ONU JUN­TA-SE À DE­SO­BE­DI­ÊN­CIA CI­VIL

Folha 8 - - INTERNACIONAL - TEX­TO DE IJOSÉ SÓ­CRA­TES*

Nu­ma de­ci­são ra­ra, o Co­mi­tê de Di­rei­tos Hu­ma­nos da ONU de­ci­diu, na pas­sa­da sex­ta- fei­ra (17.08), fa­ce à “exis­tên­cia de pos­sí­vel da­no ir­re­pa­rá­vel”, trans­mi­tir ao Es­ta­do Bra­si­lei­ro ” a adop­ção de to­das as me­di­das ne­ces­sá­ri­as pa­ra as­se­gu­rar que o re­que­ren­te (Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va) usu­frua e exer­ça to­dos os seus di­rei­tos po­lí­ti­cos en­quan­to es­tá na pri­são, na qua­li­da­de de can­di­da­to nas elei­ções pre­si­den­ci­ais de 2018, o que in­cluiu o aces­so ade­qua­do à im­pren­sa e aos mem­bros do seu par­ti­do po­lí­ti­co” . Não se tra­ta ain­da do jul­ga­men­to de mé­ri­to so­bre o ca­so con­cre­to, que es­tá em apre­ci­a­ção, mas de uma de­ci­são pre­ven­ti­va pa­ra de­fen­der o di­rei­to de Lu­la a can­di­da­tar-se e ain­da o di­rei­to dos bra­si­lei­ros a vo­tar em quem de­se­jam. O Bra­sil de­ve, pois, abs­ter-se de qual­quer de­ci­são que im­pe­ça o an­ti­go pre­si­den­te de ser can­di­da­to. As ins­ti­tui­ções bra­si­lei­ras re­a­gi­ram de ca­be­ça per­di­da: o Mi­nis­té­rio das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res di­zen­do que “as con­clu­sões do Co­mi­té tem um ca­rá­ter de re­co­men­da­ção e não pos­su­em efei­to ju­ri­di­ca­men­te vin­cu­lan­te”; o Mi­nis­tro da Jus­ti­ça afir­man­do que se tra­ta de ” in­ter­fe­rên­cia in­de­vi­da”; a im­pren­sa as­sus­ta­da ig­no­rou es­can­da­lo­sa­men­te a no­tí­cia, e o can­di­da­to Jair Bol­so­na­ro, apro­vei­tou pa­ra di­zer que se for elei­to “sai­rá da ONU” que não pas­sa de “reu­nião de co­mu­nis­tas”. Um ve­lho jor­na­lis­ta di­rá, de­sa­len­ta­do :” a mes­ma re­ac­ção que a di­ta­du­ra ti­nha quan­do era con­de­na­da”. Ve­ja­mos. O Bra­sil ra­ti­fi­cou o Pac­to In­ter­na­ci­o­nal de Di­rei­tos Ci­vis e Po­lí­ti­cos em 1992. Em 2009 de­ci­diu ir mais lon­ge in­cor­po­ran­do na sua or­dem ju­rí­di­ca in­ter­na o cha­ma­do Pro­to­co­lo Fa­cul­ta­ti­vo atra­vés do de­cre­to le­gis­la­ti­vo nº 311/ 2009, re­co­nhe­cen­do, des­ta for­ma, a ju­ris­di­ção do Co­mi­tê pa­ra ana­li­sar even­tu­ais vi­o­la­ções às dis­po­si­ções do Pac­to. O Pro­to­co­lo cha­ma-se fa­cul­ta­ti­vo por is­so mes­mo – o País po­de per­ma­ne­cer no Pac­to sem o ra­ti­fi­car, mas, ao fa­zê-lo, pas­sa a re­co­nhe­cer vo­lun­ta­ri­a­men­te a ju­ris­di­ção do Co­mi­té, obri­gan­do-se a cum­prir as su­as de­ci­sões. To­da es­ta de­am­bu­la­ção his­tó­ri­ca pa­ra di­zer com segurança o se­guin­te: a de­ci­são é obri­ga­tó­ria e vin­cu­la to­dos os po­de­res pú­bli­cos bra­si­lei­ros –o Po­der Le­gis­la­ti­vo, o Po­der Exe­cu­ti­vo e o Po­der Ju­di­ciá­rio. Vi­re­mo-nos ago­ra pa­ra a po­lí­ti­ca que, afi­nal, es­tá no cen­tro de tu­do. Ca­da vez que pen­so na si­tu­a­ção po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra vem-me ao es­pí­ri­to a bi­o­gra­fia de Wil­li­am Pitt, que foi o pri­mei­ro mi­nis­tro in­glês mais no­vo da his­tó­ria bri­tâ­ni­ca, com ape­nas 24 anos. No pri­mei­ro de­ba­te par­la­men­tar a ses­são foi tu­mul­tu­o­sa, com os de­pu­ta­dos aos ber­ros apon­tan­do-lhe a fal­ta de ex­pe­ri­ên­cia e de ma­tu­ri­da­de pa­ra con­du­zir os des­ti­nos do