SS OU SS, OU SAN­TOS SIL­VA

Folha 8 - - DESTAQUE -

De­pois da fa­se em que as­su­miu o pa­pel de edu­car as clas­ses ope­rá­ri­as e ig­no­ran­tes, co­me­çan­do pe­los pro­fes­so­res que não sa­bi­am (ago­ra sa­bem ca­da vez me­lhor) a di­fe­ren­ça en­tre Sa­la­zar e os de­mo­cra­tas, San­tos Sil­va mos­trou ser um fi­el se­gui­dor de Jo­sé Só­cra­tes. Se­rá que não con­se­gue pôr os juí­zes Cláu­dio Xi­me­nes e Ma­nu­el Al­mei­da Ca­bral a de­ci­dir o Pro­ces­so Marquês? Se­rá que não con­se­gue que o pro­ces­so que en­vol­ve Jo­sé Só­cra­tes se­ja trans­fe­ri­do para Lu­an­da? Re­cor­de-se que uma das gran­des obras de SS, que im­por­ta ago­ra re­cor­dar quan­do ati­ram o odi­o­so da ques­tão só para ci­ma de Jo­sé Só­cra­tes, foi me­ter na or­dem os jor­na­lis­tas… tam­bém e sem­pre a bem de uma co­mu­ni­ca­ção so­ci­al mo­der­na, li­vre e di­nâ­mi­ca. Vis­to (so­bre­tu­do em par­te do seu cír­cu­lo par­ti­dá­rio) co­mo um ho­mem com­pe­ten­te e com gran­de ca- pa­ci­da­de de tra­ba­lho, SS foi con­si­de­ra­do um dos mi­nis­tros mais “po­lí­ti­cos” dos go­ver­nos de Jo­sé Só­cra­tes. É cla­ro que com­pe­tên­cia sig­ni­fi­ca no di­ci­o­ná­rio so­ci­a­lis­ta a ca­pa­ci­da­de para ma­lhar em to­dos os que pen­sam de ma­nei­ra di­fe­ren­te. Por is­so SS as­so­ci­ou, em Ja­nei­ro de 2006, a elei­ção de Ca­va­co Sil­va, “o can­di­da­to apoi­a­do pela di­rei­ta”, a uma ten­ta­ti­va de “gol­pe de Es­ta­do cons­ti­tu­ci­o­nal”. Re­cor­dam-se? San­tos Sil­va foi, aliás, elei­to di­rec­tor do Ac­ção So­ci­a­lis­ta, o ór­gão ofi­ci­al do PS, sen­do res­pon­sá­vel na di­rec­ção par­ti­dá­ria por to­da a im­pren­sa do par­ti­do. Is­to para além, é cla­ro, de to­da a ou­tra res­tan­te im­pren­sa on­de, em mui­tos ca­sos, pu­nha e dis­pu­nha… mes­mo de­pois de ter pas­sa­do para a pas­ta da De­fe­sa. Es­pe­ci­a­lis­ta em tu­do, SS foi mi­nis­tro da Edu­ca­ção en­tre 2000 e 2001, de­pois de ter si­do se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Ad­mi­nis­tra­ção Edu­ca­ti­va en­tre 1999 e 2000, e as­su­miu a pas­ta da Cul­tu­ra en­tre 2001 e 2002. Co­mo se vê… Co­mo se vê, al­guns jor­na­lis­tas me­te­ram-se com os do­nos da ver­da­de e do po­der e fo­ram para o olho da rua. Al­guns em­pre­sá­ri­os ti­ve­ram a ou­sa­dia de di­zer umas tan­tas ver­da­des ao che­fe do pos­to e o re­sul­ta­do foi, sem ape­lo nem agra­vo, ver as su­as em­pre­sas pas­sa­das a pen­te fi­no por to­das as in­ves­ti­ga­ções pos­sí­veis e ima­gi­ná­ri­as. Se ca­lhar foi por is­so que se dei­xa­ram de ou­vir crí­ti­cas co­mo as que fez o ex-pa­trão do gru­po Je­ró­ni­mo Mar­tins que dis­se que a cri­se es­ta­va