PA­RA POR­TU­GAL, CA­BIN­DA É APE­NAS O QUE O MPLA QUI­SER

Folha 8 - - POLITICA -

Omo­vi­men­to in­de­pen­den­tis­ta de Ca­bin­da con­vi­dou no pas­sa­do dia 16.09 o pri­mei­ro-mi­nis­tro por­tu­guês, que che­gou no dia se­guin­te a Lu­an­da, a vi­si­tar o ter­ri­tó­rio en­cra­va­do na Rd­con­go, in­di­ca­va um co­mu­ni­ca­do da FLEC/FAC. Co­mo António Cos­ta só faz o que João Lou­ren­ço qu­er, a even­tu­al vi­si­ta fi­ca­rá sem efei­tos du­ran­te o tem­po em que o MPLA for go­ver­no. No do­cu­men­to, a Di­rec­ção Po­lí­ti­co-mi­li­tar da Fren­te de Li­ber­ta­ção do Es­ta­do de Ca­bin­da – For­ças Ar­ma­das de Ca­bin­da (FLEC/FAC) adi­an­ta que o con­vi­te se des­ti­na a que António Cos­ta pos­sa “in­tei­rar-se pes­so­al­men­te da re­a­li­da­de, lon­ge da máquina de pro­pa­gan­da an­go­la­na, a en­con­trar os seus com­pa­tri­o­tas ca­bin­de­ses e reunir com as che­fi­as mi­li­ta­res e po­lí­ti­cas do mo­vi­men­to in­de­pen­den­tis­ta”. “A FLEC/FAC e to­dos os ca­bin­de­ses acre­di­tam que, por in­ter­mé­dio de Por­tu­gal e da von­ta­de e co­ra­gem do se­nhor pri­mei­ro-mi­nis­tro de Por­tu­gal, António Cos­ta, uma so­lu­ção que po­nha fim ao con­fli­to em Ca­bin­da po­de­rá ser en­con­tra­da”, lê-se no co­mu­ni­ca­do, as­si­na­do por Em­ma­nu­el N’zi­ta, presidente da FLEC/FAC, che­fe do Go­ver­no pro­vi­só­rio e tam­bém che­fe su­pre­mo das FAC. Já em 20 de Abril des­te ano igual con­vi­te fo­ra fei­to a António… Gu­ter­res e o re­sul­ta­do es­tá à vis­ta. No co­mu­ni­ca­do o presidente do mo­vi­men­to pe­dia ain­da a António Cos­ta, que, du­ran­te a sua vi­si­ta a An­go­la, in­ter­ce­des­se jun­to do presidente angolano João Lou­ren­ço “a fa­vor de uma paz ne­go­ci­a­da pa­ra Ca­bin­da”. Em­ma­nu­el N’zi­ta de­cla­rou que a Di­rec­ção Po­lí­ti­co-mi­li­tar da FLEC/ FAC “ain­da acre­di­ta” que Por­tu­gal po­de ter “o pa­pel prin­ci­pal nas ne­go­ci­a­ções que le­vem ao es­ta­be­le­ci­men­to de­fi­ni­ti­vo da paz” em Ca­bin­da. A FLEC/FAC re­fe­re que António Cos­ta de­ve (de­via se Por­tu­gal fos­se, em ma­té­ri­as in­ter­na­ci­o­nais, um ver­da­dei­ro Es­ta­do de Di­rei­to) ter em con­ta “os vín­cu­los his­tó­ri­cos e a he­ran­ça que une as du­as Na­ções” e “o ape­go ina­ba­lá­vel dos ca­bin­das a Por­tu­gal”. Em­ma­nu­el N’zi­ta dis­se ain­da que de­po­si­ta em António Cos­ta “to­da e to­tal con­fi­an­ça pa­ra de­fen­der a dig­ni­da­de do po­vo de Ca­bin­da, aca­bar com o so­fri­men­to do po­vo ca­bin­dês e dar um pas­so fir­me pa­ra o fim da guer­ra em Ca­bin­da”. A 6 des­te mês, num ou­tro co­mu­ni­ca­do, a FLEC/ FAC afir­mou “la­men­tar o si­lên­cio cúm­pli­ce” de António Cos­ta pe­ran­te a “re­pres­são mi­li­tar an­go­la­na no ter­ri­tó­rio ocu­pa­do”, cons­ti­tuin­do uma “ati­tu­de que en­ver­go­nha to­dos os Es­ta­dos-mem­bros da CPLP [Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa], so- bre­tu­do a na­ção por­tu­gue­sa”. “De­nun­ci­a­mos o si­lên­cio do Go­ver­no por­tu­guês, em par­ti­cu­lar a cum­pli­ci­da­de do pri­mei­ro-mi­nis­tro por­tu­guês [António Cos­ta] com a An­go­la de João Lou­ren­ço, que re­pri­me a po­pu­la­ção in­de­fe­sa de Ca­bin­da”, lê-se no co­mu­ni­ca­do, as­si­na­do por Je­an Clau­de Nzi­ta, se­cre­tá­rio pa­ra a In­for­ma­ção e Co­mu­ni­ca­ção e por­ta-voz da FLEC/FAC. No co­mu­ni­ca­do, o mo­vi­men­to re­fe­re que o Go­ver­no por­tu­guês “con­ti­nua a fe­char os olhos à po­lí­ti­ca agres­si­va de An­go­la em Ca­bin­da, o que é um escândalo his­tó­ri­co” e pede aos paí­ses-mem­bros da CPLP “que re­co­nhe­çam Ca­bin­da co­mo mem­bro de ple­no di­rei­to” da or­ga­ni­za­ção, “ape­sar da in­fluên­cia do Go­ver­no angolano na or­ga­ni­za­ção”. A FLEC lu­ta pe­la in­de­pen­dên­cia de Ca­bin­da, ter­ri­tó­rio en­cra­va­do na cos­ta atlân­ti­ca da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (Rd­con­go), ale­gan­do (e é um fac­to) que o en­cla­ve era um protectorado por­tu­guês, tal co­mo fi­cou es­ta­be­le­ci­do no Tra­ta­do de Si­mu­lam­bu­co, as­si­na­do em 1885, e não par­te in­te­gran­te do ter­ri­tó­rio angolano. Em­ma­nu­el N’zi­ta é presidente da FLEC/FAC e su­ce­deu a N’zi­ta Ti­a­go, lí­der his­tó­ri­co do mo­vi­men­to in­de­pen­den­tis­ta Ca­bin­da, que mor­reu a 3 de Ju­nho de 2016, aos 88 anos.

, A FLEC/FAC e to­dos os ca­bin­de­ses acre­di­tam que, por in­ter­mé­dio de Por­tu­gal e da von­ta­de e co­ra­gem do se­nhor pri­mei­romi­nis­tro de Por­tu­gal, António Cos­ta, uma so­lu­ção que po­nha fim ao con­fli­to em Ca­bin­da po­de­rá ser en­con­tra­da”

TRO­PA DA FLEC/FAC

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.