INIMIGA UMA VEZ, INIMIGA SEM­PRE?

Folha 8 - - DESTAQUE -

João Lou­ren­ço con­ta ago­ra com no­vos ali­a­dos na sua su­pos­ta sen­da de jus­ti­cei­ro. To­dos (ou qua­se) os que cri­ti­ca­ram – e bem – Isa­bel dos San­tos por dé­ca­das de ac­ti­vi­da­des clep­to­crá­ti­cas es­tão ago­ra ren­di­dos a JLO. Pa­ra es­tes, quem rou­bou uma vez é la­drão pa­ra sem­pre. E no rol de cri­mes fi­gu­ram to­dos os roubos, mes­mo os que não co­me­teu, mes­mo os que o não fo­ram por es­ta­rem res­pal­da­dos na lei. Isa­bel (dos San­tos) pas­sou a ser si­nó­ni­mo de cri­me. O Fo­lha 8 foi dos que mais cri­ti­cou Isa­bel dos San­tos, sen­do por is­so um dos seus prin­ci­pais al­vos. Con­ti­nu­a­mos a cri­ti­cá-la. Mas se la­drão tan­to é o que en­tra no ga­li­nhei­ro co­mo o que fi­ca à por­ta, quan­tas ve­zes o jus­ti­cei­ro João Lou­ren­ço, en­quan­to vi­ce-pre­si­den­te do MPLA, en­quan­to mi­nis­tro, en­quan­to al­to di­ri­gen­te do par­ti­do, fi­cou à por­ta? Re­cor­de­mos um ar­ti­go do Fo­lha 8, pu­bli­ca­do em 20 de Mar­ço de 2017, com o tí­tu­lo “A prin­ce­sa so­ma e se­gue e o Po­vo ape­nas… mor­re”: «E en­tão co­mo é que Isa­bel dos San­tos se tor­nou – não sa­be­mos quan­tas ve­zes – mi­li­o­ná­ria? Des­de lo­go por­que – gra­ças ao pai ser o do­no do rei­no es­cla­va­gis­ta (20 mi­lhões de pobres) – fi­ca­va, fi­ca e fi­ca­rá com uma par­te das em­pre­sas que se es­ta­be­le­cem em Angola. Quan­do as­sim não é, o seu pai tra­ta de man­dar fa­zer leis, de­cre­tos e re­gu­la­men­tos que per­mi­tam a Isa­bel fac­tu­rar so­bre tu­do o que en­ten­da. Sim­ples, não é? Isa­bel dos San­tos des­men­te tu­do is­to. As­su­me-se, afi­nal, co­mo uma san­ta e acu­sa to­dos os que di­vul­gam es­tas “men­ti­ras”, não des­men­tin­do a men­sa­gem mas ten­tan­do de­sa­cre­di­tar os men­sa­gei­ros. Men­sa­gei­ros que, se­gun­do Isa­bel dos San­tos, são pa­gos pa­ra an­dar pe­lo mun­do a de­ne­grir a im­po­lu­ta e di­vi­na ima­gem e la­bu­ta de fi­gu­ras ho­no­rá­veis co­mo ela e, é cla­ro, co­mo o seu pai e res­tan­te clã fa­mi­li­ar. Cer­to é que Isa­bel dos San­tos é mi­li­o­ná­ria e que no seu(?) país cer­ca de 70% dos ha­bi­tan­tes vi­vem com me­nos de 2 dó­la­res por dia. A For­bes es­cre­veu até que “é uma ra­ra ja­ne­la pa­ra a mes­ma trá­gi­ca nar­ra­ti­va clep­to­crá­ti­ca em que fi­cam pre­sos mui­tos ou­tros paí­ses ri­cos em re­cur­sos na­tu­rais”. Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, Pre­si­den­te de Angola des­de 1979, é o che­fe de Es­ta­do que go­ver­na há mais anos sem ser mo­nar­ca. As­sim sen­do, e com o apoio da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal que pre­fe­re ne­go­ci­ar com di­ta­do­res (dos bons, é cla­ro!) do que com de­mo­cra­tas, in­clui a fa­mí­lia em to­dos os gran­des ne­gó­ci­os fei­tos em Angola ou com Angola. Ci­te­mos a For­bes: “É uma for­ma de ex­trair di­nhei­ro do seu país, en­quan­to se man­tém à dis­tân­cia, de ma­nei­ra for­mal. Se for der­ru­ba­do, po­de re­cla­mar os seus bens, atra­vés da sua fi­lha. Se mor­rer en­quan­to es­tá no po­der, ela man­tém o sa­que na fa­mí­lia.” Não se sa­be com ri­gor em que ne­gó­ci­os Isa­bel dos San­tos es­tá, de fac­to, me­ti­da. Mes­mo as­sim, tem posição pre­pon­de­ran­te e de­ci­si­va na En­di­a­ma, a em­pre­sa con­ces­si­o­ná­ria da ex­plo­ra­ção mi­nei­ra (cri­a­da por de­cre­to… pre­si­den­ci­al, que exi­gia a for­ma­ção de um con­sór­cio com par­cei­ros pri­va­dos). Os par­cei­ros pri­va­dos da fi­lha do Pre­si­den­te, que in­cluíam ne­go­ci­an­tes is­ra­e­li­tas de di­a­man­tes, cri­a­ram a As­corp, re­gis­ta­da em Gi­bral­tar. Na som­bra, diz a For­bes, ci­tan­do do­cu­men­tos ju­di­ci­ais bri­tâ­ni­cos, ti­nha o ne­go­ci­an­te de ar­mas rus­so Ar­ka­di Gai­da­mak, um an­ti­go con­se­lhei­ro do

