CA­SOS DE GARIMPEIRAS/OS INFANTIS(II)

Folha 8 - - CRONICA -

Ou­tra ca­rac­te­rís­ti­ca da pro­vín­cia do Na­mi­be que des­toa das ou­tras, é o fac­to de to­das as cri­an­ças com as quais to­ma­mos con­tac­to, fre­quen­ta­rem a es­co­la. A au­sên­cia das mes­mas du­ran­te o pe­río­do das pro­vas é uma re­a­li­da­de ge­ne­ra­li­za­da, e os pais ques­ti­o­na­dos so­bre es­te fac­to, to­dos en­ten­dem que não po­dia ser di­fe­ren­te. Par­ti­lham da cons­ci­ên­cia co­lec­ti­va de que elas de­vem de­di­car-se à es­co­la, mes­mo que em tem­po par­ci­al se­jam mi­nei­ros ar­te­sa­nais. Ca­so nº 5. No­me: Anas­tá­cia Chi­lom­bo. Ida­de: 14 anos. Es­tu­da/ ní­vel de es­co­la­ri­da­de: 5ª clas­se. Pro­vín­cia de nas­ci­men­to: Na­mi­be. Lo­cal de tra­ba­lho: 5 de Abril na fron­tei­ra com o Ce­mi­té­rio Pro­vin­ci­al. Re­si­dên­cia: 5 de Abril. Do­cu­men­to de iden­ti­da­de: Tem Cé­du­la. Des­cri­ção sín­te­se: anas­tá­cia tra­ba­lha com mais cin­co ami­gos do mes­mo bair­ro. Com o di­nhei­ro que ga­nha, com­pra as su­as rou­pas e ma­te­ri­al es­co­lar. Diz ain­da que tam­bém com­pra bo­la­chas, pas­ti­lhas e re­bu­ça­dos quan­do tem von­ta­de. Os pais são de­sem­pre­ga­dos. Num tom en­gra­ça­do, ela diz que du­ran­te o tra­ba­lho, al­gu­mas ve­zes pa­ram e apro­vei­tam pa­ra brin­car. Quan­do ques­ti­o­na­da so­bre o pe­ri­go que o tra­ba­lho re­pre­sen­ta ou não pa­ra a sua saú­de, dis­se: «nun­ca me sen­ti mal…». Quan­to as im­pli­ca­ções na es­co­la, re­tor­quiu: «al­gu­mas ve­zes no in­ter­va­lo vou em­bo­ra em ca­sa por­que me sin­to can­sa­da». Ca­so nº 6. No­me: Eu­ri­co João Bap­tis­ta. Ida­de: 13 anos. Es­tu­dos in­ter­rom­pi­dos/ní­vel de es­co­la­ri­da­de: 2ª clas­se. Pro­vín­cia de nas­ci­men­to: Ma­lan­je. Lo­cal de tra­ba­lho: Pi­ca. Re­si­dên­cia: Pan­gui­la. Bair­ro da Bu­ga­lhei­ra. Pro­vín­cia do Ben­go. Do­cu­men­to de iden­ti­da­de: não tem. Ca­so nº 7. No­me: Jo­nas João Bap­tis­ta. Ida­de: 9 anos. Es­tu­dos in­ter­rom­pi­dos/ ní­vel de es­co­la­ri­da­de: 1ª clas­se. Pro­vín­cia de nas­ci­men­to: Ma­lan­je. Lo­cal de tra­ba­lho: Pi­ca. Re­si­dên­cia: Pan­gui­la. Bair­ro da Bu­ga­lhei­ra. Pro­vín­cia do Ben­go. Do­cu­men­to de iden­ti­da­de: não tem. Ca­so nº 8. No­me: Ber­nar­do Bap­tis­ta. Ida­de: 10 anos. Es­tu­dos in­ter­rom­pi­dos/ ní­vel de es­co­la­ri­da­de: 2ª clas­se. Pro­vín­cia de nas­ci- men­to: Ma­lan­je. Lo­cal