DI­REI­TOS DE AU­TOR. É DES­TA QUE SE SOLTAM AS AMAR­RAS?

Folha 8 - - DESTAQUE -

OGo­ver­no an­go­la­no, ago­ra es­tá na ace­le­ra­da fa­se de que­rer fa­zer tu­do, ra­pi­da­men­te e em… for­ça, es­tá a pre­pa­rar um con­jun­to de pro­pos­tas pa­ra re­gu­la­men­tar os di­rei­tos au­to­rais em An­go­la, pro­ces­so que es­tá pa­ra­do des­de 2007 de­vi­do à fal­ta de le­gis­la­ção com­ple­men­tar e à pou­ca abran­gên­cia da lei, re­ve­lou fon­te ofi­ci­al. Ao me­nos não é por o país es­tar em… crise. Em de­cla­ra­ções à agên­cia Lu­sa, em Lu­an­da, Bar­ros Li­cen­ça, di­rec­tor Na­ci­o­nal pa­ra os Di­rei­tos de Au­tor e Co­ne­xos do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra de An­go­la, in­di­cou que a ideia é “tor­nar efec­ti­va” a pro­tec­ção au­to­ral dos di­fe­ren­tes ar­tis­tas an­go­la­nos, lem­bran­do que uma pri­mei­ra lei de 2007 foi já ul­tra­pas­sa­da por uma ou­tra, de 2015, fal­tan­do re­gu­lá-la. Ou se­ja, ter lei ou não ter é – em ter­mos prá­ti­cos – a mes­ma coi­sa. Se­gun­do Bar­ros Li­cen­ça, o exe­cu­ti­vo do Pre­si­den­te João Lou­ren­ço, atra­vés do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra, quer es­ta­be­le­cer as nor­mas de fis­ca­li­za­ção do fun­ci­o­na­men­to dos agen­tes do sis­te­ma, no­me­a­da­men­te nas áre­as da usur­pa­ção, con­tra­fac­ção e plá­gio, ao mes­mo tem­po que cria um “se­lo de ga­ran­tia” de um pro­du­to. “Há os usuá­ri­os, que usu­fru­em das obras, os cri­a­do­res e as en­ti­da­des de ges­tão co­lec­ti­va en­tre os pró­pri­os pri­va­dos e a ges­tão ad­mi­nis­tra­ti­va e a ju­di­ci­al. Todos têm o seu pa­pel na dis­tin­ção en­tre as obras ori­gi­nais e as fal­si­fi­ca­das ou pi­ra­te­a­das”, dis­se, no fi­nal de uma ses­são de apre­sen­ta­ção do di­plo­ma jun­to de vá­ri­os ar­tis­tas e es­cri­to­res. A ideia é, acres­cen­tou, ela­bo­rar o re­gu­la­men­to so­bre au­ten­ti­ca­ção, pro­du­ção e dis­tri­bui­ção dos bens in­te­lec­tu­ais pa­ra fins co­mer­ci­ais – li­vros, dis­cos – que, co­mo pro­du­tos, de­ve­rão ter um se­lo de cer­ti­fi­ca­ção. Qu­es­ti­o­na­do pe­la Lu­sa so­bre qual o pa­no­ra­ma do sec­tor em An­go­la, Bar­ros Li­cen­ça in­di­cou que o pri­mei­ro pro­jec­to nes­se sen­ti­do foi cri­a­do em 1990, com a Lei da Pro­tec­ção dos Di­rei­tos de Au­tor que, dois anos de­pois, per­mi­tiu cri­ar a So­ci­e­da­de An­go­la­na dos Di­rei­tos Au­to­rais (SADIA) que, com ba­se na lei, es­ta­be­le­ceu um ta­ri­fá­rio pa­ra a co­bran­ça. “Foi-se cum­prin­do, só que de for­ma de­fi­ci­en­te. Foi-se de­gra­dan­do, dan­do lu­gar ao sur­gi­men­to, há cer­ca de três anos, da UNAC [União Na­ci­o­nal de Au­to­res e Com­po­si­to­res], que pôs co­bro ao mo­no­pó­lio da SADIA, atra­vés da lei 15/2014, que abriu a por­ta a quais­quer ou­tras as­so­ci­a­ções do gé­ne­ro co­mo en­ti­da­des de ges­tão co­lec­ti­va”, res­pon­deu. “É is­to que ago­ra es­ta­mos a afi­nar, pa­ra que o sis­te­ma fun­ci­o­ne com todos os seus agen­tes”, su­bli­nhou Bar­ros Li­cen­ça. Aque­le res­pon­sá­vel do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra la­men­tou, po­rém, que as du­as en­ti­da­des de ges­tão co­lec­ti­va na­ci­o­nais [SADIA e UNAC] ain­da não es­te­jam a exer­cer a ac­ti­vi­da­de. “Por um la­do, por ques­tões in­ter­nas de or­ga­ni­za­ção e ne­ces­si­da­de de ade­qua­ção ao no­vo di­plo­ma e, por ou­tro, tam­bém por­que há uma res­pon­sa­bi­li­da­de do Es­ta­do, que tem de apro­var ta­ri­fá­rio, cu­ja pu­bli­ca­ção ain­da es­tá por acon­te­cer”, su­bli­nhou.

A ideia é, acres­cen­tou, ela­bo­rar o re­gu­la­men­to so­bre au­ten­ti­ca­ção, pro­du­ção e dis­tri­bui­ção dos bens in­te­lec­tu­ais pa­ra fins co­mer­ci­ais – li­vros, dis­cos – que, co­mo pro­du­tos, de­ve­rão ter um se­lo de cer­ti­fi­ca­ção

DI­REC­TOR NA­CI­O­NAL DOS DI­REI­TOS DE AU­TOR E CO­NE­XOS, BAR­ROS LI­CEN­ÇA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.