DOS NOS­SOS REFÉNS TRATAMOS NÓS

Folha 8 - - CRONICA -

Sem qual­quer ce­ri­mó­nia, du­ma for­ma ru­di­men­tar co­mo que a re­al­çar a tru­cu­lên­cia mi­li­tar, o ge­ne­ral-pre­si­den­te João Lou­ren­ço es­mur­rou a me­sa da di­plo­ma­cia exi­gin­do a Por­tu­gal que en­vi­as­se, em pa­pel, cla­ro, o pro­ces­so con­tra Ma­nu­el Vi­cen­te, o seu pro­te­gi­do de es­ti­ma­ção. A jus­ti­ça por­tu­gue­sa ain­da le­vou o ca­lha­ma­ço pro­ces­su­al ao tri­bu­nal de Lis­boa, mas de­pois ce­deu aos bas­ti­do­res di­plo­má­ti­cos re­ti­ran­do o ex-vi­ce-pre­si­den­te de Angola do ro­cam­bo­les­co ca­so de cor­rup­ção de pro­cu­ra­dor do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. Pou­co de­pois, o pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca Hél­der Pit­ta Grós de­cla­rou que a ins­ti­tui­ção que che­fia não tem con­di­ções téc­ni­cas pa­ra in­ves­ti­gar pro­ces­sos de na­tu­re­za com­ple­xa, co­mo, por exem­plo, os in­dí­ci­os de cri­mes da an­ti­ga di­rec­ção da Sonangol che­fi­a­da por Isa­bel dos San­tos e re­fe­ri­dos pe­lo ac­tu­al pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção. A 20 de Ou­tu­bro, me­nos de um mês des­de a sua no­me­a­ção, Car­los Pan­zo foi exo­ne­ra­do do car­go de se­cre­tá­rio dos as­sun­tos eco­nó­mi­cos do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca ale­ga­da­men­te por ser al­vo de uma in­ves­ti­ga­ção por par­te da Pro­cu­ra­do­ria Fe­de­ral Suí­ça. A in­ves­ti­ga­ção é so­bre sus­pei­ta de la­va­gem de di­nhei­ro, mas é ape­nas, co­mo re­fe­riu a por­ta-voz suí­ça, uma in­ves­ti­ga­ção e Pan­zo es­tá co­ber­to pe­la pre­sun­ção de ino­cên­cia até pro­va em con­trá­rio. O pro­cu­ra­dor-ge­ral an­go- la­no à al­tu­ra era o ne­fas­to João Ma­ria de Sou­sa, um ha­bi­li­do­so pro­tec­tor de cor­rup­tos da sua laia, e deu um pe­que­no es­pec­tá­cu­lo me­diá­ti­co an­tes de aban­do­nar a ca­sa da mãe Jo­a­na. Em con­fe­rên­cia re­a­li­za­da nu­ma noi­te em fi­nais de No­vem­bro, João Ma­ria con­fir­mou ter aber­to um inqué­ri­to con­tra o exo­ne­ra­do e que se­ria pe­di­do à con­gé­ne­re suí­ça, me­di­an­te car­ta ro­ga­tó­ria, o en­vio dos ele­men­tos de pro­vas. En­tre­tan­to, João Ma­ria foi subs­ti­tuí­do qua­se um mês de­pois. Me­ses pas­sa­dos e a car­ta ro­ga­tó­ria ain­da não foi res­pon­di­da. E Car­los Pan­zo con­ti­nua, apa­ren­te­men­te, lon­ge dos cor­re­do­res da pre­si­dên­cia. A ques­tão que se co­lo­ca: co­mo se jus­ti­fi­ca a exo­ne­ra­ção e aber­tu­ra de inqué­ri­to con­tra Car­los Pan­zo, sim­ples in­ves­ti­ga­do na Suí­ça, pe­ran­te a blin­da­gem ca­ni­na pre­si­den­ci­al a Ma­nu­el Vi- cen­te, am­pla­men­te in­ves­ti­ga­do e, prin­ci­pal­men­te, acu­sa­do em tri­bu­nal português? A cou­ra­ça com que se re­ves­te Ma­nu­el Vi­cen­te ga­nhou for­ma de con­se­lhei­ro pa­ra as­sun­tos de pe­tró­leo e gás do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, pa­ra além de ser de­pu­ta­do à As­sem­bleia Na­ci­o­nal. Ou se­ja, um foi afas­ta­do su­pos­ta­men­te pa­ra não ma­cu­lar o ti­mo­nei­ro con­tra a