A POR­TU­GAL BASTARÁ SER PROTECTORADO DE AN­GO­LA?

Folha 8 - - DESTAQUE - TEX­TO DE ORLANDO CAS­TRO

Por­tu­gal pa­re­ce ter des­co­ber­to, nos di­as 17 e 18.09, em Lu­an­da, que em ma­té­ria afri­ca­na vai nu. Mas vai nu há já mui­to tem­po. Há mais de dez anos que nós, aqui no Fo­lha 8, afir­ma­mos is­so mes­mo. No en­tan­to, hon­ra lhe se­ja fei­ta, foi pre­ci­so João Lou­ren­ço ir à Eu­ro­pa sem in­cluir Por­tu­gal, pa­ra que os po­lí­ti­cos de Lis­boa acor­das­sem. Se é que acor­da­ram mes­mo.

“O pro­ble­ma é que du­ran­te mui­to tem­po Por­tu­gal olhou só pa­ra a Eu­ro­pa e o Bra­sil olhou pa­ra o mun­do in­tei­ro”, dis­se em tem­pos (na al­tu­ra ain­da era bes­ti­al e não bes­ta) o ex-presidente bra­si­lei­ro, Lu­la da Sil­va, nu­ma la­pi­dar in­ter­pre­ta­ção so­bre o país que deu luz ao mun­do mas que pas­sou a so­bre­vi­ver à luz de um can­de­ei­ro apa­ga­do. Na nos­sa pers­pec­ti­va (re­pe­ti­da ve­zes sem con­ta ao lon­go dos anos), Por­tu­gal es­tá há mui­to tem­po (há de­ma­si­a­do tem­po) ador­me­ci­do com o so­nho eu­ro­peu, es­que­cen­do que a sua His­tó­ria es­tá tam­bém e so­bre­tu­do em Áfri­ca. Ou se­ja, o pre­sen­te (já com chei­ro a pas­sa­do e que de­ve­ria, es­se sim, es­tar no mu­seu) é em Bru­xe­las mas o fu­tu­ro se­rá cer­ta­men­te em Lu­an­da ou Ma­pu­to. Quan­do Lis­boa acor­dar vai ter um enor­me pe­sa­de­lo. De uma for­ma ge­ral, Por­tu­gal con­ti­nua a va­lo­ri­zar o aces­só­rio e a su­bes­ti­mar o es­sen­ci­al, se­ja qual for o go­ver­no. Por is­so, jul­ga que o idi­o­ma (eu a lín­gua, se se pre­fe­rir) é al­go que não pre­ci­sa de ser ali­men­ta­do, que não pre­ci­sa de ser va­lo­ri­za­do. É pena. A tal Lu­so­fo­nia já não pre­ci­sa de re­tro­vi­sor pa­ra ver os seus prin­ci­pais con­cor­ren­tes. Eles, a Fran­co­fo­nia, a Com­monwe­alth, a “Chi­no­fo­nia”, já es­tão mui­to à fren­te. Mui­to mes­mo. Em vez de se po­ten­ci­ar a lín­gua co­mo o prin­ci­pal elo de li­ga­ção, co­mo fac­tor de­ci­si­vo de to­das as ou­tras ver­ten­tes da so­ci­e­da­de glo­ba­li­za­da, Por­tu­gal pensa que es­sa é uma vi­tó­ria eter­na. E não é. Aper­ce­ben­do-se que não é, Lis­boa op­tou no ca­so de An­go­la por uma es­tra­té­gia de ba­ju­la­ção e sub­ser­vi­ên­cia, “rei­vin­di­can­do” um es­ta­tu­to de protectorado. Lu­an­da diz que sim mas vem ne­go­ci­an­do a sé­rio com ou­tros, da Ale­ma­nha à Rús­sia, da Fran­ça à Chi­na. No seio da Eu­ro­pa, Por­tu­gal não es­tá a cres­cer. Es­tá a aguen­tar-se mal e, em­bo­ra ain­da não as­si­na­da, a cer­ti­dão de óbi­to já es­tá pas­sa­da. Ape­nas is­so. E até mes­mo em ma­té­ria cul­tu­ral po­de­ria dar, ou vol­tar a dar, luz ao mun­do. No en­tan­to con­ti­nua a olhar pa­ra o um­bi­go. Nas co­mu­ni­da­des de ori­gem por­tu­gue­sa, as no­vas ge­ra­ções pou­co ou na­da fa­lam por­tu­guês. Nos PALOP (Paí­ses Afri­ca­nos de Lín­gua Ofi­ci­al Por­tu­gue­sa) as­sis­te-se ao legítimo pro­li­fe­rar dos di­a­lec­tos lo­cais e ao ga­lo­pan­te êxito do in­glês. O Por­tu­guês ten­de­rá (se na­da for fei­to, se tu­do con­ti­nu­ar na mes­ma) a ser ape­nas uma lín­gua re­si­du­al. Ao con­trá­rio do que fa­zem fran­ce­ses e in­gle­ses, os por­tu­gue­ses têm por há­bi­to dei­xar pa­ra ama­nhã o que de­ve­ri­am ter

