EXISTEGUERRAEMCABINDA

Folha 8 - - POLITICA -

Em Ca­bin­da vi­ve-se uma guer­ra, des­men­tin­do to­dos os que em Lu­an­da di­zem o con­trá­rio. Co­mo se is­so não bas­tas­se, o re­gi­me con­fun­de de­li­be­ra­da­men­te diá­lo­go com mo­nó­lo­go. Tem si­do sem­pre es­ta per­ma­nen­te so­bran­ce­ria do Go­ver­no angolano, quan­do di­a­lo­ga, mo­no­lo­gan­do com o Po­vo de Ca­bin­da, ao im­por à FLEC as su­as so­lu­ções uni­la­te­rais, amor­da­çan­do a So­ci­e­da­de Ci­vil, ao re­du­zir o seu es­pa­ço e ca­lar a sua voz. Nu­ma pa­la­vra; o ca­bin­da não tem di­rei­to à ci­da­da­nia. As ge­ra­ções su­ce­dem-se, mas man­tém-se in­de­lé­vel o sen­ti­men­to pro­fun­do de um Po­vo, que uma ac­ção po­lí­ti­ca ten­den­te sim­ples­men­te a cer­ce­ar tu­do o que chei­ra a ca­bin­da: His­tó­ria (da­tas e mo­men­tos mar­can­tes) e Cul­tu­ra (no­mes, lín­gua e es­pa­ço vi­tal) não lo­grou ani­qui­lar. A po­lí­ti­ca da pal­ma­tó­ria não de­sen­vol­veu, até ago­ra, no ca­bin­da a Sín­dro­me de Es­to­col­mo, pe­lo con­trá­rio, en­ri­je­ceu a sua de­ter­mi­na­ção em sal­va­guar­dar a sua es­pe­ci­fi­ci­da­de. Ne­nhu­ma so­lu­ção se­rá en­con­tra­da pa­ra Ca­bin­da se o Go­ver­no e o MPLA (são uma e a mes­ma coi­sa), por­que nem to­do o Po­vo angolano pensa as­sim, con­ti­nu­a­rem a so­frer da psi­co­se da pon­te so­bre-o rio Zai­re. Es­ta unir-se-á com a RDC e não com Ca­bin­da, se o ca­bin­da não for po­der em Ca­bin­da. É um con­tra-sen­so que al­guém que te­nha lu­ta­do con­tra o co­lo­ni­a­lis­mo tei­me, ago­ra, que um ou­tro po­vo não vi­va a sua li­ber­da­de ple­na (mes­tre do seu des­ti­no co­lec­ti­va­men­te con­sen­ti­do e das su­as ri­que­zas) e que to­dos os di­as lhe re­cor­dam que não é li­vre. A FLEC e to­dos os seus lí­de­res es­ti­ve­ram sem­pre aber­tos ao diá­lo­go e a So­ci­e­da­de Ci­vil um fa­ci­li­ta­dor, to­da­via, do la­do do Go­ver­no me­ra­men­te um fa­zer-de-contas com um mo­nó­lo­go in­sis­ten­te e en­sur­de­ce­dor. No que a Ca­bin­da res­pei­ta, Por­tu­gal não se lem­bra dos com­pro­mis­sos que as­si­nou on­tem e, por is­so, mui­to me­nos se re­cor­da­rá dos as­si­na­dos há mais de um sé­cu­lo. E, tan­to quan­to pa­re­ce, mes­mo os as­si­na­dos on­tem já es­ta­rão ho­je fo­ra de va­li­da­de. Por­tu­gal não só vi­o­lou o Tra­ta­do de Si­mu­lam­bu­co de 1 de Fe­ve­rei­ro 1885 co­mo, pe­los Acor­dos de Al­vor, ul­tra­jou o po­vo de Ca­bin­da, sen­do por is­so res­pon­sá­vel, pe­lo me­nos mo­ral (se é que is­so tem al­gum sig­ni­fi­ca­do), por tu­do quan­to se pas­sa no ter­ri­tó­rio, seu protectorado, ocu­pa­do por An­go­la.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.