cor­rup­ção, mas, di­as de­pois, o mes­mo ti­mo­nei­ro as­so­cia-se a um su­jei­to do to­po da pi­râ­mi­de da cor­rup­ção em Angola. Mas a di­fe­ren­ça en­tre o con­se­lhei­ro e o ex-se­cre­tá­rio é lon­gi­tu­di­nal­men­te gran­de tan­to no for­ma­to co­mo no ob­jec­to. No for­ma­to, o es­ta­tu­to de con­se­lhei­ro não vin­cu­la o su­jei­to ao go­ver­no, mas no ob­jec­to se des­ta­ca pe­la im­por­tân­cia pe­ran­te o acon­se­lha­do, de­pen­den­do lar­ga­men­te do que es­te di­zer so­bre a ma­té­ria es­pe­cí­fi­ca. O se­cre­tá­rio é vin­cu­la­ti­vo ao Exe­cu­ti­vo, pe­la su­per-pre­si­dên­cia, no for­ma­to e ob­jec­to. Amar­ra­do ao par­la­men­to, que lhe con­fe­re imu­ni­da­des nos ter­mos do ar­ti­go 150.º da CRA, pa­ra além do es­ta­tu­to de ex-vi­ce-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Ma­nu­el Vi­cen­te es­tá mais sob as ré­de­as do no­vo-qua­se-do­no-dis­to-tu­do, fal­tan­do tor­nar-se o ple­ni­po­ten­ciá­rio do par­ti­do. Os fi­lhos de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos tam­bém es­tão en­cur­ra­la­dos, e Isa­bel e Fi­lo­me­no dos San­tos co­me­çam a sen­tir ca­da vez mais o cer­co a aper­tar-se. O pro­ces­so que de­cor­re no tri­bu­nal de Ghent, Bél­gi­ca, so­bre es­que­mas de cer­ti­fi­ca­ção e ven­da de di­a­man­tes que fa­vo­re­ce­ram Isa­bel dos San­tos atra­vés da As­corp, e em que fo­ram apre­en­di­dos oi­to mil mi­lhões de dó­la­res, é ou­tra cor­da no pes­co­ço da pri­mo­gé­ni­ta do ex-rei sol, que se en­con­tra no ca­da­fal­so tam­bém com a Atlan­tic Ven­tu­res. O ge­ne­ral Ge­ral­do Sa­chi­pen­go Nunda, ex-che­fe do Es­ta­do-mai­or Ge­ne­ral das FAA, ar­ro­la­do no pro­ces­so “Bur­la à Tai­lan­de­sa”, ar­ris­ca-se a ser o pri­mei­ro mem­bro sé­ni­or da no­men­cla­tu­ra a sen­tar no in­fa­me ban­co dos réus nes­se xa­drez ju­di­ci­al que se ini­cia in­tra­mu­ros. Sem se com­pre­en­der se re­al­men­te a ten­ta­ti­va de bur­la é o ver­da­dei­ro mo­ti­vo pa­ra cons­ti­tui­ção do ge­ne­ral em réu, o cer­to é que Sa­chi­pen­go Nunda não é ape­nas ex-che­fe do Es­ta­do-mai­or Ge­ne­ral das FAA mas tam­bém, e tal­vez mais im­por­tan­te, em­pre­sá­rio di­a­man­tí­fe­ro em so­ci­e­da­de com vá­ri­os ge­ne­rais, co­mo os ir­mãos Luís e Emí­lio Fa­cei­ra. To­dos es­ses pro­ces­sos, des­de Ma­nu­el Vi­cen­te e Car­los Pan­zo, pas­san­do por Isa­bel dos San­tos e Ze­nú, Nunda e com­pa­nhia, são ins­tru­men­tos de con­tro­lo às mãos de João Lou­ren­ço, que con­ti­nu­a­rá a ne­go­ci­ar a trans­la­da­ção de pro­ces­sos ju­di­ci­ais e a ins­tau­rar ou­tros con­tra fi­gu­ras que even­tu­al­men­te se ne­guem a lhe en­deu­sar, tal co­mo o jo­vem An­tó­nio Ro­dri­gues que não to­mou pos­se co­mo mi­nis­tro e ago­ra pas­sa pe­lo cri­vo da PGR. Co­lo­ca­dos em xe­que, o fa­tal ma­te es­ta­rá de­pen­den­te do mo­vi­men­to dos in­ti­ma­dos. As­sim, po­de­mos di­zer que João Lou­ren­ço es­tá ape­nas a di­zer que dos nos­sos reféns, co­mo Ma­nu­el Vi­cen­te e Isa­bel dos San­tos, tratamos nós.

SEDRICK DE CARVALHO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.