INGENUIDADE DAS PES­SO­AS DE BEM

Folha 8 - - POLITICA -

In­ge­nu­a­men­te os ca­bin­das con­ti­nu­am a pen­sar que Por­tu­gal po­de­rá fa­zer al­gu­ma coi­sa pa­ra re­por a ver­da­de e, so­bre­tu­do, a dig­ni­da­de des­te Po­vo. Di­zem-nos que os ca­bin­das ti­nham al­gu­ma (em­bo­ra pou­ca) es­pe­ran­ça no que o presidente da Re­pú­bli­ca de Por­tu­gal, Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa, po­de­ria fa­zer em re­la­ção às rei­vin­di­ca­ções do Po­vo de Ca­bin­da. O me­lhor é não ter a mí­ni­ma es­pe­ran­ça. O mes­mo se apli­ca a António Gu­ter­res. O mes­mo se apli­ca a António Cos­ta. Va­mos por par­tes. Só por ma­ni­fes­ta fal­ta de se­ri­e­da­de in­te­lec­tu­al e co­bar­dia, tí­pi­ca dos su­ces­si­vos go­ver­nos por­tu­gue­ses é que Por­tu­gal po­de di­zer (mes­mo que pen­se o con­trá­rio) que Ca­bin­da é par­te in­te­gran­te de An­go­la. Ca­bin­da – re­pi­ta-se – foi com­pra­da pe­lo MPLA nos sal­dos lan­ça­dos pe­los en­tão do­nos do po­der em Por­tu­gal, de que são exem­plos, en­tre ou­tros, Me­lo Antunes, Ro­sa Cou­ti­nho, Cos­ta Gomes, Má­rio Soares, Al­mei­da San­tos. É cla­ro que, tal co­mo em Ti­mor-les­te, até à vi­tó­ria fi­nal, con­ti­nu­a­rá a in­di­fe­ren­ça (em gran­de par­te com­pra­da com o pe­tró­leo de… Ca­bin­da), se­ja de Por­tu­gal, da CPLP, da ONU ou de qual­quer ou­tra coi­sa que te­nha pre­ço. Des­co­nhe­ce­mos que ha­ja al­gu­ma que não te­nha pre­ço. E é pena, so­bre­tu­do quan­to a Por­tu­gal, que à luz do Di­rei­to In­ter­na­ci­o­nal ain­da é a po­tên­cia ad­mi­nis­tran­te de Ca­bin­da. Lis­boa te­rá um dia de per­ce­ber que Ca­bin­da não é, nun­ca foi, nun­ca se­rá uma pro­vín­cia de An­go­la. Tal co­mo, ao con­trá­rio do que di­zia Sa­la­zar, An­go­la só foi pro­vín­cia por­tu­gue­sa (Por­tu­gal, na al­tu­ra, ia do Mi­nho a Ti­mor) pe­lo uso da for­ça. Por ma­ni­fes­ta ig­no­rân­cia his­tó­ri­ca e po­lí­ti­ca, bem co­mo por su­bor­di­na­ção aos in­te­res­ses eco­nó­mi­cos do re­gi­me do MPLA, os go­ver­nan­tes por­tu­gue­ses fin­gem, ao con­trá­rio do que di­zi­am pen­sar do Ko­so­vo, que Ca­bin­da sem­pre foi par­te in­te­gran­te de An­go­la. Mas se es­tu­da­rem al­gu­ma coi­sa so­bre o as­sun­to, ve­rão que nun­ca foi as­sim, mau gra­do o bran­que­a­men­to da­do à si­tu­a­ção pe­los subs­cri­to­res por­tu­gue­ses do Acor­do de Al­vor.

PRESIDENTE DA RE­PÚ­BLI­CA DE POR­TU­GAL, MAR­CE­LO RE­BE­LO DE SOU­SA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.