“MAIS LI­BER­DA­DE” MAS A POEIRA TEM DE AS­SEN­TAR

Folha 8 - - POLÍTICA -

Oac­ti­vis­ta Lu­aty Bei­rão ad­mi­tiu no 09.11 que se vê “mais li­ber­da­de” em Angola nes­tes di­as, após Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos dei­xar o po­der, mas que ape­sar das “coi­sas po­si­ti­vas” na ac­tu­al go­ver­na­ção é pre­ci­so dei­xar a “poeira as­sen­tar”, por al­tu­ra do lan­ça­men­to do seu pri­mei­ro li­vro, uma es­pé­cie de diá­rio so­bre os di­as que pas­sou na pri­são, na com­pa­nhia de ou­tros 14+2, em 2015. “Ter­mos con­se­gui­do o es­pa­ço, não ter ha­vi­do ne­nhum ti­po de pres­são, ne­nhum ti­po de re­cuo, eu acho que são pas­sos sig­ni­fi­ca­ti­vos e é pre­ci­so que nós, ci­da­dãos, con­ti­nue- mos a dá-los (...) Não po­de­mos es­pe­rar só que se­jam si­nais que ve­nham de ci­ma, nós tam­bém te­mos que pro­cu­rar ver se as por­tas es­tão aber­tas, e qu­an­do não es­ti­ve­rem, ten­tar abri-las”, afir­mou. A sa­la do Ho­tel Glo­bo, em Lu­an­da, foi pe­que­na pa­ra as cer­ca de 200 pes­so­as que se jun­ta­ram pa­ra o lan­ça­men­to em Angola - há um ano foi fei­to em Por­tu­gal e pos­te­ri­or­men­te no Bra­sil - do li­vro “Sou eu mais li­vre, en­tão - Diá­rio de um pre­so po­lí­ti­co an­go­la­no”, que te­ve co­mo ba­se o diá­rio que con­se­guiu fa­zer sair da pri­são, com 450 exem­pla­res que vo­a­ram em du­as ho­ras. “Não são mui­tos li­vros, não me vai dar um ga­nha-pão pa­ra vi­ver mui­to tem­po, mas é es­sen­ci­al­men­te sim­bó­li­co, al­go que se­ria im­pen­sá­vel até há al­guns me­ses”, con­tou ain­da, sa­tis­fei­to por a apre­sen­ta­ção, con­tra­ri­a­men­te a pra­ti­ca­men­te to­das as ini­ci­a­ti­vas que nos úl­ti­mos anos di­na­mi­zou em Angola, ter cor­ri­do sem qual-

