A NOS­SA AN­GO­LA DE “REN­DI­MEN­TO MÉ­DIO”

Folha 8 - - TOPS -

São mi­lha­res as al­dei­as an­go­la­nas co­mo a da Bar­ra­ca, per­to da vi­la de Ca­bi­ri, que es­tá a cer­ca de 25 qui­ló­me­tros de Ca­te­te, se­de do mu­ni­cí­pio de Ico­lo e Ben­go. Muitas das mu­lhe­res grá­vi­das des­se vi­la­re­jo, tal co­mo muitas ou­tras que vi­vem dis­tan­te da se­de, na ho­ra de te­rem o par­to são obri­ga­das a ir a Ca­te­te. Não sei se es­tão a ver, a 25 qui­ló­me­tros, e… co­mo os trans­por­tes são mui­to ra­ros por fal­ta de es­tra­das, al­gu­mas de­las são le­va­das pa­ra a uni­da­de hos­pi­ta­lar mais pró­xi­ma em car­ro de mão, o que tem pro­vo­ca­do abor­tos em con­sequên­cia de que­das das par­tu­ri­en­tes, en­tre ou­tros fac­to­res. A cir­cuns­cri­ção tem cer­ca de 34 mil ha­bi­tan­tes e dis­põe ape­nas de cin­co pos­tos de Saúde que fun­ci­o­nam em con­di­ções dé­beis. Os mu­ní­ci­pes pre­ten­dem que se cons­trua uma uni­da­de hos­pi­ta­lar na re­fe­ri­da zo­na, pa­ra mi­ni­mi­zar es­ta si­tu­a­ção, que os têm obri­ga­do a op­tar pe­los hos­pi­tais da se­de mu­ni­ci­pal. “Até pa­ra acu­dir a do­res-de-ca­be­ça, gri­pes, tos­se e an­gi­nas, além de cri­ses es­to­ma­cais e sur­tos de pa­lu­dis­mo te­mos que ir a Ca­te­te fa­zer con­sul­tas e aná­li­ses clí­ni­cas, quan­do aqui de­vía­mos ter pe­lo me­nos um pos­to mé­di­co pa­ra es­ses aten­di­men­tos bá­si­cos”, de­cla­rou um re­si­den­te, ten­do adi­an­ta­do que nem se­quer ha­via um stock pa­ra cu­ra­ti­vos sob a égi­de do ór­gão de co­or­de­na­ção lo­cal. Quan­to à Edu­ca­ção, a co­mu­na de Ca­bi­ri pre­ci­sa de 29 es­co­las pri­má­ri­as pa­ra al­ber­gar mais de três mil cri­an­ças que es­te ano lec­ti­vo se en­con­tram fo­ra do sis­te­ma de en­si­no, al­gu­mas igre­jas ten­ta­ram dar apoio à es­co­la­ri­da­de até à se­gun­da clas­se, mas sem su­ces­so. A meio do ca­mi­nho de­sis­ti­ram, o que le­vou a que os me­no­res vol­tas­sem a fi­car em ca­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.