OBRI­GA­DO PRE­SI­DEN­TE ADEUS AMI­GO BEN

Folha 8 - - AQUI ESCREVO EU! -

OBen vol­tou. Ar­lin­do Chen­da Pe­na “Ben Ben”. 20 anos de­pois. Ge­ne­ral (à épo­ca do fa­tí­di­co) che­fe de Es­ta­do Mai­or Ge­ne­ral Ad­jun­to das FAA (hi­po­te­ti­ca­men­te exér­ci­to na­ci­o­nal e não do MPLA), lo­go dis­tan­te, da guer­ri­lha. Eva­cu­a­do, por do­en­ça, pa­ra a Áfri­ca do Sul vi­ria a fa­le­cer. Sen­do ci­da­dão de ple­no di­rei­to, a fa­mí­lia pen­sou em tra­zer o cor­po, co­mo acon­te­ce com qual­quer ci­da­dão, mas, ines­pe­ra­da­men­te, o re­gi­me, ve­tou a pre­ten­são. Com es­te ges­to, le­vou, tam­bém, a mor­te a mu­lher Vi­de. Apri­si­o­nar um cor­po iner­te, nu­ma câ­ma­ra fria, num país es­tran­gei­ro, não lem­bra o di­a­bo, mas de­mó­ni­os que, bo­çal­men­te, não se coi­bir de im­pu­tar, des­pe­sas ao Es­ta­do fa­ce a es­sa bes­ti­a­li­da­de, quan­do Ben Ben não ame­dron­ta­va na­da, nem nin­guém... Quan­to o país gas­tou? Quem será o res­pon­sá­vel? Por es­ta mons­tru­o­sa vi­o­lên­cia, só pos­sí­vel ser pra­ti­ca­da por men­tes sub­de­sen­vol­vi­das, de­mo­nía­cas? Não acei­to, a te­se des­te pen­sa­men­to es­tar aliado aos pre­tos, aos afri­ca­nos. Não! Sou pre­to, an­go­la­no e afri­ca­no e não pen­so, nun­ca pen­sei, nun­ca pen­sa­rei de for­ma bas­tar­da. Quem apri­si­o­na um mor­to e de­le tem me­do, não é um ser humano nor­mal. É um de­men­te, um sub­de­sen­vol­vi­do, um bas­tar­do, um, des­pre­zí­vel, na fa­ce da ter­ra. Não exis­tem jus­ti­fi­ca­ções, plau­sí­veis do MPLA pa­ra ta­ma­nha bar­ba­ri­da­de, con­tra a mu­lher, fi­lhos, mãe, ir­mãos e fa­mí­lia do ma­lo­gra­do, im­pe­din­do a re­a­li­za­ção, de acor­do com a cul­tu­ra an­go­la­na dos po­vos Ovim­bun­dus, o sa­gra­do ri­tu­al, pós - mor­te. Ho­je, quan­do o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Ma­nu­el Gon­çal­ves Lou­ren­ço se en­ga­ja na re­po­si­ção da jus­ti­ça, tra­zen­do de volta, às ex­pen­sas do Es­ta­do, o meu ami­go, ge­ne­ral Ar­lin­do Pe­na Ben Ben a ter­ra que o pa­riu, me­xeu com o meu sub­cons­ci­en­te. Me­re­ce os meus aplau­sos. Obri­ga­do Pre­si­den­te. O Se­nhor, nes­te que­si­to, agiu bem. Pa­ra­béns. O Ben Ben é meu ami­go de pei­to, lem­brar-me-ei sem­pre de­le, pois, na Jam­ba, quan­do em 1989 es­ti­ve pre­so, acu­sa­do de es­pião da KGB (Po­lí­cia Po­lí­ti­ca Russa) e da DISA (Po­lí­cia Po­lí­ti­ca do MPLA), ne­nhum dos meus ami­gos, que na al­tu­ra já es­ta­va lá, te­ve al­gum ges­to de so­li- da­ri­e­da­de. Ele, ao to­mar co­nhe­ci­men­to da si­tu­a­ção, saiu de noi­te, do seu qu­ar­tel ge­ne­ral, em Li­cua, pa­ra a Jam­ba e lá che­ga­do, an­tes mes­mo de se apre­sen­tar ao