SAI UMA FIT­CH À ME­DI­DA

Folha 8 - - ECONOMIA -

Re­cor­de-se que a agên­cia de no­ta­ção fi­nan­cei­ra Fit­ch me­lho­rou, em Ju­lho, a Pers­pec­ti­va de Evo­lu­ção da Eco­no­mia de An­go­la de Ne­ga­ti­va pa­ra Es­tá­vel, man­ten­do o “ra­ting” da qua­li­da­de do cré­di­to so­be­ra­no em B, abai­xo do ní­vel de re­co­men­da­ção de in­ves­ti­men­to. “A re­vi­são da Pers­pec­ti­va de Evo­lu­ção da Eco­no­mia de Ne­ga­ti­va pa­ra Es­tá­vel re­flec­te as me­lho­ri­as na ges­tão do re­gi­me de câm­bio e a adop­ção de uma am­bi­ci­o­sa agen­da de re­for­mas, que in­clui ajus­ta­men­tos nas ver­ten­tes mo­ne­tá­ria, or­ça­men­tal e es­tru­tu­ral, que vão di­mi­nuir as vul­ne­ra­bi­li­da­des ex­ter­nas e me­lho­rar as fi­nan­ças pú­bli­cas”, dis­se­ram os ana­lis­tas. De acor­do com o re­la­tó­rio com­ple­to de “ra­ting” so­bre An­go­la, a Fit­ch man­tém An­go­la no “li­xo”, ou se­ja, abai­xo do ní­vel de re­co­men­da­ção de in­ves­ti­men­to, mas sobe a ava­li­a­ção que faz so­bre a di­rec­ção da po­lí­ti­ca eco­nó­mi­ca (“Ou­tlo­ok”), o que sig­ni­fi­ca que não an­te­ci­pa even­tos que pos­sam fa­zer des­cer o “ra­ting” do país. En­tre as prin­ci­pais ra­zões pa­ra a me­lho­ria da ava­li­a­ção do an­da­men­to da eco­no­mia, a Fit­ch apon­ta os ajus­ta­men­tos ex­ter­nos em cur­so, no­me­a­da­men­te o fim da ta­xa de câm­bio fi­xa, a me­lho­ria do cres­ci­men­to eco­nó­mi­co, ain­da que li­mi­ta­do, e a re­to­ma da con­so­li­da­ção or­ça­men­tal, sa­li­en­tan­do que o sec­tor ban­cá­rio con­ti­nua a ser uma fra­que­za e que os fac­to­res es­tru­tu­rais do país são um cons­tran­gi­men­to pa­ra a ava­li­a­ção da qua­li­da­de do cré­di­to. “Os ra­tings de An­go­la es­tão cons­tran­gi­dos pe­la fra­que­za es­tru­tu­ral, prin­ci­pal­men­te pe­lo fra­co de­sem­pe­nho nos in­di­ca­do­res de de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­nos e de go­ver­na­ção e pe­lo mais al­to ní­vel de de­pen­dên­cia de ma­té­ri­as-pri­mas en­tre os paí­ses ana­li­sa­dos pe­la Fit­ch”, es- cre­ve­ram os ana­lis­tas no re­la­tó­rio com­ple­to. A Fit­ch an­te­via – re­gis­te-se – que o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co de An­go­la su­ba de 2,3%, es­te ano, pa­ra 2,5% em 2019, e que o dé­fi­ce or­ça­men­tal di­mi­nua pa­ra 5,4% es­te ano, de­pois de no ano pas­sa­do ter che­ga­do aos 6,8%. “A dí­vi­da pú­bli­ca au­men­tou pa­ra 66,6% do Pro­du­to In­ter­no Bru­to no fi­nal do ano pas­sa­do, quan­do era de 50,7% no fi­nal de 2015”, lem­bram os ana­lis- tas, que an­te­ci­pam que a dí­vi­da pú­bli­ca che­gue a um pi­co de 67,5% no fi­nal des­te ano e de­pois co­me­ce a cair a par­tir de 2019, pa­ra che­gar a 2020 nos 58,7% do PIB. “A queda na dí­vi­da re­flec­te a ex­pec­ta­ti­va de ajus­ta­men­tos or­ça­men­tais, mas tam­bém se­rá im­pul­si­o­na­da pe­lo ele­va­do ní­vel da in­fla­ção”, que a Fit­ch an­te­ci­pa che­gar aos 25% no con­jun­to des­te ano. On­de a Fit­ch en­con­tra mais di­fi­cul­da­des pa­ra a eco­no­mia an­go­la­na é no sec­tor ban­cá­rio, que “con­ti­nua uma fra­que­za pa­ra a eco­no­mia e uma fon­te de im­pli­ca­ções ne­ga­ti­vas pa­ra o cré­di­to so­be­ra­no”. Os ban­cos, acres­cen­tam os ana­lis­tas, “en­fren­tam um am­bi­en­te ope­ra­ci­o­nal di­fí­cil, re­flec­tin­do ven­tos eco­nó­mi­cos con­trá­ri­os, in­cer­te­zas no aces­so a mo­e­da ex­ter­na e uma pre­do­mi­nân­cia de em­prés­ti­mos do Go­ver­no”.

PRO­DU­ÇÃO DE BAR­RIS DE PE­TRÓ­LEO EM AN­GO­LA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.