“BESA FALIU POR DE­CI­SÃO PO­LÍ­TI­CA”, DIZ SOBRINHO

Folha 8 - - DESTAQUE -

Oex- pre­si­den­te da Co­mis­são Exe­cu­ti­va do Ban­co Es­pí­ri­to Santo An­go­la (BESA), o em­pre­sá­rio Ál­va­ro Sobrinho, re­ve­lou que a ins­ti­tui­ção faliu por de­ci­são po­lí­ti­ca e não por in­sol­vên­cia. Tu­do por­que os tu­ba­rões es­ta­vam qua­se to­dos lá, ac­tu­an­do co­mo se o ban­co fos­se, era mes­mo, a ca­sa da mãe Jo­a­na dos altos dig­ni­tá­ri­os do MPLA. “O ban­co faliu por de­ci­são po­lí­ti­ca, ten­do em con­ta as pes­so­as ne­le en­vol­vi­das. Por is­so, di­go que era uma de­ci­são po­lí­ti­ca”, jus­ti­fi­cou o em­pre­sá­rio no pro­gra­ma “Gran­de Entrevista” da Te­le­vi­são Pú­bli­ca de An­go­la (TPA). MEN­TI­RA! O an­ti­go go­ver­na­dor do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la, Jo­sé de Li­ma Mas­sa­no e actual Go­ver­na­dor do BNA, Jo­sé de Li­ma Mas­sa­no, dis­se , pre­ci­sa­men­te o con­trá­rio, des­men­tin­do Al­va­ro Sobrinho, que em ne­nhum mo­men­to re­co­nhe­ceu os mons­tru­o­sos er­ros eco­nó­mi­cos da sua ad­mi­nis­tra­ção. Por is­so, a re­a­li­da­de, pa­ra o BNA, de on­tem e a de ho­je, por si­nal, com o ho­mem de con­fi­an­ça de João Lou­ren­ço, ao le­me: O BESA foi a fa­lên­cia téc­ni­ca. O go­ver­no an­go­la­no te­ve de o ca­pi­ta­li­zar, pa­ra, se­gun­do jus­ti­fi­ca­ti­va, não aba­nar ain­da mais o mercado fi­nan­cei­ro an­go­la­no. Se, ago­ra Ál­va­ro Sobrinho, que tem o pre­si­den­te João Lou­ren­ço co­mo o seu he­rói e sal­va­dor, vem di­zer o con­trá­rio, mos­tra a sua fal­ta de se­ri­e­da­de, mais a mais por nun­ca ter di­to co­mo abo­ca­nhou os mi­lhões e mi­lhões que tem. Her­dou? Tra­ba­lhou? Ou, me­lhor, ROUBOU? É pre- ci­so, nesta ho­ra, pa­ra cre­di­bi­li­za­ção a ho­nes­ti­da­de e não a co­var­dia. Ál­va­ro Sobrinho ques­ti­o­nou se o BESA faliu mes­mo, por­que, no seu en­ten­der, do pon­to de vis­ta for­mal, o ban­co exis­te com ou­tra de­no­mi­na­ção (Ban­co Eco­nó­mi­co) e, do pon­to de vis­ta prá­ti­co, não hou­ve ne­nhum or­ga­nis­mo in­ter­na­ci­o­nal, in­de­pen­den­te, es­ta­tal e nem au­di­tor que de­cla­ras­se a fa­lên­cia da ins­ti­tui­ção. “O BESA foi al­vo de uma au­di­to­ria, em 2011, que não viu fa­lên­cia”, re­fe­riu o em­pre­sá­rio, sa­li­en­tan­do que a nar­ra­ti­va da in­sol­vên­cia nasceu dos ac­ci­o­nis­tas e que a si­tu­a­ção de ban­car­ro­ta não foi de­cla­ra­da pe­lo Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA), au­di­to­res da KPMG, con­se­lho fis­cal ou ou­tros re­gu­la­do­res in­ter­na­ci­o­nais. Se­gun­do Ál­va­ro Sobrinho, em 2011/2012, os re­la­tó­ri­os ela­bo­ra­dos pe­la KPMG, pa­ra efei­to de con­tas in­ter­na­ci­o­nais “stan­dard”, não apre­sen­ta­ram re­ser­vas. Em re­la­ção às con­tas do ban­co, re­fe­riu que, des­de o iní­cio da ac­ti­vi­da­de, a 24 de Ja­nei­ro de 2002, sem­pre apre­sen­tou re­sul­ta­dos lí­qui­dos po­si­ti­vos até à sua saí­da em 2012. Em 2010, sus­ten­tou, o BESA foi o ban­co que ul­tra­pas­sou pe­la pri­mei­ra vez a fas­quia dos 400 mi­lhões de dó­la­res (341,8 mi­lhões de eu­ros) de re­sul­ta­dos lí­qui­dos po­si­ti­vos e que, quan­do foi afas­ta­do, era o ban­co com mai­or ac­ti­vo do mercado, com mais de 10 mi­lhões de dó­la­res (8,5 mi­lhões de eu­ros) de ac­ti­vos de fun­do. Nes­se pe­río­do, dis­se o ex-pre­si­den­te do BESA, ain­da con­ce­de­ram em­prés­ti­mos no va­lor de 5.700 mi­lhões de