FIÉIS COMPRADOS DÃO NIS­SO…

Folha 8 - - DESTAQUE -

Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos che­gou ao ca­dei­rão do Po­der em Angola em 21 de Se­tem­bro de 1979. Por lá se man­te­ve até 2017, fa­zen­do e ali­men­tan­do uma hor­da de ba­ju­la­do­res que, pen­sa­va ele, se­ri­am in­ca­pa­zes de al­gu­ma vez o apu­nha­lar pe­las cos­tas. En­ga­nou-se. Mal se le­van­tou do ca­dei­rão pa­ra o pas­sar a João Lou­ren­ço sen­tiu lo­go as pri­mei­ras pu­nha­la­das. Ao lon­go dos úl­ti­mos 22 anos, o Fo­lha 8 sem­pre dis­se que a fe­bre do po­der es­ta­va a tol­dar a in­te­li­gên­cia de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos e que ele es­ta­va, de dia pa­ra dia, a mos­trar ser ex­clu­si­va­men­te apo­lo­gis­ta de que­rer ser as­sas­si­na­do pe­lo elo­gio ba­ju­la­dor do que sal­vo pe­la crí­ti­ca sé­ria. Pa­gá­mos, con­ti­nu­a­mos a pa­gar, um al­to pre­ço por is­so. Ao con­trá­rio dos que ago­ra ser­vem ou­tro amo e, por is­so, o trans­for­ma­ram do dia pa­ra a noi­te de bes­ti­al em bes­ta, nós sem­pre man­ti­ve­mos (com fa­lhas e er­ros, que as­su­mi­mos) a mes­ma pos­tu­ra. Di­ze­mos, de fren­te, o que pen­sa­mos ser a ver­da­de. Fa­ze­mos dis­so uma re­gra de ou­ro. Co­mo nes­tas ques­tões de in­te­gri­da­de mo­ral nun­ca é tar­de pa­ra re­co­nhe­cer er­ros, tal­vez Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos de­va um pe­di­do de re­den­ção a to­dos aque­les (e não são as­sim tan­tos) que du­ran­te os seus 38 anos de Po­der fo­ram – e con­ti­nu­am a ser – co­e­ren­tes com es­sa ver­da­de. O Fo­lha 8 (e sem­pre são 22 anos na pri­mei­ra li­nha des­te com­ba­te) po­de ser le­gi­ti­ma­men­te acu­sa­do por Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos de o ter “al­ve­ja­do” mui­tas e mui­tas ve­zes. É ver­da­de. Mas ele sa­be que fo­ram sem­pre “ti­ros” da­dos pe­la fren­te, o que lhe per­mi­tia de­fen­der-se e, so­bre­tu­do, sa­ber quem era o ad­ver­sá­rio ou – co­mo di­zi­am os seus acó­li­tos que ago­ra

