TODOS, JOVENS IN­CLUÍ­DOS, PO­DEM CAN­TAR E RIR

Folha 8 - - POLITICA -

João Lou­ren­ço re­a­fir­mou no dia 10 de Maio de 2017, em Lu­an­da, a sua te­se de que so­mos qua­se todos ma­tum­bos. Fê-lo ao di­zer que o MPLA vai lu­tar con­tra a cor­rup­ção, má ges­tão do erá­rio pú­bli­co e o trá­fi­co de in­fluên­ci­as, bem co­mo apos­tar na ju­ven­tu­de. João Lou­ren­ço dis­cur­sa­va no ac­to de apre­sen­ta­ção pú­bli­ca do Pro­gra­ma de Go­ver­no 2017-2022 do MPLA e do seu Ma­ni­fes­to Elei­to­ral, e su­bli­nhou que o pro­gra­ma do MPLA pa­ra os pró­xi­mos cin­co anos “é co­e­ren­te e con­sis­ten­te”, mas sa­li­en­tou que pa­ra a sua apli­ca­ção, “de mo­do efec­ti­vo e com su­ces­so”, são pre­ci­sas ins­ti­tui­ções for­tes e cre­dí­veis. Ti­nha e tem ra­zão. Pa­ra o MPLA man­ter a sua co­e­rên­cia e con­sis­tên­cia lá con­ti­nu­a­re­mos a ter An­go­la no to­po do ran­king dos paí­ses mais cor­rup­tos do mun­do, tal co­mo li­de­ra o ran­king mun­di­al da mor­ta­li­da­de infantil. “Pa­ra a efec­ti­va im­ple­men­ta­ção des­te pro­gra­ma te­mos de ter os ho­mens cer­tos nos lu­ga­res cer­tos”, re­fe­riu João Lou­ren­ço, efu­si­va­men­te aplau­di­do pe­los mi­li­tan­tes pre­sen­tes. Ain­da de acor­do com João, o MPLA vai “pro­mo­ver e es­ti­mu­lar a com­pe­tên­cia, a ho­nes­ti­da­de e en­tre­ga ao tra­ba­lho e de­sen­co­ra­jar o ‘ami­guis­mo’ e com­pa­drio no tra­ba­lho”. De fac­to, ape­sar de uma for­te con­cor­rên­cia den­tro do MPLA, João Lou­ren­ço li­de­ra as can­di­da­tu­ras ao ane­do­tá­rio mun­di­al. O seu prin­ci­pal con­tri­bu­to co­me­çou quan­do, no dia 28 de Fe­ve­rei­ro de 2017, pro­me­teu um “cer­co aper­ta­do” à cor­rup­ção, que es­tá a “cor­ro­er a so­ci­e­da­de”, e o fim da “im­pu­ni­da­de” no país. A pri­mei­ra apre­sen­ta­ção pú­bli­ca da sua can­di­da­tu­ra ao ane­do­tá­rio mun­di­al acon­te­ceu no Lu­ban­go, pe­ran­te mais de 100.000 (ou um mi­lhão) apoi­an­tes, se­gun­do nú­me­ros da or­ga­ni­za­ção, João Lou­ren­ço des­ta­cou aqui­lo que o re­gi­me sem­pre ne­gou ou mi­ni­mi­zou: que a cor­rup­ção em An­go­la é um “mal que cor­rói a so­ci­e­da­de”, pro­me­ten­do com­ba­tê-la. Em­bo­ra sai­ba que An­go­la é um dos paí­ses mais cor­rup­tos do mun­do, su­a­vi­zou a ques­tão di­zen­do que a cor­rup­ção é um fe­nó­me­no que afec­ta todos os paí­ses. João Lou­ren­ço ad­ver­tiu que o pro­ble­ma é a “for­ma” co­mo An­go­la en­ca­ra o pro­ble­ma: “Não po­de­mos é acei­tar a im­pu­ni­da­de pe­ran­te a cor­rup­ção”. Co­mo ane­do­ta pas­sou a ser sé­ria