fei­to an­te­on­tem. Não exis­te, na lín­gua co­mo nou­tros sec­to­res, uma con­ju­ga­ção es­tra­té­gi­ca de ob­jec­ti­vos. Ca­da um re­ma pa­ra o seu la­do e, é cla­ro, as­sim o bar­co co­mum (a Lu­so­fo­nia) não che­ga a ne­nhum por­to. Há pro­jec­tos so­bre­pos­tos, e mui­tas áre­as on­de nin­guém che­ga. Nin­guém não é ver­da­de. Che­gam os in­gle­ses, os fran­ce­ses, os nor­te-ame­ri­ca­nos, os chi­ne­ses. A CPLP (Co­mu­ni­da­de de Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa) de­ve­ria ser o or­ga­nis­mo que, por ex­ce­lên­cia, po­de­ria di­vul­gar a lín­gua. Es­tá, con­tu­do, ador­me­ci­da. Quan­do acor­dar ve­rá que a Lu­so­fo­nia já mor­reu… É cla­ro que o fu­tu­ro de Por­tu­gal pas­sa ne­ces­sa­ri­a­men­te por Áfri­ca. Acon­te­ce que, nes­ta al­tu­ra, a União Eu­ro­peia mas so­bre­tu­do a Ale­ma­nha con­ti­nua a di­tar as re­gras. E, ao con­trá­rio de ou­tros tem­pos, Lis­boa não es­tá in­te­res­sa­da em dar luz ao mun­do. Ao con­trá­rio de mui­tos ou­tros paí­ses que es­tão na UE mas tam­bém em Áfri­ca. Mas não só. Ou se­ja, a Chi­na, por exem­plo, es­tá a pre­pa­rar mui­tos dos seus me­lho­res qua­dros pa­ra que do­mi­nem a lín­gua por­tu­gue­sa. Fa­zem-no pa­ra con­quis­tar os mer­ca­dos lusófonos. Na­da mais do que is­so. De uma for­ma ge­ral, to­dos (mais uns do que ou­tros, im­por­ta di­zê-lo) con­ti­nu­am à es­pe­ra que o bur­ro apren­da a vi­ver sem co­mer. Mas, quan­do olha­rem pa­ra o la­do, vão ver que quan­do o bur­ro es­ta­va qua­se a sa­ber vi­ver sem co­mer… mor­reu. Acres­ce que Por­tu­gal ain­da não per­ce­beu que foi o «pai» mas que os «fi­lhos» já são in­de­pen­den­tes. Os paí­ses afri­ca­nos ain­da não com­pre­en­de­ram que o «pai» er­rou em mui­tas coi­sas mas que não é por is­so que dei­xou de ser «pai». A Lu­so­fo­nia, es­sa re­a­li­da­de que em mui­to ul­tra­pas­sa os 250 mi­lhões de ci­da­dãos em to­dos os can­tos do pla­ne­ta, pa­re­ce con­de­na­da a ser ul­tra­pas­sa­da, ou até mes­mo ani­qui­la­da. Pa­ra­fra­se­an­do Luís de Ca­mões, em por­tu­guês se can­ta(va) o pei­to ilus­tre lu­si­ta­no e, na prá­ti­ca, im­por­ta re­cor­dar que a ele obe­de­ce­ram Nep­tu­no e Mar­te. Além dis­so, im­por­ta di­zê-lo, man­da ces­sar (se pa­ra tal to­dos os lusófonos ti­ve­rem en­ge­nho e ar­te) «tu­do o que a Mu­sa an­ti­ga can­ta». Quan­do se­rá que, de for­ma cons­ci­en­te e con­sis­ten­te, Por­tu­gal en­ten­de­rá que «ou­tro va­lor mais al­to se ale­van­ta»? Por cul­pa (mes­mo que in­cons­ci­en­te) dos pou­cos que não vi­vem pa­ra ser­vir e que, por is­so, não ser­vem pa­ra vi­ver, con­ti­nu­am os mi­lhões que se en­ten­dem em por­tu­guês a co­mer e a ca­lar, amor­da­ça­dos pe­la mes­qui­nhez dos que se jul­gam de­ten­to­res da ver­da­de. É cla­ro que, co­mo em tu­do na vi­da, não fal­ta­rão os que di­rão que não é pos­sí­vel en­tre­gar a car­ta a Gar­cia. Di­rão is­so e, ao mes­mo tem­po, apon­ta­rão a va­le­ta mais pró­xi­ma. A His­tó­ria do Mun­do des­men­te-os. A His­tó­ria de Por­tu­gal des­men­te-os. Além dis­so, não cus­ta ten­tar o im­pos­sí­vel, des­de lo­go por­que o pos­sí­vel fa­ze­mos qua­se to­dos nós to­dos os di­as. Mas não se­rá com es­ses que se fa­rá a His­tó­ria da Lu­so­fo­nia ape­sar de, re­co­nhe­ce­mos, mui­tos de­les tei­ma­rem em flu­tu­ar ao sa­bor de in­te­res­ses mes­qui­nhos e de cau­sas que só se con­ju­gam na pri­mei­ra pes­soa do sin­gu­lar. Pa­ra nós a Lu­so­fo­nia de­ve­ria ser um de­síg­nio de to­dos os que fa­lam por­tu­guês, a co­me­çar por Por­tu­gal. De­fen­der es­ta te­se é, pro­va­vel­men­te, pre­gar pa­ra os pei­xes. Mas va­le a pena con­ti­nu­ar a lu­tar. Lu­tar sem­pre, ape­sar da in­di­fe­ren­ça de (qua­se) to­dos os que po­di­am, e de­vi­am, aju­dar a Lu­so­fo­nia. Se­rá des­ta? Não cre­mos. Até ago­ra con­ti­nu­am a ser mais os exem­plos dos que em vez de pri­vi­le­gi­a­rem a com­pe­tên­cia pre­fe­rem a sub­ser­vi­ên­cia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.