ga­bi­ne­te do en­tão al­to co­man­do e pre­si­den­te da UNI­TA, foi pa­ra o de­par­ta­men­to on­de a BRINDE (Po­lí­cia Po­lí­ti­ca da UNI­TA) me es­ta­va a in­ter­ro­gar. Cum­pri­men­tou, re­ti­rou-me da sa­la e dis­se: “se ti­ver de acon­te­cer al­gu­ma coi­sa, an­tes tens de ti­rar uma foto con­ti­go” e cha­mou a es­po­sa, a Vi­de, pa­ra pos­tar­mos os três. Me­mo­ra­vel. Foi um mo­men­to de de­sa­nu­vi­a­men­to de mi­nha par­te, e, na al­tu­ra, dei, mais uma vez, di­men­são ao con­cei­to ami­za­de, pois aque­le ac­to aju­dou a BRINDE e Sa­vim­bi, a re­fle­xão, an­tes mes­mo de ter che­ga­do, três di­as de­pois, a or­dem ex­pres­sa, do Se­cre­ta­rio de Es­ta­do e Con­gres­so ame­ri­ca­no, de­pois das di­li­gen­tes in­ter­ven­ções, a épo­ca, do di­rec­tor da Voz da Ame­ri­ca, Greg Pi­rio, pa­ra a mi­nha ime­di­a­ta li­ber­ta­ção. O que vi­ria a acon­te­cer, 24 ho­ras de­pois. A par­tir da­que­la da­ta a mi­nha ami­za­de com o Ben Ben saiu mais re­for­ça­da e pas­sei a co­brir to­das as zo­nas de con­fli­to, con­quis­ta­das pe­la UNI­TA sem res­tri­ções, ate no­vo re­en­con­tro em 15 de Maio de 1991, por in­ter­me­dio do ge­ne­ral Mac­ken­zi, nas ma­tas do Mo­xi­co, on­de vi­ría­mos a as­si­nar os pri­mei­ros Acor­dos de Paz de An­go­la, pa­ra tra­var os san­gren­tos com­ba­tes en­tre as tro­pas mi­li­ta­res das FA­LA e FAPLA, pa­ra a con­quis­ta de no­vas po­si­ções. Aos 19 de Maio de 1991, fo­ram as­si­na­dos os pri­mei­ros acor­dos de paz, en­tre os mi­li­ta­res da UNI­TA (FA­LA) e do MPLA (FAPLA), me­di­a­dos por um an­go­la­no, Wil­li­am To­net, an­tes dos Acor­dos de Bi- ces­se. Foi bo­ni­to, ver Ben Ben e Hi­gi­no Car­nei­ro, ru­bri­ca­rem os Acor­dos do Al­to Kau­an­go (Lu­e­na-mo­xi­co) de 19 pon­tos, que ins­ti­tuí­ram, pe­la pri­mei­ra vez, o te­le­fo­ne ver­me­lho en­tre os líderes: Dos San­tos-sa­vim­bi; pa­tru­lhas con­jun­tas, etc. Por tu­do is­so Ben Ben, te­nho de te di­zer, 20 anos de­pois de te­res es­ta­do pre­so (1998-2018), na Afri­ca do Sul, a man­do do re­gi­me do MPLA/DOS San­tos, mais um pou­co igua­la­ri­as Man­de­la, que fi­cou 27 anos, pa­ra per­do­a­res os teus al­go­zes. Par­te em paz, na tua mag­na­ni­mi­da­de, e re­pou­sa o bas­tan­te, na ter­ra on­de fos­te pa­ri­do e es­tão en­ter­ra­das as tu­as se­cun­di­nas, sob o olhar si­len­ci­o­so de Deus-pai e da tua vi­go­ro­sa mãe, fa­mí­lia, ami­gos e con­ter­ras. Eu ape­nas te di­go: ate bre­ve ami­go!

O JOR­NA­LIS­TA WIL­LI­AM TO­NET FOI O MEDIADOR DOS ACOR­DOS DO AL­TO KAU­AN­GO SUBSCRITOS PE­LOS GENERAIS HI­GI­NO CAR­NEI­RO E BEN BEN

WIL­LI­AM TO­NET kui­bao@hot­mail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.