VI­SÃO DE ES­PE­CI­A­LIS­TAS IN­TER­NA­CI­O­NAIS

Folha 8 - - DESTAQUE -

A vi­ce-presidente do Co­mi­té de Di­rei­tos Hu­ma­nos da ONU, Sa­rah Cle­ve­land, re­a­fir­mou no dia 17.08, que “o co­mi­té não é uma Cor­te. En­tão es­sa não é uma or­dem ju­di­ci­al. Mas o Bra­sil é um sig­na­tá­rio de tra­ta­dos, e a posição do co­mi­té é que o Bra­sil tem obri­ga­ção le­gal de cum­prir o pe­di­do”, ca­so con­trá­rio es­ta­rá a “vi­o­lar” as su­as obri­ga­ções cons­ti­tu­ci­o­nais e le­gais, quan­to ao Pac­to In­ter­na­ci­o­nal so­bre Di­rei­tos Ci­vis e Po­lí­ti­cos, mo­ni­to­ra­da pe­lo co­mi­té. Já o ad­vo­ga­do aus­tra­li­a­no que in­te­gra a equi­pa de Lula, con­si­de­ra ter si­do “um gran­de dia para a de­mo­cra­cia”, por ser “mui­to ra­ro a ONU en­trar em ac­ção an­tes de um pro­ces­so ser con­cluí­do, ape­nas em ca­sos de da­nos ir­re­pa­rá­veis. Es­tá cla­ro que Lula foi sub­me­ti­do a uma si­tu­a­ção inad­mis­sí­vel”, dis­se Ge­of­frey Ro­bert­son, um dos mai­o­res es­pe­ci­a­lis­tas em Di­rei­tos Hu­ma­nos no mun­do. “O Es­ta­do es­tá obri­ga­do a cum­prir a li­mi­nar e a per­mi­tir a par­ti­ci­pa­ção de Lula da Sil­va, nas elei­ções e a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal es­tá pre­o­cu­pa­da em ga- ran­tir um juí­zo jus­to”, de­cla­rou, acres­cen­tan­do que a “de­ci­são so­bre a elei­ção do pró­xi­mo Presidente do Bra­sil não fi­ca­rá a car­go de juí­zes, mas na von­ta­de so­be­ra­na do po­vo bra­si­lei­ro”, con­cluiu o ad­vo­ga­do aus­tra­li­a­no. Por sua vez, o di­plo­ma­ta bra­si­lei­ro Pau­lo Sér­gio Pi­nhei­ro, que in­te­gra o cor­po de es­pe­ci­a­lis­tas e di­ri­gen­tes da ONU, afir­mou, ser a li­mi­nar, “de­ci­são obri­ga­tó­ria e de efei­to ime­di­a­to, uma vez re­sul­tar de um lon­go pro­ces­so de in­for­ma­ções às par­tes e ao go­ver­no bra­si­lei­ro”, afir­mou o ex-mi­nis­tro de Fe­nan­do Hen­ri­que Car­do­so. “No ca­so de des­cum­pri­men­to da de­ci­são pe­lo go­ver­no bra­si­lei­ro, ca­be­rá ao país uma “san­ção mo­ral”, uma “má fa­ma in­ter­na­ci­o­nal”, as­se­ve­rou, con­si­de­ran­do ter o Co­mi­té da ONU re­a­fir­ma­do não po­de­rem os di­rei­tos po­lí­ti­cos de Lula ser vi­o­la­dos, com ba­se no art.º 25.º do Pac­to In­ter­na­ci­o­nal dos Di­rei­tos Ci­vis e Po­lí­ti­cos, do qual o Bra­sil é sig­na­tá­rio, des­de os anos de 1980, por pro­mul­ga­ção e as­si­na­tu­ra do ex-presidente Jo­sé Sar­ney. Re­cor­de-se ser o Co­mi­té de Di­rei­tos Hu­ma­nos, for­ma­do por 18 es­pe­ci­a­lis­tas, com a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­la ob­ser­va­ção e fis­ca­li­za­ção do Pac­to In­ter­na­ci­o­nal dos Di­rei­tos Ci­vis e Po­lí­ti­cos. O bra­si­lei­ro, Pau­lo Sér­gio Pi­nhei­ro é, ac­tu­al­men­te, o presidente da co­mis­são de inqué­ri­to da ONU, que apu­ra cri­mes de guerra na Sí­ria, além de ter si­do se­cre­tá­rio dos Di­rei­tos Hu­ma­nos no go­ver­no do presidente Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so, res­sal­ta que o Bra­sil tam­bém as­si­nou, em 2009, um pro­to­co­lo