PER­SO­NA­GENS RE­AIS

Folha 8 - - CULTURA -

O ro­man­ce tam­bém tem per­so­na­gens re­ais, co­mo a es­cri­to­ra Ga­bri­e­la An­tu­nes, Lu­an­di­no Vi­ei­ra, Jor­ge Ma­ce­do, David Mes­tre e o seu ami­go Kan­gri­ma e os po­lí­ti­cos mais ca­ris­má­ti­cos do pe­río­do em re­fe­rên­cia. “Tem mui­ta gen­te den­tro des­te ro­man­ce que ele dei­xa de ser ro­man­ce pa­ra ser An­go­la to­tal”, co­mo ex­pli­cou o au­tor no ac­to do lan­ça­men­to. “Es­te ro­man­ce faz a evo­ca­ção de um tem­po de gra­ves acon­te­ci­men­tos, nos quais o ho­mem co­mum, o ho­mem sim­ples e apo­lí­ti­co se viu amar­ra­do nu­ma teia ines­pe­ra­da e caó­ti­ca de me­dos vá­ri­os, re­sul­tan­tes de dis­sí­di­os ide­o­ló­gi­co-mi­li­ta­res, e abor­da a pro­ble­má­ti­ca da con­tra­di­ção cru­ci­al en­tre o li­vre-ar­bí­trio e o de­ter­mi­nis­mo so­ci­al que de­sem­bo­ca na ques­tão do di­rei­to de vi­ver ou da se­gu­ran­ça do in­di­ví­duo, en­quan­to ci­da­dão do mun­do”. Por ou­tro la­do, o au­tor con­si­de­ra que “o re­gis­to his­tó­ri­co que es­ta obra fi­xa é es­sen­ci­al pa­ra con­tra­ri­ar o bran­que­a­men­to do pas­sa­do, ele­van­do co­mo he­róis as ví­ti­mas e o ho­mem anó­ni­mo.” Por úl­ti­mo, o au­tor te­ceu con­si­de­ra­ções so­bre o porquê do tí­tu­lo e da lo­ca­li­za­ção es­pa­ci­al do ro­man­ce na Flo­res­ta da Ilha. “O ro­man­ce é um pan­fle­to con­tra a des­trui­ção eco­ló­gi­ca da Ilha de Nossa Se­nho­ra do Ca­bo. É uma ho­me­na­gem às ca­su­a­ri­nas, es­sas be­las ár­vo­res co­ní­fe­ras da nossa ter­ra”, dis­se a con­cluir.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.