quer in­ci­den­te. “Es­pe­ro que is­to se­ja uma se­men­te que co­me­ce a dar os seus fru­tos”, apon­tou. Com João Lou­ren­ço no po­der há um mês e meio, Lu­aty Bei­rão, ac­ti­vis­ta e ‘rap­per’, não es­con­de que pa­ra já tem vis­to mu­dan­ças que o dei­xam “ex­pec­tan­te, an­si­o­so e po­si­ti­vo”, até por­que “vê-se um pou­co mais de li­ber­da­de”. “São di­as ain­da de al­gu­ma ex­pec­ta­ti­va, al­gu­ma an­si­e­da­de. Es­ta­mos to­dos ain­da a fa­zer uma lei­tu­ra (...) Acho que, fe­liz­men­te, há coi­sas mui­to in­te­res­san­tes a acon­te­ce­rem, mas acho tam­bém que não de­ve­mos es­tar a em­po­lar ou su­pe­rex­ci­ta­dos, por­que o que es­tá a acon­te­cer ti­nha de acon­te­cer. E fe­liz­men­te al­gu­mas es­tão a ser fei­tas, mas va­mos com cal­ma por­que qu­an­do a poeira as­sen­tar po­de­mos ver que o que so­bra não é as­sim tão atrac­ti­vo”, alertou. Lu­aty foi um dos 17 ac­ti­vis­tas con­de­na­dos a pe­nas de pri­são pe­lo tri­bu­nal de Lu­an­da, a 28 de Mar­ço de 2016, por su­pos­ta e nun­ca pro­va­da re­be­lião e as­so­ci­a­ção de mal­fei­to­res, de­pois de ter já pas­sa­do - en­tão com ou­tros 14 ac­ti­vis­tas - seis me­ses em pri­são pre­ven­ti­va, após a de­ten­ção a 20 de Ju­nho de 2015. O diá­rio, de 100 pá­gi­nas, re­tra­ta os pri­mei­ros 16 di­as de pri­são pre­ven­ti­va, até ao iní­cio de Ju­lho, qu­an­do o ac­ti­vis­ta e ou­tros do mes­mo gru­po par­ti­lha­vam es­pa­ço nu­ma cadeia com cer­ca de 1.500 re­clu­sos. Fez sair o diá­rio pa­ra o ex­te­ri­or por en­tre as pá­gi­nas de um jor­nal, pa­ra evi­tar que fos­se apre­en­di­do, co­mo acon­te­ceu com os res­tan­tes, que fi­ca­ram com os Ser­vi­ços Pe­ni­ten­ciá­ri­os e que ain­da ho­je ten­ta re­cu­pe­rar. “Con­ti­nua a fal­tar, con­ti­nua a es­tar com eles. Eu es­pe­ro que ago­ra se­ja mais fá­cil re­cu­pe­rar es­se ma­te­ri­al. Exis­te so­bre­tu­do um ca­der­no, com mais de 100 pá­gi­nas - du­vi­do que fos­se dar ou­tro li­vro, por­que se­ria mais do mes­mo -, mas é meu. Qu­e­ro po­der lê-lo, tê-lo na mi­nha ca­sa, po­der fa­zer o que qu­e­ro com aqui­lo. Não tem que es­tar com os ser­vi­ços pri­si­o­nais e, se for o ca­so, res­pon­sa­bi­li­zar quem o ex­tra­vi­ou”, afir­mou. A apre­sen­ta­ção do li­vro, na es­treia em Angola, es­te­ve a car­go do co­nhe­ci­do jor­na­lis­ta an­go­la­no Re­gi­nal­do Sil­va, que re­cor­dou ter si­do dos pri­mei­ros, em Ju­nho de 2015, a clas­si­fi­car es­tes ac­ti­vis­tas co­mo “os pri­mei­ros pre­sos po­lí­ti­cos da ter­cei­ra Re­pú­bli­ca” an­go­la­na. O jor­na­lis­ta, que che­gou a es­tar pre­so em Lu­an­da na sequên­cia dos mas­sa­cres do 27 de Maio de 1977, uma ale­ga­da ten­ta­ti­va de gol­pe por par­te de uma das alas do MPLA e em que fo­ram as­sas­si­na­dos mi­lha­res e mi­lha­res de an­go­la­nos, re­cor­dou que ele pró­prio per­deu o ras­to do diá­rio que en­tão es­cre­veu na pri­são. “Com o Lu­aty apren­di ago­ra mais um bo­ca­do des­ta ci­ên­cia que é ex­por­tar pa­péis es­cri­tos pa­ra fo­ra de uma cadeia an­go­la­na. Co­nhe­ci­men­to que, es­pe­ro sin­ce­ra­men­te, não vol­tar a pre­ci­sar nun­ca mais e ain­da com a es­pe­ran­ça de um dia des­tes, al­guém me cha­mar, não sei bem de on­de, e me de­vol­ver aque­le blo­co de no­tas que me foi con­fis­ca­do”, iro­ni­zou o jor­na­lis­ta. Na apre­sen­ta­ção do li­vro es­ti­ve­ram vá­ri­os ou­tros ac­ti­vis­tas de­ti­dos em 2015 jun­ta­men­te com Lu­aty Bei­rão. Du­ran­te a pri­são, aque­le ac­ti­vis­ta che­gou a fa­zer uma gre- ve de fo­me de 36 di­as, em pro­tes­to con­tra a de­ten­ção, mas ho­je garante que vol­ta­ria a fa­zer tu­do da mes­ma for­ma. “Sin­to que va­leu a pe­na, sin­to que foi ne­ces­sá­rio, sin­to que se o tem­po vol­tas­se atrás, com as mes­mas con­di­ções, vol­ta­ria a fa­zê-lo. Foi mais uma des­sas pe­dri­nhas que nós es­ta­mos a me­ter nes­sa gran­de cons­tru­ção que é o nos­so país. To­dos nós sen­ti­mos que es­te sa­cri­fí­cio es­tá a va­ler a pe­na. Es­tá a va­ler a pe­na por­que ain­da não aca­bou”, re­ma­tou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.