a ser agra­va­da pela “de­ma­go­gia que o se­nhor pri­mei­ro-mi­nis­tro (Jo­sé Só­cra­tes) es­tá a em­pre­gar nes­te mo­men­to e que é ab­so­lu­ta­men­te in­to­le­rá­vel”. Se­gun­do Al­ber­to Mar­tins, na al­tu­ra lí­der par­la­men­tar do PS e de­pois mi­nis­tro da Jus­ti­ça, “o PS ti­nha a seu fa­vor um pa­tri­mó­nio mui­to gran­de” por­que foi “fun­da­dor da de­mo­cra­cia”. “Nun­ca co­mo ho­je te­mos con­di­ções de de­ba­te de­mo­crá­ti­co”, sus­ten­tou em Se­tem­bro de 2009 Al­ber­to Mar­tins, pas­san­do ao la­do de nun­ca co­mo nes­ses tem­pos ter ha­vi­do tan­tos jor­na­lis­tas in­có­mo­dos des­pe­di­dos e tan­tos pro­pa­gan­dis­tas trans­for­ma­dos em jor­na­lis­tas… Sem­pre que qu­es­ti­o­na­do so­bre uma fu­tu­ra vi­si­ta de An­tó­nio Cos­ta a Angola, SS foi re­pe­tin­do que Lis­boa e Lu­an­da “con­si­de­ram que é mui­to im­por­tan­te uma vi­si­ta do pri­mei­ro-mi­nis­tro por­tu­guês a Angola, e tam­bém que são mui­to im­por­tan­tes vi­si­tas das mais al­tas en­ti­da­des an­go­la­nas a Por­tu­gal”. As re­la­ções en­tre Por­tu­gal e Angola es­fri­a­ram, de­pois de Lu­an­da ter con­de­na­do no­tí­ci­as da im­pren­sa por­tu­gue­sa so­bre a cons­ti­tui­ção co­mo ar­gui­do do en­tão vi­ce-pre­si­den­te an­go­la­no, Ma­nu­el Vi­cen­te, por cor­rup­ção ac­ti­va en­quan­to Pre­si­den­te da So­nan­gol. Re­cor­de-se que o regime do MPLA não brin­ca em ser­vi­ço e, por is­so, Angola é um dos paí­ses mais cor­rup­tos do mun­do, o que lhe fa­cul­ta to­da a au­to­ri­da­de mo­ral e éti­ca para fa­lar des­ta ma­té­ria. Nu­ma re­ac­ção so­bre o as­sun­to, em Fe­ve­rei­ro de 2017, o Go­ver­no do MPLA con­si­de­rou “ina­mis­to­sa e des­pro­po­si­ta­da” a for­ma co­mo as au­to­ri­da­des por­tu­gue­sas di­vul­ga­ram a acu­sa­ção, aler­tan­do que es­sa acu­sa­ção ame­a­ça­va as re­la­ções bi­la­te­rais. No mês se­guin­te, o en­tão mi­nis­tro da De­fe­sa do MPLA e can­di­da­to do MPLA às elei­ções (uma me­ra for­ma­li­da­de), João Lou­ren­ço, exi­giu “res­pei­to” das au­to­ri­da­des por­tu­gue­sas às “prin­ci­pais en­ti­da­des do Es­ta­do an­go­la­no”, ad­mi­tin­do que as re­la­ções bi­la­te­rais es­ta­vam “fri­as”.

San­tos Sil­va foi, aliás, elei­to di­rec­tor do Ac­ção So­ci­a­lis­ta, o ór­gão ofi­ci­al do PS, sen­do res­pon­sá­vel na di­rec­ção par­ti­dá­ria por to­da a im­pren­sa do par­ti­do. Is­to para além, é cla­ro, de to­da a ou­tra res­tan­te im­pren­sa on­de, em mui­tos ca­sos, pu­nha e dis­pu­nha… mes­mo de­pois de ter pas­sa­do para a pas­ta da De­fe­sa.

MI­NIS­TRO DOS NE­GÓ­CI­OS ES­TRAN­GEI­ROS DE POR­TU­GAL, SAN­TOS SIL­VA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.