Pre­si­den­te angolano du­ran­te a guer­ra ci­vil de 1992 a 2002. Tu­do bons ra­pa­zes, igual­men­te im­po­lu­tos e ho­no­rá­veis ci­da­dãos. O es­cru­tí­nio in­ter­na­ci­o­nal de­di­ca­do aos ‘di­a­man­tes de san­gue’, ex­pli­ca a re­vis­ta, acon­te­ceu no mes­mo pe­río­do em que Isa­bel dos San­tos trans­fe­riu a sua par­te do ne­gó­cio, que a For­bes clas­si­fi­ca co­mo “um po­ço de di­nhei­ro”, pa­ra a mãe, uma ci­da­dã bri­tâ­ni­ca. Tu­do con­ti­nua em fa­mí­lia. An­tes do Po­vo es­tá o clã Edu­ar­do dos San­tos. Ob­vi­a­men­te. Além dos di­a­man­tes, tam­bém con­ti­nua a ter posição ba­si­lar na Uni­tel, a pri­mei­ra ope­ra­do­ra de te­le­co­mu­ni­ca­ções pri­va­da em Angola que – no­va­men­te por de­cre­to… pre­si­den­ci­al – foi pre­sen­te­a­da a Isa­bel dos San­tos. “Um por­ta-voz de Isa­bel dos San­tos dis­se que ela con­tri­buiu com ca­pi­tal pe­la sua par­te da Uni­tel, mas não es­pe­ci­fi­cou a quan­tia; um ano de­pois, a Por­tu­gal Te­le­com pa­gou 12,6 mi­lhões de dó­la­res por ou­tra fa­tia de 25%”, es­cre­veu a For­bes. A par­ce­ria com o ho­mem mais ri­co de Por­tu­gal, Amé­ri­co Amo­rim, le­vou-a pa­ra áre­as fi­nan­cei­ras, atra­vés do ban­co BIC, e pe­tro­lí­fe­ra, atra­vés da Amo­rim Ener­gia e dos seus ne­gó­ci­os na Galp e com a Sonangol. Su­ces­so ga­ran­ti­do. Co­mo ga­ran­ti­do foi o in­ves­ti­men­to de 500 mi­lhões na por­tu­gue­sa ZON e ex­pli­ca tam­bém co­mo Isa­bel dos San­tos aca­bou por fi­car à fren­te da ci­men­tei­ra an­go­la­na No­va Ci­man­go­la, Mais uma vez por via dos ne­gó­ci­os com Amé­ri­co Amo­rim. Do pon­to de vis­ta me­diá­ti­co, mes­mo no âm­bi­to da Edu­ca­ção Pa­trió­ti­ca que o re­gi­me pre­ten­de dar a to­dos os an­go­la­nos des­de a bar­ri­ga da mãe até à mor­te, Isa­bel dos San­tos é a he­roí­na do rei­no. Pro­va dis­so é da­da pe­lo Prav­da do re­gi­me (tam­bém co­nhe­ci­do por Jor­nal de Angola) que es­cre­veu: “Es­ta­mos ma­ra­vi­lha­dos por a em­pre­sá­ria Isa­bel dos San­tos se ter tor­na­do uma re­fe­rên­cia do mun­do das fi­nan­ças. Is­to é bom pa­ra Angola e en­che os an­go­la­nos de or­gu­lho.” Re­fe­ria-se aos an­go­la­nos afec­tos ao re­gi­me, os ou­tros – os que fo­ram ge­ra­dos com fo­me, nas­ce­ram com fo­me e es­tão no cor­re­dor da mor­te chei­os de… fo­me – sen­tem-se en­ver­go­nha­dos.» Se­ria, por­tan­to, fá­cil con­ti­nu­ar a cul­par Isa­bel dos San­tos, tor­nan­do-a o úni­co bo­de ex­pi­a­tó­rio dos enor­mes cri­mes co­me­ti­dos em Angola em de­ze­nas de anos, bran­que­an­do os prin­ci­pais res­pon­sá­veis. Des­de lo­go o MPLA (o úni­co par­ti­do com fun­ções go­ver­na­ti­vas des­de 1975), o seu pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos (38 anos no po­der) e to­da a res­pec­ti­va hi­e­rar­quia. A em­pre­sá­ria Isa­bel dos San­tos ame­a­ça le­var o Es­ta­do angolano a tri­bu­nal, de­pois da de­ci­são do Pre­si­den­te João Lou­ren­ço de anu­lar con­tra­tos mi­li­o­ná­ri­os que ti­nham si­do en­tre­gues a em­pre­sas su­as pe­lo ex-pre­si­den­te do país, o seu pai Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. Con­ve­nha­mos que Isa­bel dos San­tos é su­fi­ci­en­te- men­te in­te­li­gen­te pa­ra sa­ber que os tri­bu­nais an­go­la­nos, nes­ta co­mo nou­tras ma­té­ri­as, se li­mi­tam a en­con­trar