MAR­CE­LO, MAR­CE­LO, MAR­CE­LO

Folha 8 - - DESTAQUE -

O Presidente da Re­pú­bli­ca de Por­tu­gal, Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa, re­ce­beu em Ju­lho o mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res angolano, a pe­di­do des­te, e con­si­de­rou que as re­la­ções bi­la­te­rais com An­go­la es­ta­vam “num mo­men­to mui­to bom”. So­bre a au­di­ên­cia, Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa dis­se que acon­te­ceu a pe­di­do de Ma­nu­el Au­gus­to, no qua­dro da pre­pa­ra­ção de um fó­rum Eu­ro­pa-áfri­ca que en­vol­ve o Con­se­lho da Diás­po­ra Por­tu­gue­sa, do qual é presidente ho­no­rá­rio. “A ex­pli­ca­ção é mui­to sim­ples. O se­nhor mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res de An­go­la vem pa­ra uma reu­nião no qua­dro de uma ins­ti­tui­ção que é pa­tro­ci­na­da pe­lo Presidente da Re­pú­bli­ca, que é o Con­se­lho da Diás­po­ra, que vai or­ga­ni­zar uma reu­nião pre­pa­ra­tó­ria de um fó­rum Eu­ro­pa-áfri­ca”, jus­ti­fi­cou. “Sen­do uma ini­ci­a­ti­va que tem a ver com a Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, pe­diu au­di­ên­cia, e eu te­nho um pra­zer mui­to gran­de em es­tar com o se­nhor mi­nis­tro”, acres­cen­tou. In­ter­ro­ga­do se nes­se en­con­tro fi­ca­ria acer­ta­da a da­ta da sua vi­si­ta a An­go­la, res­pon­deu: “Eu não sei. O se­nhor mi­nis­tro pe­diu pa­ra fa­lar co­mi­go, mas não é pro­vá­vel. Is­so é de­ci­di­do en­tre go­ver­nos”. Em­bo­ra te­nham si­do di­tas em Agos­to de 2017, é opor­tu­no re­cor­dar as pa­la­vras de João Paulo Ba­ta­lha, Presidente da Trans­pa­rên­cia e In­te­gri­da­de, ao Fo­lha 8: “O co­ro­lá­rio des­ta cri­a­da­gem sa­bu­ja é a no­ta de du­as li­nhas (en­ver­go­nha­da mas di­li­gen­te) pu­bli­ca­da pe­lo Presidente da Re­pú­bli­ca de Por­tu­gal, Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa, con­gra­tu­lan­do João Lou­ren­ço por uma vi­tó­ria que, rou­bo à par­te, nem se­quer foi ain­da for­mal­men­te anun­ci­a­da. A mi­nha ver­go­nha co­mo cidadão por­tu­guês não po­de ho­je com­pa­rar-se ao jus­ti­fi­ca­do or­gu­lho cí­vi­co do po­vo angolano”. Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa, presidente (no­mi­nal­men­te elei­to) de Por­tu­gal en­con­trou-se no dia 5 de Agos­to de 2016, no Bra­sil, com o vi­ce-presidente de An­go­la, Ma­nu­el Vi­cen­te, e com o mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res de An­go­la, Ge­or­ges Chi­ko­ti, e o embaixador de An­go­la no Bra­sil, Nel­son Cos­me. Co­mo se sa­be e co­mo, aliás, já aqui foi es­cri­to, Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa é o po­lí­ti­co por­tu­guês mais ha­bi­li­ta­do (a par do pri­mei­ro-mi­nis­tro António Cos­ta) pa­ra não só ci­men­tar co­mo tam­bém alar­gar as re­la­ções de ba­ju­la­ção e ser­vi­lis­mo com o re­gi­me do MPLA. Mar­ce- lo sa­be que – do pon­to de vis­ta ofi­ci­al – An­go­la (ain­da) é o