AS (IN)FOR­MAIS LI­ÇÕES DO SE­NHOR COS­TI­NHA

Folha 8 - - DESTAQUE -

Opri­mei­ro­mi­nis­tro por­tu­guês , António Cos­ta, qu­er pôr tu­do e to­dos no mu­seu. An­tes que o po­nham a ele. No dia 18.09, em Lu­an­da, dei­tou uns bi­tai­tes so­bre o Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal que – por obra e gra­ça do seu en­tão men­tor po­lí­ti­co, Jo­sé Só­cra­tes – as­si­nou um pro­gra­ma de res­ga­te com Por­tu­gal, di­zen­do que o FMI “já não é o de ho­je”, pois “apren­deu” com o exem­plo por­tu­guês “que há coi­sas que não de­vem ser fei­tas”. “An­go­la não é Por­tu­gal e é na­tu­ral que os pro­gra­mas se­jam dis­tin­tos, as­sim co­mo tam­bém o FMI que as­si­nou um acor­do com Por­tu­gal já não é o FMI que é ho­je, por­que tam­bém apren­deu se­gu­ra­men­te com o pro­gra­ma por­tu­guês que há coi­sas que não de­vem ser fei­tas”, afir­mou António Cos­ta. Des­ta for­ma, o pri­mei­ro-mi­nis­tro por­tu­guês con­cluiu uma res­pos­ta do Presidente angolano, João Lou­ren­ço, que fo­ra in­ter­pe­la­do pe­los jor­na­lis­tas so­bre se as ne­go­ci­a­ções em cur­so com o FMI cons­ti­tu­em ou não um pro­gra­ma de res­ga­te eco­nó­mi­co de An­go­la. A ques­tão foi des­ti­na­da a es­cla­re­cer as pa­la­vras di­tas por João Lou­ren­ço du­ran­te a vi­si­ta ofi­ci­al que efec­tu­ou em Agos­to úl­ti­mo à Ale­ma­nha, em que afir­mou que o pe­di­do de as­sis­tên­cia fi­nan­cei­ra fei­to por Lu­an­da ao FMI não era igual ao de Por­tu­gal. A 24 de Agos­to, o mi­nis­tro das Fi­nan­ças angolano, Ar­cher Man­guei­ra, afir­mou que An­go­la vai dis­cu­tir com o FMI um pro­gra­ma de fi­nan­ci­a­men­to am­pli­a­do no va­lor de 4,5 mil mi­lhões de dó­la­res (3,91 mil mi­lhões de eu­ros), no qua­dro da as­sis­tên­cia fi­nan­cei­ra so­li­ci­ta­da pe­lo Exe­cu­ti­vo angolano, Se­gun­do Ar­cher Man­guei­ra, ca­so An­go­la che­gue a uma con­clu­são com a ins­ti­tui­ção de Bret­ton Wo­ods, o mon­tan­te se­rá dis­po­ni­bi­li­za­do em três tran­ches de 1,5 mil mi­lhões de dó­la­res (1,3 mil mi­lhões de eu­ros) por ano, com vis­ta à exe­cu­ção do Pro­gra­ma de Es­ta­bi­li­za­ção Ma­cro­e­co­nó­mi­ca (PEM) de­fi­ni­do pe­lo Go­ver­no angolano. As ne­go­ci­a­ções nes­se sen­ti­do co­me­ça­rão em Lu­an­da a par­tir de Outubro. “[Du­ran­te a vi­si­ta à Ale­ma­nha] es­ta­va a fa­lar so­bre­tu­do pa­ra o in­te­ri­or de An­go­la, on­de, du­ran­te mui­tos anos ha­via, e, se ca­lhar, em cer­ta me­di­da, ain­da exis­te, al­gum te­mor pe­lo FMI. Há anos atrás, fa­lar-se do FMI em An­go­la era al­go que sus­ci­ta­va al­guns te­mo­res”, re­fe­riu João Lou­ren­ço. “O que eu pre­ten­dia di­zer, na al­tu­ra, é que se o pro­gra­ma com Por­tu­gal foi o de um res­ga­te, o pro­gra­ma que es­ta­mos ac­tu­al­men­te a ne­go­ci­ar com o FMI não é um pro­gra­ma de res­ga­te, é um pro­gra­ma di­fe­ren­te. Se ha­via te­mo­res de que nós as­si­nás­se­mos um pro­gra­ma de res­ga­te, o que eu que­ria di­zer aos an­go­la­nos é que não era um pro­gra­ma de res­ga­te a exem­plo do que acon­te­ceu com Por­tu­gal e com a Gré­cia”, ex­pli­cou João Lou­ren­ço ao ter­mi­nar a res­pos­ta, ao que se su­ce­deu o co­men­tá­rio de Cos­ta.

PRI­MEI­RO-MI­NIS­TRO POR­TU­GUÊS, ANTÓNIO COS­TA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.