ma­té­ria de fac­to que con­subs­tan­cie o ve­re­dic­to que lhe se­ja di­ta­do an­tes mes­mo de ana­li­sar qual­quer quei­xa. Era as­sim no tem­po do seu pai, é as­sim ago­ra no tem­po de João Lou­ren­ço. Mais do que le­var o Es­ta­do (is­to é, o MPLA) a tri­bu­nal, Isa­bel de­ve­ria con­tar-nos (em li­vro, por exem­plo) tu­do o que sa­be da pro­mis­cui­da­de cri­mi­no­sa en­tre di­ri­gen­tes do par­ti­do/ Es­ta­do/go­ver­no, en­tre o seu pai e João Lou­ren­ço, os acor­dos fir­ma­dos, o pa­pel dos ser­vi­ços de in­for­ma­ção etc. etc.. Re­lem­bre-se que o ge­ne­ral An­tó­nio Jo­sé Ma­ria (fér­reo ali­a­do de Dos San­tos), afas­ta­do do Ser­vi­ço de In­te­li­gên­cia e de Se­gu­ran­ça Mi­li­tar, te­rá di­to vá­ri­as ve­zes a Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos es­tar pron­to pa­ra a “guer­ra”, pe­din­do “ins­tru­ções” so­bre o que pre­ten­de o ex-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Jo­sé Ma­ria pas­sou mui­to tem­po, so­bre­tu­do a par- tir do mo­men­to em que Edu­ar­do dos San­tos dis­se que não se­ria can­di­da­to do MPLA às elei­ções e se aven­tou que o can­di­da­to se­ria João Lou­ren­ço, a reu­nir in­for­ma­ções, da­dos, do­cu­men­tos, tes­te­mu­nhos (no país e no es­tran­gei­ro) so­bre o ac­tu­al Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. “O Ser­vi­ço de In­te­li­gên­cia e de Se­gu­ran­ça Mi­li­tar es­te­ve em ex­clu­si­vo a tra­ba­lhar, por or­dem do ge­ne­ral Zé Ma­ria, nu­ma es­pé­cie de Pa­ra­di­se pa­pers of João Lou­ren­ço”, con­tou ao Fo­lha uma fon­te li­ga­da ao ge­ne­ral. Cer­to é que quan­do se per­de o Po­der a mai­o­ria dos acó­li­tos sal­tam a bar­ri­ca­da. Não é o ca­so do ge­ne­ral Jo­sé Ma­ria que con­si­de­ra que as de­ci­sões em ca­ta­du­pa que es­tão a ser to­ma­das pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço, são uma ca­ça às bru­xas no MPLA e uma la­va­gem da sua ima­gem, “qua­se pa­re­cen­do que JLO na­da tem a ver com o MPLA e que só ago­ra che­gou à po­lí­ti­ca an­go­la­na”. Isa­bel dos San­tos não gos­tou da anu­la­ção do con­tra­to de cons­tru­ção do Por­to da Bar­ra do Dan­de, or­ça­men­ta­do em 1500 mi­lhões de dó­la­res, que ti­nha si­do atri­buí­do a uma em­pre­sa sua, por de­ci­são do seu pai mas, é cla­ro, apoi­a­da sem he­si­ta­ções por… João Lou­ren­ço, en­quan­to vi­ce-pre­si­den­te do MPLA e mi­nis­tro. O Es­ta­do/mpla tam­bém anu­lou o con­tra­to de com­pra e ven­da de di­a­man­tes bru­tos que a em­pre­sa pú­bli­ca an­go­la­na So­di­am ti­nha com a Odys­sey Hol­ding, ou­tra so­ci­e­da­de da em­pre­sá­ria an­go­la­na que tem se­de nos Emi­ra­dos Ára­bes Uni­dos. Ou­tra so­ci­e­da­de “po­li­ti­ca­men­te subs­cri­ta” por Dos San­tos e JLO. En­fim. Na­da nes­ta no­ve­la es­pan­ta. Es­pan­ta, is­so sim, o êxi­to da es­tra­té­gia de João Lou­ren­ço que, com al­gu­mas jo­ga­das de mes­tre, con­se­guiu tra­zer pa­ra o seu la­do da bar­ri­ca­da mui­tos, qua­se to­dos, jor­na­lis­tas que – tan­to quan­to pa­re­ce – só têm por mis­são acer­tar con­tas com o clã Edu­ar­do dos San­tos, mes­mo que te­nham de vi­o­lar a sua mais im­por­tan­te mis­são: a ver­da­de.

PRE­SI­DEN­TE DE ANGOLA , JOÃO LOU­REN­ÇO

EM­PRE­SÁ­RIA ISA­BEL DOS SAN­TOS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.