MPLA, e que o MPLA (ain­da) é An­go­la. Por­tan­to… An­go­la é um dos paí­ses lusófonos com a mai­or ta­xa de mor­ta­li­da­de in­fan­til e ma­ter­na e de gra­vi­dez na ado­les­cên­cia, se­gun­do as Na­ções Uni­das. Mas o que é que is­so im­por­ta a Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa, António Cos­ta, Rui Rio ou As­sun­ção Cris­tas? Aliás, mui­tos dos an­go­la­nos (70% da po­pu­la­ção vi­ve na mi­sé­ria) que ra­ra­men­te sa­bem o que é uma re­fei­ção, po­de­rão cer­ta­men­te ali­men­tar-se com o fac­to de as­sis­ti­rem um dia des­tes, ao vi­vo e a co­res, ao bei­ja-mão de Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa ao “que­ri­do lí­der” (ver­são II). É cla­ro que, se­gun­do a bi­to­la de Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa, con­ti­nua a ha­ver bons e maus di­ta­do­res. Mu­am­mar Kadha­fi pas­sou a ser mau e Edu­ar­do dos San­tos tam­bém João Lou­ren­ço já é ex­ce­len­te. E que mais po­dem que­rer os ba­ju­la­do­res que en­xa­mei­am os areó­pa­gos po­lí­ti­cos de Lis­boa? Nin­guém per­gun­tou a António Cos­ta (e tam­bém nin­guém o fa­rá a Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa) o que pensa des­sa far­sa a que se cha­ma de­mo­cra­cia e Es­ta­do de Di­rei­to em An­go­la? Não. Bas­ta ver que, mes­mo an­tes de ser de­cla­ra­do ven­ce­dor das elei­ções do dia 23 de Agos­to de 2017, já João Lou­ren­ço era fe­li­ci­ta­do pe­lo Presidente da Re­pú­bli­ca de Por­tu­gal. En­tre­tan­to, con­vém ex­pli­car a ra­zão pe­la qual António Cos­ta pas­sou re­vis­ta à Guar­da Mi­li­tar que o hon­rou no ae­ro­por­to de Lu­an­da usan­do cal­ças de gan­ga. É que, na viagem, o mes­tre de ce­ri­mó­ni­as do Go­ver­no por­tu­guês, Au­gus­to San­tos Sil­va, es­te­ve a ex­pli­car a António Cos­ta al­gu­mas coi­sas so­bre An­go­la e Áfri­ca, no­me­a­da­men­te o sig­ni­fi­ca­do da pa­la­vra “gan­ga”. Pa­ra além de ser um “te­ci­do vul­gar, ge­ral­men­te azul ou ama­re­lo”, ou um “te­ci­do for­te e re­sis­ten­te de fi­os de al­go­dão en­tran­ça­dos, ge­ral­men­te tin­gi­dos de azul”, tam­bém po­de sig­ni­fi­car “in­sig­ni­fi­cân­cia, ba­ga­te­la, mi­mo, afa­go” Mas, co­mo se sa­be, a cul­tu­ra do mes­tre de ce­ri­mó­ni­as é uma au­tên­ti­ca en­ci­clo­pé­di­ca, pe­lo que António Cos­ta fi­cou tam­bém a sa­ber que “gan­ga” po­de sig­ni­fi­car “ins­tru­men­to de su­plí­cio, de ori­gem chi­ne­sa, que con­tém um ori­fí­cio pa­ra o pes­co­ço do su­pli­ci­a­do, sa­cer­do­te gen­tio do Con­go, fei­ti­cei­ro em An­go­la” e até uma “es­pé­cie de ri­no­ce­ron­te afri­ca­no”. No meio de tan­ta in­for­ma­ção, não se sa­be qual o sig­ni­fi­ca­do que foi de­ci­si­vo na es­co­lha de António Cos­ta. Cá pa­ra nós foi a do fei­ti­cei­ro…

MI­NIS­TRO DOS NE­GÓ­CI­OS ES­TRAN­GEI­ROS, SAN­TOS SIL­VA, COM O MI­NIS­TRO DAS RE­LA­ÇÕES EX­TE­RI­O­RES MA­NU­EL DO­MIN­GOS AU­GUS­TO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.