MPLA ADOPTA TE­SE DE HITLER “MENTIR É DE­VER PA­TRIÓ­TI­CO”

Folha 8 - - DESTAQUE -

AUNITA in­sur­giu-se con­tra a ver­são da His­tó­ria de An­go­la con­ta­da pe­lo MPLA, la­men­tan­do que a Co­mu­ni­da­de de De­sen­vol­vi­men­to da Áfri­ca Aus­tral (SADC) se te­nha “dei­xa­do ma­ni­pu­lar” pe­lo Go­ver­no an­go­la­no ao apro­var co­mo fe­ri­a­do re­gi­o­nal o “23 de Mar­ço”. Des­de 1975, ou até mes­mo an­tes, o MPLA de­fen­de a te­se de que uma men­ti­ra con­ta­da mi­lha­res de ve­zes aca­ba­rá por ser ver­da­de. Es­tá en­ga­na­do. Num co­mu­ni­ca­do de três pá­gi­nas, as­si­na­do pe­lo Se­cre­ta­ri­a­do Exe­cu­ti­vo do Co­mi­té Per­ma­nen­te, a UNITA re­a­ge à de­ci­são, apro­va­da por una­ni­mi­da­de a 17 des­te mês na 38.ª Ci­mei­ra de Che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no da SADC, de con­si­de­rar aque­la da­ta co­mo fe­ri­a­do re­gi­o­nal e co­mo Dia da Li­ber­ta­ção da Áfri­ca Aus­tral. Se­gun­do a ar­gu­men­ta­ção usa­da na pro­pos­ta apre­sen­ta­da pe­lo MPLA co­mo sen­do de An­go­la, o “23 de Mar­ço” mar­ca a da­ta do fim da ba­ta­lha do Cui­to Cu­a­na­va­le, na pro­vín­cia do Cu­an­do Cu­ban­go, o mai­or con­fli­to mi­li­tar da guer­ra ci­vil an­go­la­na, que de­cor­reu en­tre 15 de No­vem­bro de 1987 e aque­le dia de 1988. O con­fli­to opôs os exér­ci­tos das For­ças Ar­ma­das Po­pu­la­res de Li­ber­ta­ção de An­go­la (FAPLA), apoi­a­do por Cu­ba e URSS, e das For­ças Ar­ma­das de Li­ber­ta­ção de An­go­la (FA­LA) com apoio da Áfri­ca do Sul. Pa­ra Lu­an­da, o fim da ba­ta­lha mar­cou um pon­to de vi­ra­gem de­ci­si­vo na guer­ra, in­cen­ti­van­do um acor­do en­tre sul-afri­ca­nos e cu­ba­nos pa­ra a re­ti­ra­da de tro­pas e a as­si­na­tu­ra dos Acor­dos de No­va Ior­que, que de­ram ori­gem à im­ple­men­ta­ção de uma re­so­lu­ção do Con­se­lho de Segurança da ONU, le­van­do à in­de­pen­dên­cia da Namíbia e ao fim do re­gi­me de se­gre­ga­ção ra­ci­al que vi­go­ra­va na Áfri­ca do Sul. “A UNITA la­men­ta pro­fun­da­men­te o fac­to de que os che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no da SADC se te­nham dei­xa­do ma­ni­pu­lar pe­lo exe­cu­ti­vo an­go­la­no, mo­vi­do há mui­to por in­te­res­ses não con­fes­sa­dos”, lê-se no do­cu­men­to do an­ti­go mo­vi­men­to guer­ri­lhei­ro, ac­tu­al­men­te o mai­or par­ti­do da opo­si­ção an­go­la­na. Pa­ra a UNITA, as FAPLA, “co­li­ga­das” com mi­li­ta­res da en­tão União So­vié­ti­ca e de Cu­ba, ti­nham co­mo ob­jec­ti­vos mi­li­ta­res a to­ma­da de Ma­vin­ga e da Jam­ba, na al­tu­ra bas­tiões do mo­vi­men­to do “Ga­lo Ne­gro”, ten­ta­ti­va que saiu “frus­tra­da” e “obri­gou ao re­cuo das for­ças mi­li­ta­res ata­can­tes até à mar­gem di­rei­ta do rio Cuí­to, on­de se ve­ri­fi­cou o im­pas­se mi­li­tar”. Se­gun­do o mo­vi­men­to en­tão li­de­ra­do por Jo­nas Sa­vim­bi, foi es­ta si­tu­a­ção que con­du­ziu à re­ti­ra­da das for­ças mi­li­ta­res es­tran­gei­ras de An­go­la, cu­ba­nas e sul-afri­ca­nas, ne­go­ci­a­da em No­va Ior­que, em De­zem­bro de 1988, e às con­se­quen­tes ne­go­ci­a­ções po­lí­ti­cas con­du­cen­tes à in­de­pen­dên­cia da Namíbia, a 21 de Mar­ço de 1990, ao fim do “apartheid”, na Áfri­ca do Sul, a 17 de Mar­ço de 1991, e à de­mo­cra­ti­za­ção de An­go­la por via dos Acor­dos de Paz Pa­ra An­go­la, fir­ma­dos em Bi­ces­se, a 31 de Maio de 1991. “A His­tó­ria es­tá aí pa­ra re­gis­tar que a ba­ta­lha do Cuí­to Cu­a­na­va­le não re­pre­sen­tou o fim da guer­ra em An­go­la nem