DI­VÓR­CIO FOI SÓ TEM­PO­RÁ­RIO

Folha 8 - - DESTAQUE -

OJor­nal de An­go­la, ór­gão do MPLA, de­di­cou no dia 18.09 um editorial em que des­ta­ca a “no­va era” nas re­la­ções com Por­tu­gal, de­pois de um pas­sa­do com um “di­vór­cio tem­po­rá­rio” que ser­viu pa­ra evi­den­ci­ar “mais as des­van­ta­gens que as van­ta­gens do dis­tan­ci­a­men­to”. A pro­var a re­con­ci­li­a­ção, o Presidente João Lou­ren­ço afir­mou que os in­ves­ti­men­tos di­rec­tos por­tu­gue­ses em to­dos os sec­to­res em An­go­la são “bem-vin­dos” e que Por­tu­gal po­de as­su­mir um pa­pel re­le­van­te no de­sen­vol­vi­men­to dos dois paí­ses. In­ti­tu­la­do “As Re­la­ções Por­tu­gal-an­go­la”, o editorial re­fe­re que, em­bo­ra na ac­tu­a­li­da­de os la­ços po­lí­ti­cos “não se­jam de­ter­mi­nan­tes” en­tre os Es­ta­dos, a nor­ma­li­za­ção das re­la­ções po­lí­ti­cas “re­pre­sen­tam uma es­pé­cie de ‘ al­fa e óme­ga’ pa­ra que se es­tru­tu­re e se for­ta­le­çam os de­mais vín­cu­los”. De­pois de “um pas­sa­do re­cen­te em que o ‘di­vór­cio tem­po­rá­rio’ en­tre Lu­an­da e Lis­boa ser­viu pa­ra evi­den­ci­ar mais as des­van­ta­gens do que as van­ta­gens do dis­tan­ci­a­men­to, as du­as par­tes ga­nham tem­po ago­ra com a re­no­va­ção de com­pro­mis­sos ao mais al­to ní­vel. E is­to é bom pa­ra An­go­la, tan­to quan­to pa­ra Por­tu­gal”, es­cre­ve-se no editorial. Pa­ra o jor­nal do MPLA, é tam­bém “im­por­tan­te” re­ter o fac­to de que a ges­tão do que as au­to­ri­da­des por­tu­gue­sas con­si­de­ra­vam co­mo “ir­ri­tan­te” ter si­do fei­ta “sem o agra­va­men­to das re­la­ções bi­la­te­rais”, nu­ma re­fe­rên­cia às acu- sa­ções ju­di­ci­ais con­tra – na al­tu­ra do fac­tos – o PCA da So­nan­gol e que de­pois vi­ria a ser vi­ce-presidente angolano, Ma­nu­el Vi­cen­te, que fo­ram trans­fe­ri­das da jus­ti­ça por­tu­gue­sa pa­ra a es­pé­cie de jus­ti­ça an­go­la­na (que é ape­nas do MPLA) em Ju­nho. “Es­sa é uma das no­tas po­si­ti­vas que mar­cou as de­sa­ven­ças, mais na po­lí­ti­ca do que nou­tras es­fe­ras, que en­vol­ve­ram as au­to­ri­da­des po­lí­ti­cas an­go­la­nas e por­tu­gue­sa, que sou­be­ram sem­pre pre­ser­var o que de­mais útil, se­cu­lar e es­tra­té­gi­co une os dois paí­ses”, con­si­de­ra o jor­nal. Pa­ra o pas­sa­do, pros­se­gue o tex­to, ficam si­tu­a­ções que se­rão ana­li­sa­das por his­to­ri­a­do­res, pes­qui­sa­do­res e es­tu­dan­tes e, ao con­trá­rio do Jor­nal de An­go­la, tam­bém pe­los Jor­na­lis­tas que te­nham me­mó­ria. O en­con­tro en­tre as du­as de­le­ga­ções e a au­di­ên- cia que o Presidente da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço con­ce­de ao che­fe do Go­ver­no por­tu­guês, António Cos­ta “cons­ti­tu­em os pon­tos al­tos des­ta im­por­tan­te vi­ra­gem de pá­gi­na” nas re­la­ções en­tre os dois paí­ses”. “É ex­pec­ta­ti­va ge­ne­ra­li­za­da que, além dos ape­los ha­bi­tu­ais pa­ra a com­pre­en­são e res­pei­to mú­tu­os, os acor­dos que ve­nham a ser as­si­na­dos sir­vam pa­ra fa­zer avan- çar os dois Es­ta­dos na ba­se das van­ta­gens re­cí­pro­cas. Co­mo ti­nha de­fen­di­do, há mais de dez anos, o an­ti­go pri­mei­ro mi­nis­tro por­tu­guês António Gu­ter­res, é pre­ci­so que os la­ços eco­nó­mi­cos e co­mer­ci­ais en­tre os dois paí­ses ‘trans­cen­dam a sim­ples ma­te­ri­a­li­za­ção de ne­gó­ci­os de cir­cuns­tân­cia’”, su­bli­nha o jor­nal do MPLA. “Ho­je, An­go­la pre­ci­sa de in­ves­ti­men­tos no seu sec­tor pro­du­ti­vo, ne­ces­si­ta de trans­fe­rên­cia de ‘know-how’ até on­de os de­sa­fi­os se mul­ti­pli­cam, e na­da me­lhor do que con­tar com os Es­ta­dos e en­ti­da­des, pú­bli­cas e pri­va­das, que co­nhe­çam me­lhor o país. An­go­la não po­de trans­for­mar-se ape­nas nu­ma es­pé­cie de pla­ta­for­ma pa­ra vi­a­bi­li­zar as ex­por­ta­ções de bens e ser­vi­ços no país, sob pena de con­tri­buir pa­ra a con­tí­nua ex­por­ta­ção de mão-de-obra”, sus­ten­ta-se no editorial do JA. Pa­ra o au­tor, é “opor­tu­na” a as­si­na­tu­ra de acor­dos que ve­nham in­ci­dir na in­vi­a­bi­li­za­ção da eva­são fis­cal, que con­tri­bu­am pa­ra o com­ba­te à cor­rup­ção, en­tre ou­tros, co­mo de­ve­rá su­ce­der, em prin­cí­pio, com a rubrica do com­pro­mis­so pa­ra evi­tar a du­pla tri­bu­ta­ção. “Em su­ma, es­pe­ra­mos to­dos que o Pro­gra­ma Es­tra­té­gi­co de Co­o­pe­ra­ção re­for­ce a di­men­são es­tra­té­gi­ca e di­ver­si­fi­que as áre­as de in­ter­câm­bio, en­vol­ven­do sec­to­res tra­di­ci­o­nais co­mo a Saú­de e Edu­ca­ção, se efec­ti­ve sem­pre nos mar­cos do res­pei­to mú­tuo, da re­ci­pro­ci­da­de de van­ta­gens, da pro­tec­ção dos in­ves­ti­men­tos e da não in­ter­fe­rên­cia nos as­sun­tos in­ter­nos”, con­clui o Jor­nal de An­go­la.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.