o con­si­de­ram um al­vo a aba­ter – o “ini­mi­go”. Ho­je, cer­ta­men­te, Edu­ar­do dos San­tos não te­rá di­fi­cul­da­des em re­co­nhe­cer (nem que se­ja ape­nas nos seus so­li­ló­qui­os) que tí­nha­mos ra­zão qu­an­do di­zía­mos que ele não olha­va a mei­os pa­ra atin­gir os seus fins, mes­mo que is­so pas­sas­se pe­le in­clu­são de al­guns “ini­mi­gos” na cadeia ali­men­tar dos ja­ca­rés. Tam­bém tí­nha­mos ra­zão ao di­zer que nun­ca foi no­mi­nal­men­te elei­to e que era nes­se fac­to que re­si­dia o seu se­gre­do. Tal co­mo ano­ta­mos que pas­sou, até tal­vez com al­gu­ma glo­ri­fi­ca­ção, ao la­do dos mas­sa­cres (30 mil, 80 mil mor­tos?) do 27 de Maio de 1977, mos­tran­do de­pois que ao con­trá­rio do que pen­sa­ri­am Lú­cio La­ra, Am­bró­sio Lu­ko­ki e Pas­co­al Lu­vu­a­lu qu­an­to à sucessão de Agos­ti­nho Ne­to, não era um si­paio. Jo­sé Edu­ar­do Agua­lu­sa, no con­to “O bom dés­po­ta”, es­cre­veu: “Du­ran­te os pri­mei­ros anos fin­gi-me de mor­to. Dei­xei que me vis­sem co­mo um fi­el her­dei­ro do fa­le­ci­do Pre­si­den­te e, ao mes­mo tem­po, fui li­ber­tan­do sem alar­de os frac­ci­o­nis­tas que ha­vi­am so­bre­vi­vi­do aos fu­zi­la­men­tos e aos cam­pos de con­cen­tra­ção. No­me­ei al­guns pa­ra im­por­tan­tes car­gos go­ver­na­men­tais. Nun­ca mais cri­a­ram pro­ble­mas”. O pro­ble­ma ho­je é que, afi­nal, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos já não po­de (pe­lo me­nos as­sim pa­re­ce) no­me­ar e, por is­so, a cá­fi­la fa­min­ta dos que o pas­sa­ram de bes­ti­al a bes­ta não pá­ra de cres­cer. Co­mo lí­der do MPLA, do go­ver­no e da Re­pú­bli­ca, Edu­ar­do dos San­tos, en­ter­rou Le­ni­ne, o co­mu­nis­mo e ren­deu-se ao ca­pi­ta­lis­mo, acei­tan­do mes­mo que fi­gu­ra­ti­va­men­te se des­se ao país uns lai­vos de de­mo­cra­cia e de mul­ti­par­ti­da­ris­mo. Mas ago­ra só res­ta a li­de­ran­ça do par­ti­do e, mes­mo aí, são ca­da vez mais os que es­tão pron­tos pa­ra se ajo­e­lhar aos pés no no­vo “es­co­lhi­do de Deus”. “O sis­te­ma de ges­tão da eco­no­mia so­ci­a­lis­ta não era ca­paz de dar res­pos­ta aos nu­me­ro­sos pro­ble­mas com que se de­fron­ta­va a so­ci­e­da­de. O afun­da­men­to do sis­te­ma so­ci­a­lis­ta não foi uma gran­de sur­pre­sa pa­ra nós e não nos afec­tou pro­fun­da­men­te. Nós já nos ha­vía­mos en­ga­ja­do em to­do um pro­ces­so de re­a­jus­ta­men­to do nos­so sis­te­ma,” afir­mou Edu­ar­do dos San­tos em Abril de 1992 ao Le Cour­ri­er. Nes­sa enor­me ca­pa­ci­da­de de as­sas­si­nar os ca­ma­ra­das de on­tem e de tam­bém ba­ju­lar os de ho­je, Edu­ar­do dos San­tos fez com que o MPLA, no III Con­gres­so ex­tra­or­di­ná­rio de 1992, dei­xas­se de ser “Par­ti­do do Tra­ba­lho”, a Re­pú­bli­ca dei­xas­se se ser “Po­pu­lar” e até a As­sem­bleia do Po­vo pas­sas­se a ser As­sem­bleia Na­ci­o­nal. Sem o fan­tas­ma de Jo­nas Sa­vim­bi no ac­ti­vo, Edu­ar­do dos San­tos, pas­sou a con­du­zir o go­ver­no co­mo se fos­se a sua em­pre­sa de in­ves­ti­men­tos pri­va­da. O pro­ble­ma é que ago­ra o po­ten­ci­al no­vo do­no dis­to tu­do quer vol­tar a na­ci­o­na­li­zar o país pa­ra, é cla­ro, vol­tar a pri­va­ti­za-lo, nes­sa al­tu­ra com ou­tros pro­pri­e­tá­ri­os, pro­va­vel­men­te de ape­li­do Lou­ren­ço. Qu­an­to a nós, cá va­mos con­ti­nu­ar, as­su­min­do que – ape­sar da nos­sa quo­ta-par­te de res­pon­sa­bi­li­da­de na “que­da” de al­guns – não se­rá por es­ta­rem caí­dos que os va­mos es­pe­zi­nhar. É, ine­qui­vo­ca­men­te, o opos­to do que fa­zem mui- tos ou­tros no seu pra­zer ca­ni­ba­les­co de pon­ta­pe­ar os caí­dos que, ain­da on­tem, os aju­da­ram a ter lu­gar ca­ti­vo na man­je­dou­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.