Im­pé­rio. Quan­do che­gou a sua vez de fa­lar le­van­tou-se pa­ra lem­brar os seus ho­no­rá­veis co­le­gas que ti­nha si­do elei­to pe­lo po­vo e no­me­a­do pa­la rai­nha: ” não che­guei aqui pe­la por­ta dos fun­dos”, dis­se. A fra­se fi­cou. É uma da­que­las frases que qual­quer che­fe de Es­ta­do de­mo­crá­ti­co de­ve po­der di­zer em qual­quer mo­men­to e em qual­quer cir­cuns­tân­cia: não che­guei aqui pe­la por­ta dos fun­dos. Pois bem, aqui es­tá uma fra- se que nem o Pre­si­den­te Te­mer nem ne­nhum dos seus Mi­nis­tros que ago­ra se pro­nun­ci­a­ram es­tá em con­di­ções de di­zer e mui­to me­nos em oca­siões so­le­nes. Es­te é o pro­ble­ma do go­ver­no bra­si­lei­ro e tem a ver com uma pe­que­na pa­la­vri­nha mui­to ca­ra à de­mo­cra­cia – le­gi­ti­mi­da­de. Ódio e es­ca­la­da: pri­mei­ro, o im­pe­a­ch­ment, de­pois a pri­são, de­pois a ine­le­gi­bi­li­da­de, ago­ra o des­pre­zo pe­lo di­rei­to in­ter­na­ci­o­nal. Eis o que ve­mos no Bra­sil: um re­gi­me com­ple­ta­men­te des­mo­ra­li­za­do, sem par­la­men­to, sem go­ver­no, sem po­lí­ti­ca, sem au­to­ri­da­de. Um re­gi­me en­tre­gue a per­so­na­gens de ope­re­ta – um juiz que pro­mo­ve es­cu­tas ile­gais e as divulga; um di­rec­tor da po­lí­cia que des­res­pei­ta a or­dem ju­di­ci­al de sol­tu­ra de Lu­la por­que re­ce­beu um te­le­fo­ne­ma or­de­nan­do-lhe o con­trá­rio; um che­fe mi­li­tar que avi­sa que não acei­ta­rá im­pu­ni­da­de e que es­tá aten­to “às su­as mis­sões ins­ti­tu­ci­o­nais”; um Tri­bu­nal di­to Su­pre­mo que se trans­for­ma su­bi­ta­men­te em Par­la­men­to, apro­van­do, com re­cur­so a es­ta­pa­fúr­di­as her­me­nêu­ti­cas ju­rí­di­cas, ver­da­dei­ras al­te­ra­ções à Cons­ti­tui­ção, por for­ma a que se pos­sa, sem sen­ten­ça ju­di­ci­al tran­si­ta­da em jul­ga­do, pren­der um lí­der po­lí­ti­co. Re­gres­se­mos à ONU. Al­guns di­rão que es­ta não tem for­ma de fa­zer cum­prir as su­as de­ci­sões. Sim, não tem, mas tem do seu la­do a ar­ma mais im­por­tan­te: a le­gi­ti­mi­da­de, is­to é a au­to­ri­da­de que dis­pen­sa a for­ça. Do ou­tro la­do es­tá ape­nas a for­ça sem ne­nhum ti­po de au­to­ri­da­de. Po­dem não cum­prir, é cer­to. Mas não sei co­mo, de­pois dis­so, ain­da es­pe­ram que a ONU re­co­nhe­ça as elei­ções bra­si­lei­ras co­mo li­vres e jus­tas. Bem vis­tas as coi­sas, tal­vez o mais im­por­tan­te le­ga­do do man­da­to de Lu­la à po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra te­nha si­do a apren­di­za­gem de­mo­crá­ti­ca de trans­for­mar ve­lhos ini­mi­gos em le­ais ad­ver­sá­ri­os. In­fe­liz­men­te es­tes não se tem mos­tra­do a al­tu­ra des­sa he­ran­ça, e es­sa é to­da a des­gra­ça da de­mo­cra­cia bra­si­lei­ra. Es­ta­mos já em cam­pa­nha elei­to­ral e o an­ti­go pre­si­den­te con­ti­nua à fren­te das son­da­gens – e com per­cen­ta­gens aci­ma da so­ma de to­dos os ou­tros can­di­da­tos. O po­vo pa­re­ce não acre­di­tar que o seu pro­ces­so ju­di­ci­al foi jus­to e não se dis­põe a de­sis­tir de­le. O an­ti­go mi­nis­tro das re­la­ções ex­te­ri­o­res, Celso Amorim diz que “a de­so­be­di­ên­cia ci­vil es­tá nas son­da­gens”. Ago­ra, a cin­quen­ta di­as da elei­ção, a ONU re­sol­veu jun­tar-se à de­so­be­di­ên­cia. *Ex-pri­mei­ro mi­nis­tro de Por­tu­gal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.