JO­SÉ SÓ­CRA­TES E PAS­SOS CO­E­LHO

Folha 8 - - DESTAQUE -

No meio da cri­se, do res­ga­te e da su­pos­ta sal­va­ção do FMI, Pas­sos Co­e­lho, en­tão lí­der do PSD e de­pois pri­mei­ro-mi­nis­tro, per­gun­tou aos por­tu­gue­ses so­bre Jo­sé Só­cra­tes: “Co­mo é pos­sí­vel man­ter um go­ver­no em que um pri­mei­ro-mi­nis­tro men­te?” Mentir é, no ca­so de Pas­sos Co­e­lho uma for­ma de vi­da. Em tem­pos ele afir­mou: “Es­tas me­di­das põem o país a pão e água. Não se põe um país a pão e água por pre­cau­ção”. Re­sul­ta­do? Pôs os por­tu­gue­ses a água mas ca­da vez mais sem pão. Foi ele quem dis­se: “Es­ta­mos dis­po­ní­veis pa­ra so­lu­ções po­si­ti­vas, não pa­ra pe­nho­rar fu­tu­ro ta­pan­do com im­pos­tos o que não se cor­ta na des­pe­sa”. Re­sul­ta­do? Pôs os por­tu­gue­ses a pa­gar mais im­pos­tos, pe­nho­ran­do até o fu­tu­ro dos fi­lhos e ne­tos. Foi Pas­sos Co­e­lho quem dis­se: “Acei­ta­rei re­du­ções nas de­du­ções no dia em que o Go­ver­no anun­ci­ar que vai re­du­zir a car­ga fis­cal às fa­mí­li­as”. Re­sul­ta­do? Aca­bou com as de­du­ções e au­men­tou a car­ga fis­cal das fa­mí­li­as. Foi ele quem dis­se: “Aque­les que são res­pon­sá­veis pe­lo res­va­lar da des­pe­sa têm de ser ci­vil e cri­mi­nal­men­te res­pon­sá­veis pe­los seus ac­tos”. Re­sul­ta­do? As des­pe­sas res­va­la­ram e de que ma­nei­ra mas, co­mo do­no do país, man­dou às mal­vas es­sa ideia de os au­to­res se­rem ci­vil e cri­mi­nal­men­te res­pon­sa­bi­li­za­dos. Foi Pas­sos Co­e­lho quem dis­se: “Nin­guém nos ve­rá im­por sa­cri­fí­ci­os aos que mais pre­ci­sam. Os que têm mais te­rão que aju­dar os que têm me­nos”. Re­sul­ta­do? Tra­ba­lhou em prol dos pou­cos que têm mi­lhões, es­que­cen­do to­tal­men­te os mi­lhões que, por sua cul­pa, ti­nham pou­co ou na­da. Tam­bém foi ele quem dis­se: “Qu­e­re­mos trans­fe­rir par­te dos sa­cri­fí­ci­os que se exi­gem às fa­mí­li­as e às em­pre­sas pa­ra o Es­ta­do. Já es­ta­mos far­tos de um Go­ver­no que nun­ca sa­be o que diz e nun­ca sa­be o que as­si­na em no­me de Por­tu- gal”. Re­sul­ta­do? O Es­ta­do trans­fe­riu os sa­cri­fí­ci­os que lhe de­vi­am ca­ber pa­ra as fa­mí­li­as e pa­ra as em­pre­sas. Foi Pas­sos Co­e­lho quem dis­se: “Pa­ra sal­va­guar­dar a co­e­são so­ci­al pre­fi­ro one­rar es­ca­lões mais ele­va­dos de IRS de mo­do a de­so­ne­rar a clas­se mé­dia e bai­xa”. Re­sul­ta­do? Pu­ra e sim­ples­men­te aca­bou com a clas­se mé­dia, ati­ran­do-a pa­ra o ní­vel de li­xo. Foi igual­men­te Pas­sos Co­e­lho quem dis­se: “Se for­mos Go­ver­no, pos­so ga­ran­tir que não se­rá ne­ces­sá­rio des­pe­dir pes­so­as nem cor­tar mais sa­lá­ri­os pa­ra sa­ne­ar o sis­te­ma por­tu­guês”. Re­sul­ta­do? Des­pe­di­men­tos nun­ca vis­tos, de­sem­pre­go em ní­veis his­tó­ri­cos, cor­tes nos sa­lá­ri­os e nos sub­sí­di­os. Foi a mes­ma cri­a­tu­ra quem dis­se: “A ideia que se foi ge­ran­do de que o PSD vai au­men­tar o IVA não tem fun­da­men­to. A pi­or coi­sa é ter um Go­ver­no fra­co. Um Go­ver­no mais for­te im­po­rá me­nos sa­cri­fí­ci­os aos con­tri­buin­tes e aos ci­da­dãos”. Re­sul­ta­do? Au­men­tos bru­tais do IVA, im­po­si­ção de ter­rí­veis sa­cri­fí­ci­os aos ci­da­dãos. O mes­mo Pas­sos Co­e­lho tam­bém dis­se: “Não acei­ta­re­mos chan­ta­gens de es­ta­bi­li­da­de, não acei­ta­mos o cli­ma emo­ci­o­nal de que quem não es­tá ca­la­di­nho não é pa­tri­o­ta”. Re­sul­ta­do? Chan­ta­gens e mais chan­ta­gens. Pres­sões e mais pres­sões. Ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­ção do prin­cí­pio de que até pro­va em con­trá­rio to­dos são cul­pa­dos.

PE­DRO PAS­SOS CO­E­LHO E JO­SÉ SÓ­CRA­TES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.