sig­ni­fi­cou a li­ber­ta­ção da Áfri­ca Aus­tral. An­go­la, Zâm­bia, Bot­su­a­na, Mo­çam­bi­que, Ma­lawi, Tan­zâ­nia, a Su­a­zi­lân­dia [atu­al Eswa­ti­ni], Zimbabué e a pró­pria Áfri­ca do Sul já eram in­de­pen­den­tes an­tes des­sa ba­ta­lha”, re­fe­re a UNITA no co­mu­ni­ca­do. Se­gun­do a ver­são da UNITA, o pro­ces­so ne­go­ci­al an­go­la­no “te­ve de pas­sar por no­vas ba­ta­lhas mi­li­ta­res”, co­mo foi a úl­ti­ma cam­pa­nha pa­ra a to­ma­da da Jam­ba em 1990, “igual­men­te fra­cas­sa­da”, e tam­bém por ou­tros an­te­ri­o­res a Bi­ces­se, co­mo fo­ram os fra­cas­sa­dos Acor­dos de Gba­do­li­te, em que se pre­ten­dia o exí­lio de Jo­nas Sa­vim­bi. “Por tu­do is­to, é uma men­ti­ra gros­sei­ra atri­buir a li­ber­ta­ção da Áfri­ca Aus­tral à ba­ta­lha do Cui­to Cu­a­na­va­le, que ape­nas exis­tiu de­vi­do ao fra­cas­so da ten­ta­ti­va de to­ma­da da Jam­ba”, con­si­de­ra a UNITA, acres­cen­tan­do que o par­ti­do “saú­da a li­ber­ta­ção de to­da a Áfri­ca e não ape­nas da Áfri­ca Aus­tral”. “A Áfri­ca Aus­tral pre­ci­sa, aci­ma de tu­do, de ser li­ber­ta­da da fo­me, po­bre­za e ex­clu­são a que es­tá sub­me­ti­da a gran­de mai­o­ria dos seus po­vos. Pre­ci­sa de ser li­ber­ta­da es­pe­ci­al­men­te do fe­nó­me­no da de­la­pi­da­ção dos seus re­cur­sos e do fla­ge­lo da cor­rup­ção, pro­mo­vi­dos e pro­te­gi­dos por al­guns dos seus go­ver­nos que, pa­ra­do­xal­men­te, se in­ti­tu­lam de ‘li­ber­ta­do­res da Áfri­ca Aus­tral’”, acres­cen­ta-se no do­cu­men­to. A UNITA adi­an­ta “sa­ber o bas­tan­te des­sa His­tó­ria” pa­ra po­der afir­mar que “a mo­ti­va­ção dos lí­de­res an­go­la­nos que pro­mo­ve­ram, no seio da SADC, a con­sa­gra­ção da da­ta de 23 de Mar­ço, não se en­qua­dra nas as­pi­ra­ções de li­ber­da­de e uni­da­de dos afri­ca­nos, por­que de­tur­pa fac­tos im­por­tan­tes que, a seu tem­po, a re­ve­la­ção da ver­da­dei­ra His­tó­ria cui­da­rá de cor­ri­gir”. “In­fe­liz­men­te, a de­tur­pa­ção de fac­tos pa­ra fal­se­ar a His­tó­ria, tem si­do um apa­ná­gio do par­ti­do-es­ta­do an­go­la­no (MPLA). Foi as­sim du­ran­te a lu­ta an­ti­co­lo­ni­al, no pe­río­do de tran­si­ção pa­ra a in­de­pen­dên­cia, foi as­sim em re­la­ção ao ho­lo­caus­to an­go­la­no que se se­guiu ao 27 de Maio de 1977 e tem si­do tam­bém as­sim du­ran­te a go­ver­na­ção cor­rup­ta de An­go­la que em­po­bre­ceu os an­go­la­nos nos úl­ti­mos 40 anos”, acres­cen­ta o par­ti­do. “A UNITA re­pu­dia ve­e­men­te­men­te a ati­tu­de do par­ti­do-es­ta­do de An­go­la de de­tur­par os efei­tos de­ter­mi­nan­tes da gran­de ba­ta­lha ocor­ri­da nas mar­gens do rio Lom­ba na mu­dan­ça do cur­so da His­tó­ria po­lí­ti­ca da re­gião, e de es­co­lher, em seu lu­gar, o mo­men­to do im­pas­se mi­li­tar, no lo­cal do re­cuo, a mar­gem di­rei­ta do rio Cuí­to, pa­ra sim­bo­li­zar a li­ber­ta­ção da Áfri­ca Aus­tral”, cri­ti­ca. Por fim, a UNITA la­men­ta o fac­to de, “mais uma vez”, “o Exe­cu­ti­vo an­go­la­no e o MPLA “per­ma­ne­ce­rem vi­ra­dos” pa­ra uma go­ver­na­ção pa­ra o ex­te­ri­or, “pre­nhe de ‘show-offs’”. “[O Go­ver­no an­go­la­no e o MPLA] pre­fe­rem des­pen­der mi­lhões de dó­la­res com a or­ga­ni­za­ção de com­pe­ti­ções in­ter­na­ci­o­nais en­quan­to o po­vo mor­re de fo­me, com sa­té­li­tes que não fun­ci­o­nam quan­do a saúde ado­e­ce, com ‘mar­ke­ting’ de vi­tó­ri­as e he­róis ine­xis­ten­tes en­quan­to pros­se­gue o rou­bo e a im­pu­ni­da­de”, ter­mi­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.