can­di­da­ta a fi­gu­rar no top da en­ci­clo­pé­dia mun­di­al que reú­ne as me­lho­res pi­a­das do mun­do on­de, aliás, fi­gu­ram mui­tas ou­tras pro­ta­go­ni­za­das por ex­cel­sos cor­re­li­gi­o­ná­ri­os de João Lou­ren­ço, com des­ta­que pa­ra sua ma­jes­ta­de o rei Jo­sé Edu­ar­do dos Santos. “O MPLA re­a­fir­ma nes­te pro­gra­ma de go­ver­na­ção o seu com­pro­mis­so na lu­ta con­tra a cor­rup­ção, con­tra a má ges­tão do erá­rio pú­bli­co e o trá­fi­co de in­fluên­ci­as”, rei­te­ra João Lou­ren­ço sem­pre que abre a bo­ca, acres­cen­tan­do que o par­ti­do con­ta com “os an­go­la­nos em­pe­nha­dos na con­cre­ti­za­ção do so­nho da cons­tru­ção de um futuro me­lhor pa­ra todos”. “Va­mos con­tar com aque­les que es­tão ver­da­dei­ra­men­te dis­pos­tos a me- lho­rar o que es­tá bem e a cor­ri­gir o que es­tá mal”, dis­se João Lou­ren­ço, ad­mi­tin­do que o “MPLA tem cons­ci­ên­cia de que mui­to ain­da há a fa­zer e que nem tu­do o que foi pro­jec­ta­do foi re­a­li­za­do co­mo pre­vis­to”. Por ou­tras pa­la­vras, se ao fim de qua­se 43 anos de poder, 16 de paz to­tal, o MPLA só con­se­guiu tra­ba­lhar pa­ra que os pou­cos que têm mi­lhões pas­sas­sem a ter mais mi­lhões, es­que­cen­do os mui­tos mi­lhões que têm pou­co… ou na­da, tal­vez se­ja pre­ci­so man­ter o re­gi­me do MPLA mais 57 anos no poder. “Con­tu­do, o país tem ru­mo e es­ta­mos no ca­mi­nho cer­to, no sen­ti­do da sa­tis­fa­ção pro­gres­si­va das as­pi­ra­ções e dos an­sei­os mais pro­fun­dos do po­vo an­go­la­no”, diz João Lou­ren­ço. Pro­va­vel­men­te, tal­vez gra­ças ao apli­ca­ti­vo “Qua­li­fi­car” se­ja pos­sí­vel ve­ri­fi­car em vez de 20 mi­lhões de po­bres An­go­la tem ago­ra ape­nas 19.999.000… Se­gun­do João Lou­ren­ço, pa­ra que todos os an­go­la­nos be­ne­fi­ci­em ca­da vez mais das ri­que­zas do país, o MPLA tem co­mo fo­co no seu pro­gra­ma de go­ver­na­ção pa­ra os pró­xi­mos cin­co anos dar con­ti­nui­da­de ao seu pro­gra­ma de com­ba­te à po­bre­za e à fo­me, bem co­mo o au­men­to da qua­li­da­de de vi­da do po­vo. Pa­ra a ju­ven­tu­de, a fran­ja da so­ci­e­da­de a quem o MPLA atri­bui “im­por­tân­cia fun­da­men­tal nos pro­ces­sos de trans­for­ma­ção po­lí­ti­ca e so­ci­al de An­go­la”, João Lou­ren­ço dis­se que vai con­ti­nu­ar “a con­tar ca­da vez mais com os jovens nas imen­sas ta­re­fas do pro­gres­so e do de­sen­vol­vi­men­to”.

MI­NIS­TRA DO EN­SI­NO SU­PE­RI­OR, CI­ÊN­CIA, TEC­NO­LO­GIA E INO­VA­ÇÃO, MA­RIA SAMBO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.