adi­ci­o­nal no qual acei­ta se sub­me­ter às de­ci­sões do Co­mi­té. “En­tão, o que se po­de di­zer é que (a de­ci­são) é obri­ga­tó­ria, sen­do por is­so, im­por­tan­te ca­rac­te­ri­zar a qua­li­da­de do documento”. So­bre a re­ac­ção de al­guns po­lí­ti­cos e ju­ris­tas bra­si­lei­ros que fa­lam em vi­o­la­ção da so­be­ra­nia, in­ge­rên­cia em de­ci­sões do sis­te­ma ju­di­ciá­rio, com uma cer­ta do­se de iro­nia, ob­ser­vou: “não tem is­to? - ‘Ah, is­to é bo­ba­gem, aque­les ca­ras da ONU não en­ten­dem o Bra­sil, não é bem as­sim, por­quan­to, o des­fe­cho era es­pe­ra­do, eles po­di­am ter ne­ga­do, mas apro­va­ram, o que é um gran­de fei­to para a de­fe­sa do ex-presidente Lula. E is­so é pu­ro aci­den­te (o mo­men­to des­ta de­ci­são, ser um dia após o iní­cio da cam­pa­nha ofi­ci­al e do re­gis­to da can­di­da­tu­ra), por­que não tem nin­guém da­qui co­man­dan­do lá”. O Co­mi­té de Di­rei­tos Hu­ma­nos, con­tu­do, ain­da irá se pro­nun­ci­ar so­bre o pro­ces­so ju­di­ci­al de Lula. Nes­te mo­men­to, o PT (Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res) re­gis­tou, no dia 15.08, a can­di­da­tu­ra de Lula, que ob­te­ve, em tem­po re­cor­de, an­tes mes­mo dos pra­zos le­gais, 7 im­pug­na­ções. Ago­ra, ca­be­rá ao TSE (Tribunal Su­pe­ri­or Elei­to­ral) com ba­se na Lei da Fi­cha Lim­pa, ho­mo­lo­gar ou não a ins­cri­ção. Esta de­ci­são de­mons­tra a re­per­cus­são que a per­se­gui­ção dos sis­te­mas po­lí­ti­co, da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al e ju­di­ci­al, em­pre­en­dem con­tra Lula, ga­nha no ex­te­ri­or. “En­quan­to a im­pren­sa bra­si­lei­ra ac­tua po­li­ti­ca­men­te con­tra a sua can­di­da­tu­ra, a im­pren­sa in­ter­na­ci­o­nal, em jor­nais co­mo o The Eco­no­mist, Le Mon­de, The Gu­ar­di­an, e The In­de­pen­dent, têm fei­to edi­to­rais mos­tran­do o ab­sur­do da pri­são do ex-presidente Lula,” de­nun­ci­ou Pau­lo Sér­gio Pi­nhei­ro. Em sen­ti­do opos­to ca­mi­nha o mi­nis­tro da Jus­ti­ça do Bra­sil, ao con­si­de­rar es­tar a ONU a in­tro­me­ter-se na vi­da in­ter­na do país. Tor­qua­to Jar­dim con­si­de­ra ir­re­le­van­te a de­ci­são do Co­mi­té de Di­rei­tos Hu­ma­nos da ONU que de­ter­mi­na a par­ti­ci­pa­ção na cam­pa­nha elei­to­ral do ex-presidente Lula, co­mo candidato e com to­dos os seus di­rei­tos po­lí­ti­cos res­pei­ta­dos, não ter “ne­nhu­ma re­le­vân­cia ju­rí­di­ca”, cri­ti­can­do ain­da o que cha­ma de “La­men­tá­vel a ma­ni­pu­la­ção po­lí­ti­ca e sec­tá­ria a que se per­mi­te a ONU”. Fi­nal­men­te, o se­na­dor Lind­bergh Fa­ria de­fen­de ser “a lu­ta pe­la li­ber­da­de de Lula, a lu­ta pe­la li­ber­da­de da de­mo­cra­cia e dos di­rei­tos hu­ma­nos no mun­do! Pe­la de­ci­são da ONU, ne­nhum ór­gão do Es­ta­do Bra­si­lei­ro po­de cri­ar obs­tá­cu­lo para que ele (Lula) pos­sa con­cor­rer nas elei­ções pre­si­den­ci­ais”.para um me­lhor juí­zo o lei­tor po­de ler a ver­são ori­gi­nal, em in­glês e tra­du­zi­da em por­tu­guês.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.