FMI PAS­SA­RÁ A SER O TI­TU­LAR DO PO­DER EXE­CU­TI­VO

Folha 8 - - DESTAQUE -

Ogo­ver­no an­go­la­no so­li­ci­tou o ajus­ta­men­to do pro­gra­ma de apoio do Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI), adi­ci­o­nan­do ao mes­mo uma com­po­nen­te de fi­nan­ci­a­men­to. Es­te pe­di­do vai, de fac­to, au­men­tar a cre­di­bi­li­da­de do Es­ta­do. Is­to por­que quem vai man­dar em An­go­la não se­rá o Exe­cu­ti­vo mas, ape­nas e só, o FMI. Em ter­mos lu­só­fo­nos, a his­tó­ria re­pe­te-se. João Lou­ren­ço pre­pa­ra-se pa­ra ser o Jo­sé Só­cra­tes de An­go­la. E os an­go­la­nos que se pre­pa­rem pa­ra o tes­te fi­nal – mos­trar que sa­bem so­bre­vi­ver sem co­mer. Os por­tu­gue­ses mos­tra­ram que é pos­sí­vel. Se­re­mos nós ca­pa­zes? Pro­va­vel­men­te sim. Ex­pe­ri­ên­cia não nos fal­ta. No dia 11 de Ja­nei­ro de 2011 es­ta­va ex­cluí­da a en­tra­da do Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal em Por­tu­gal. O pri­mei­ro-mi­nis­tro, Jo­sé Só­cra­tes, garantia que Por­tu­gal não pre­ci­sa­va de aju­da fi­nan­cei­ra e que con­ti­nu­a­va a ter to­das as con­di­ções pa­ra se fi­nan­ci­ar no mercado in­ter­na­ci­o­nal. No dia se­guin­te o FMI en­trou, de ar­mas e ba­ga­gens, em Lis­boa e to­mou con­ta do país. Em De­zem­bro de 2009, o en­tão di­rec­tor-ge­ral do FMI, Do­mi­ni­que Strauss-Kahn, fa­zia um avi­so à na­ve­ga­ção: “Os pro­ble­mas acon­te­cem quan­do os go­ver­nos di­zem à opi­nião pú­bli­ca que as coi­sas es­tão a me­lho­rar en­quan­to as pes­so­as perdem os seus em­pre­gos”. “Pa­ra al­guém que vai per­der o seu em­pre­go, a cri­se não aca­bou. E is­so cons­ti­tui um al­to ris­co”, afir­mou o di­rec­tor-ge­ral do FMI, acres­cen­tan­do que “is­so tam­bém po­de, em al­guns paí­ses, tor­nar-se um ris­co pa­ra a de­mo­cra­cia. Não é fá­cil ad­mi­nis­trar es­ta tran­si­ção, e ela não se­rá sim­ples pa­ra os mi­lhões de pes­so­as que ain­da es­ta­rão de­sem­pre­ga­das no pró­xi­mo ano”. Em Por­tu­gal, na al­tu­ra, ad­mi­tia-se co­mo pro­vá­vel que em vez de um no­vo de­sem­pre­ga­do a ca­da qua­tro mi­nu­tos se con­si­ga, com ou o acor­do de res­ga­te e fa­zen­do fé nas pro­mes­sas do go­ver­no de en­tão, um de­sem­pre­ga­do a ca­da… três mi­nu­tos.“a eco­no­mia mun­di­al so­men­te se res­ta­be­le­ce­rá quan­do o de­sem­pre­go cair”, dis­se o res­pon­sá­vel do FMI. E se as­sim é (em Por­tu­gal foi mes­mo as­sim) os an­go­la­nos es­tão ain­da mais li­xa­dos. E, con­ve­nha­mos, se for pos­sí­vel a João Lou­ren­ço – ago­ra que es­tá na Ale­ma­nha – ga­ran­tir à do­na da Eu­ro­pa, An­ge­la Do­rothea Mer­kel, que os an­go­la­nos con­se­guem es­tar uns anos sem co­mer, An­go­la não tar­da­rá mui­to a ter o dé­fi­ce em or­dem e a be­ne­fi­ci­ar do ple­no em­pre­go.

FUN­DO MO­NE­TÁ­RIO IN­TER­NA­CI­O­NAL (FMI)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.