bom por­to”, as atri­bui­ções que a ca­da um cou­ber. Agra­de­ceu aos fun­ci­o­ná­ri­os pe­la co­la­bo­ra­ção, ao mes­mo tem­po que pe­diu o seu en­ga­ja­men­to, com a mes­ma fir­me­za, no apoio ne­ces­sá­rio ao seu su­ces­sor, Manuel Au­gus­to, pa­ra o su­ces­so da mis­são que lhe foi in­cum­bi­da de di­ri­gir a di­plo­ma­cia an­go­la­na. De­pois de se­te anos à fren­te do Mirex, Chi­ko­ti dis­se ter che­ga­do ao fim do seu man­da­to com o sen­ti­men­to do de­ver cum­pri­do, cu­ja ava­li­a­ção con­si­de­rou po­si­ti­va, a jul­gar pe­las vi­tó­ri­as con­quis­ta­das no cam­po da di­plo­ma­cia nos úl­ti­mos anos. Apon­tou co­mo exem­plo das ac­ções po­si­ti­vas da di­plo­ma­cia an­go­la­na a se­gun­da elei­ção do país co­mo mem­bro Não Per­ma­nen­te do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU e a pre­si­dên­cia da Co­mu­ni­da­de de De­sen­vol­vi­men­to da Áfri­ca Aus­tral (SADC). Adi­ci­o­nou a is­so a pre­si­dên­cia na Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal so­bre a Re­gião dos Gran­des La­gos (CIRGL), cu­jo se­gun­do man­da­do con­se­cu­ti­vo ain­da de­cor­re, bem co­mo a assumpção, há um mês, da li­de­ran­ça do Ór­gão de Co­o­pe­ra­ção nas áre­as de Po­lí­ti­ca, De­fe­sa e Se­gu­ran­ça da SADC. Chi­ko­ti re­al­çou igual­men­te o pa­pel de­sem­pe­nha­do por An­go­la na re­so­lu­ção de con­fli­tos nas re­giões da Áfri­ca Cen­tral e Aus­tral, o que tes­te­mu­nha o pres­tí­gio al­can­ça­do pe­la di­plo­ma­cia an­go­la­na ao ní­vel in­ter­na­ci­o­nal. Por to­dos es­ses fei­tos, Ge­or­ges Chi­ko­ti dis­se ter si­do gra­ti­fi­can­te as­su­mir a mis­são de di­ri­gir a di­plo­ma­cia an­go­la­na, por­quan­to lhe per­mi­tiu man­ter con­tac­to di­rec­to com vá­ri­os ac­to­res da ce­na po­lí­ti­ca in­ter­na­ci­o­nal. Nes­te sen­ti­do, afir­mou ter apren­di­do bas­tan­te (pu­de­ra!) com o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, em quem re­co­nhe­ce “a sa­pi­ên­cia, sa­ga­ci­da­de, mag­na­ni­mi­da­de, hu­ma­nis­mo, cul­tu­ra de diá­lo­go, de to­le­rân­cia, e de paz”, va­lo­res que ser­vi­rão de re­fe­rên­cia pa­ra as ge­ra­ções vin­dou­ras.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.