de tra­ba­lho: Pi­ca. Re­si­dên­cia: Pan­gui­la. Bair­ro da Bu­ga­lhei­ra. Pro­vín­cia do Ben­go. Do­cu­men­to de iden­ti­da­de: não tem. Ca­so nº 9. No­me: Ana Er­nes­to Gou­veia. Ida­de: 13 anos. Es­tu­dos in­ter­rom­pi­dos/ ní­vel de es­co­la­ri­da­de: não sou­be ex­pli­car. Pro­vín­cia de nas­ci­men­to: Lu­an­da. Lo­cal de tra­ba­lho: Pi­ca. Re­si­dên­cia: Pan­gui­la. Bair­ro da Bu­ga­lhei­ra. Pro­vín­cia do Ben­go. Do­cu­men­to de iden­ti­da­de: não tem. Ca­so nº 10. No­me: Pe­dro Ma­len­gue iná­cio. Ida­de: 13 anos. Es­tu­dos in­ter­rom­pi­dos/ ní­vel de es­co­la­ri­da­de: 4ª clas­se. Pro­vín­cia de nas­ci­men­to: Lu­an­da. Lo­cal de tra­ba­lho: Pi­ca. Re­si­dên­cia: Pan­gui­la. Bair­ro da Bu­ga­lhei­ra. Pro­vín­cia do Ben­go. Do­cu­men­to de iden­ti­da­de: não tem. De acor­do com al­guns re­la­tos das cri­an­ças, tem ha­vi­do ca­sos de aci­den­tes. Fa­lam em cri­an­ças que al­gu­mas ve­zes fi­ca­ram so­ter­ra­das no lo­cal de tra­ba­lho por cau­sa de de­sa­ba­men­to de ter­ra. Fa­la-se igual­men­te de que te­rá acon­te­ci­do mor­te de uma cri­an­ça no Pi­ca, pe­la mes­ma ra­zão. No ca­so do Hu­am­bo, nar­ra­ram so­bre afo­ga­men­to. Na­da dis­to foi con­fir­ma­do com al­gum ele­men­to pro­ba­tó­rio, por is­so, man­têm-se co­mo me­ras hi­pó­te­ses, nas quais não po­de­mos fa­zer fé. O fac­to de inú­me­ras cri­an­ças que se de­di­cam a es­ta prá­ti­ca de so­bre­vi­vên­cia não pos­suí­rem do­cu­men­tos de iden­ti­fi­ca­ção (cé­du­la ou bi­lhe­te de iden­ti­da­de) re­for­ça a ne­ga­ção do seu di­rei­to ao de­sen­vol­vi­men­to que é a so­ma de di­rei­tos sin­gu­la­res ne­ga­dos, co­mo se­jam o di­rei­to ao re­gis­to ci­vil, um di­rei­to que é por­ta pa­ra ou­tros di­rei­tos fun­da­men­tais. Por exem­plo, ne­nhu­ma pes­soa po­de ter um pas­sa­por­te pa­ra que pos­sa con­cre­ti­zar o di­rei­to de ir e vir no es­pa­ço in­ter­na­ci­o­nal, ca­so não te­nha cé­du­la ou bi­lhe­te, do­cu­men­to pon­te pa­ra o an­te­ri­or; o aces­so a es­co­la, tem co­mo uma das pré-con­di­ções, um do­cu­men­to de iden­ti­fi­ca­ção pa­ra a ma­trí­cu­la. As di­fi­cul­da­des li­ga­das ao re­gis­to ci­vil em Angola, fo­ram des­cri­tas num re­la­tó­rio re­cen­te, ela­bo­ra­do pe­lo ins­ti­tu­to pa­ra a Ci­da­da­nia/mo­sai­co, in­ti­tu­la­do, Re­gis­to Ci­vil: Es­tu­do de Ca­so|2016.

DOMINGOS DA CRUZ

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.