dó­la­res (4.880 mi­lhões de eu­ros), ten­do-se ela­bo­ra­do uma lis­ta de 30 fi­gu­ras con­si­de­ra­das mai­o­res de­ve­do­res, re­pre­sen­tan­do um to­tal de 80% da car­tei­ra de cré­di­tos. Es­ses de­ve­do­res eram man­da­dos ao ban­co pe­las au­to­ri­da­des aos prin­ci­pais ac­ci­o­nis­tas. A fir­ma Ge­ni, re­pre­sen­ta­da pe­lo ge­ne­ral Le­o­pol­di­no do Nas­ci­men­to, Ma­nu­el Vi­cen­te, em re­pre­sen­ta­ção do ex-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, o ex-mi­nis­tro de Es­ta­do e che­fe da Ca­sa Mi­li­tar Hélder Vi­ei­ra Di­as “Ko­pe­li­pa” (pe­la com­pa­nhia Port­mill), o ex-pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, Pau­lo Cas­so­ma (Pre­si­den­te de Me­sa da As­sem­bleia) e Ricardo Sal­ga­do, pe­lo Ban­co Es­pí­ri­to Santo (Por­tu­gal) eram os prin­ci­pais ac­ci­o­nis­tas, se­gun­do Ál­va­ro Sobrinho. Na entrevista, re­fe­riu que, de­pois do seu afas­ta­men­to do ban­co, em 2012, por ne­gar as­su­mir a cul­pa da si­tu­a­ção de fa­lên­cia a si im­pu­ta­da pe­los ac­ci­o­nis­tas, a 31 de De­zem­bro de 2013, o Es­ta­do an­go­la­no con­ce­deu uma ga­ran­tia so­be­ra­na de 7.000 mi­lhões de dó­la­res (qua­se 6.000 mi­lhões de eu­ros), sen­do uma de­ci­são po­lí­ti­ca, sob a jus­ti­fi­ca­ção de que ser­vi­ria pa­ra im­pul­si­o­nar a eco­no­mia na­ci­o­nal, on­de a So­nan­gol apa­re­ceu co­mo a prin­ci­pal ac­ci­o­nis­ta. Ál­va­ro Sobrinho ne­gou tam­bém que te­nha “des­vi­a­do” do BESA 700 mi­lhões de dó­la­res (cer­ca de 600 mi­lhões de eu­ros). Dis­se tam­bém que a actual re­la­ção com Ricardo Sal­ga­do é “má” – “fo­ram mui­tos os in­sul­tos que me di­ri­giu” – e que com os res­tan­tes co­le­gas da ad­mi­nis­tra­ção de en­tão não tem qual­quer li­ga­ção – “nem boa nem má”. A fa­lên­cia do BESA foi ofi­ci­al­men­te de­cla­ra­da a 14 de Ou­tu­bro de 2014. Na al­tu­ra ti­nha 34 agên­ci­as. A 3 des­te mês, tam­bém em de­cla­ra­ções à TPA, Ál­va­ro Sobrinho de­nun­ci­ou es­tar a ser per­se­gui­do em paí­ses on­de “quer que in­vis­ta”, em­bo­ra não te­nha apon­ta­do no­mes. Em Agos­to, Ál­va­ro Sobrinho foi in­ter­ro­ga­do nas Ilhas Mau­rí­ci­as por uma co­mis­são in­de­pen­den­te an­ti­cor­rup­ção so­bre os seus in­ves­ti­men­tos na­que­le país e re­la­ções com o po­der po­lí­ti­co, que te­rão le­va­do à re­nún­cia da en­tão Pre­si­den­te Ame­e­nah Gu­rib-fa­kim, em Mar­ço. Nas de­cla­ra­ções à TPA, Ál­va­ro Sobrinho, vol­tou a ga­ran­tir que vai de­sin­ves­tir nas Ilhas Mau­rí­ci­as e in­ves­tir em An­go­la, país on­de ga­ran­te ter ne­gó­ci­os re­le­van­tes e que ofe­re­ce gran­des opor­tu­ni­da­des de in­ves­ti­men­to. Por ou­tro la­do, des­car­tou qual­quer en­vol­vi­men­to na uti­li­za­ção, pe­la Pre­si­den­te Ame­e­nah Gu­rib-fa­kim, do car­tão de cré­di­to pla­ti­na, da Fun­da­ção Bill & Me­lin­da Ga­tes, pa­ra uso pes­so­al, e que le­vou à re­nún­cia da Che­fe de Es­ta­do das Mau­rí­ci­as. Se­gun­do Ál­va­ro Sobrinho, quan­do foi de­tec­ta­da a uti­li­za­ção do car­tão de cré­di­to pa­ra “coi­sas pró­pri­as”, Ame­e­nah Gu­rib-fa­kim pe­diu des­cul­pas e re­em­bol­sou o di­nhei­ro à Fun­da­ção. “Não foi o Ál­va­ro Sobrinho que deu o car­tão, foi uma Fun­da­ção que tem o pres­tí­gio de Bill & Me­lin­da Ga­tes”, ex­pli­cou.

EX-PRE­SI­DEN­TE DA CO­MIS­SÃO EXE­CU­TI­VA DO BAN­CO ES­PÍ­RI­TO SANTO AN­GO­LA (BESA), ÁL­VA­RO SOBRINHO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.