PRE­SI­DEN­TE, GE­NE­RAL E MI­NIS­TRO (DA DE­FE­SA)

Folha 8 - - DESTAQUE -

Re­cor­de-se, por exem­plo, que em Fe­ve­rei­ro de 2015 as ma­ri­nhas da Ale­ma­nha e de An­go­la re­a­li­zam, ao lar­go de Lu­an­da, um exer­cí­cio na­val con­jun­to que mar­cou o alar­ga­men­to das re­la­ções en­tre os dois paí­ses à co­o­pe­ra­ção mi­li­tar. O exer­cí­cio de­cor­reu da pre­sen­ça em An­go­la de qua­tro na­vi­os da Ma­ri­nha ale­mã, no­me­a­da­men­te três fra­ga­tas de guer­ra, no âm­bi­to da For­ça Ope­ra­ci­o­nal e de For­ma­ção 2015 da­que­le país eu­ro­peu, vi­san­do o com­ba­te à pi­ra­ta­ria. De acor­do com o anún­cio fei­to a bor­do da fra­ga­ta ‘Hes­sen’ – que es­ta­va atra­ca­da no por­to de Lu­an­da -, pe­lo ca­pi­tão-de-mar-e-guer­ra An­dre­as Sei­dl, que li­de­ra­va es­ta for­ça, o exer­cí­cio cons­tou de uma abor­da­gem das for­ças na­vais an­go­la­nas a um dos na­vi­os da fro­ta da Ale­ma­nha, ten­do lu­gar a du­as mi­lhas da cos­ta. “A vi­si­ta des­ta for­ça da Ale­ma­nha po­de ser vis­ta co­mo o pri­mei­ro pas­so vi- sí­vel na in­ten­si­fi­ca­ção da co­o­pe­ra­ção mi­li­tar en­tre as nos­sas du­as na­ções”, su­bli­nhou An­dre­as Sei­dl. O ofi­ci­al es­cla­re­ceu que a co­o­pe­ra­ção en­tre as ma­ri­nhas de am­bos os paí­ses es­ta­va na al­tu­ra cen­tra­da na for­ma­ção de ope­ra­ci­o­nais an­go­la­nos, mas que era in­ten­ção das du­as par­tes alar­gar a ba­se des­se en­ten­di­men­to à co­o­pe­ra­ção na área téc­ni­ca. A inclusão de An­go­la na ro­ta dos na­vi­os ale­mães se­guiu-se à vi­si­ta, em No­vem­bro de 2014, do mi­nis­tro da De­fe­sa an­go­la­no, João Lou­ren­ço, à Ale­ma­nha, oca­sião em que foi as­si­na­do um acor­do de co­o­pe­ra­ção de De­fe­sa en­tre os dois paí­ses. Na apre­sen­ta­ção dos mei­os na­vais em Lu­an­da, o em­bai­xa­dor ale­mão em An­go­la, Rai­ner Mül­ler, as­su­miu “o or­gu­lho” da Ale­ma­nha em ter o país afri­ca­no “ago­ra tam­bém co­mo par­cei­ro na área da De­fe­sa”. “An­go­la é um par­cei­ro mui­to po­de­ro­so e in­flu­en­te em Áfri­ca e que tem uma be­la his­tó­ria pa­ra con­tar”, afir­mou Rai­ner Mül­ler. Na al­tu­ra – di­ga-se de pas­sa­gem – Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos ain­da não ti­nha pas­sa­do de bes­ti­al a bes­ta. E não ti­nha por­que, pu­ra e sim­ples­men­te, era quem es­ta­va no Po­der. Em ci­ma da me­sa, en­tre ou­tros as­pec­tos, es­te­ve o en­vio de con­se­lhei­ros téc­ni­cos das For­ças Ar­ma­das ale­mãs pa­ra as­sis­tir as for­ças an­go­la­nas. “Ca­be aos mi­nis­té­ri­os da De­fe­sa dos dois paí­ses de­ci­dir, mas a Ale­ma­nha es­tá dis­pos­ta a fa­zer mui­ta coi­sa”, en­fa­ti­zou o em­bai­xa­dor da Ale­ma­nha em Lu­an­da. A mis­são ope­ra­ti­va, com in­cur­são pe­lo mar do nor­te, oce­a­no Atlân­ti­co, Gol­fo da Gui­né, Ca­bo Es­pe­ran­ça, oce­a­no Ín­di­co e do Ca­nal de Su­ez pa­ra o mar Me­di­ter­râ­neo, ti­nha co­mo ob­jec­ti­vo a for­ma­ção do nú­cleo de par­ti­ci­pa­ção ale­mã nos gru­pos de in­ter­ven­ção in­ter­na­ci­o­nais, no âm­bi­to de ta­re­fas ma­rí­ti­mas. Con­tu­do, o co­man­dan­te des­ta for­ça des­car­tou ac­ções de en­vol­vi­men­to di­rec­to pe­la Ma­ri­nha ale­mã no com­ba­te à pi­ra­ta­ria, sen­do a pri­o­ri­da­de a ca­pa­ci­ta­ção das ma­ri­nhas dos paí­ses afec­ta­dos.

MI­NIS­TRO DA DE­FE­SA AN­GO­LA­NO, JOÃO LOU­REN­ÇO, NA ALE­MA­NHA EM 2015

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.