EN­SI­NO DAS CI­ÊN­CI­AS SO­CI­AIS EM ÁFRI­CA

Folha 8 - - CRONICA -

De acor­do com o diá­lo­go man­ti­do com a Afri­can Li­dership Uni­ver­sity (ALU), com­pre­en­di que me foi da­da a li­ber­da­de aca­dé­mi­ca e ci­en­tí­fi­ca su­fi­ci­en­te pa­ra de­mons­trar a mi­nha vi­são ge­ral so­bre o en­si­no das ci­ên­ci­as so­ci­ais em Áfri­ca. Ape­sar des­ta im­pres­são de li­ber­da­de, uma vez que em ter­mos me­to­do­ló­gi­cos é re­co­men­dá­vel o foco, por is­so, cen­tra­rei os meus ar­gu­men­tos em pon­tos mui­to con­cre­tos. Há al­gu­mas dé­ca­das, al­guns in­te­lec­tu­ais afri­ca­nos e afri­ca­nis­tas de ou­tros pon­tos do mun­do, te­rão per­ce­bi­do a ne­ces­si­da­de de des­co­lo­ni­zar­mos o pen­sa­men­to, o en­si­no e as me­to­do­lo­gi­as a eles associadas. Is­so foi ex­tra­or­di­ná­rio. Trou­xe gran­des be­ne­fí­ci­os à pro­du­ção e en­si­no em Áfri­ca em múl­ti­plas áre­as, tais co­mo a his­tó­ria, a so­ci­o­lo­gia, te­o­lo­gia e a fi­lo­so­fia. Do meu pon­to de vis­ta, ape­sar dos be­ne­fí­ci­os, a des­co­lo­ni­za­ção do en­si­no das ci­ên­ci­as so­ci­ais em Áfri­ca, te­rá en­tra­do num er­ro gra­ve. Por um la­do, o ex­tre­mo da re­jei­ção ab­so­lu­ta de sa­be­res e me­to­do­lo­gi­as pro­du­zi­das nou­tras ge­o­gra­fi­as do co­nhe­ci­men­to, te­rá le­va­do pe­lo me­nos a du­as consequências fá­ceis de per­ce­ber: i) “Gu­e­ti­za­ção” epis­te­mo­ló­gi­ca. Pro­du­ção de co­nhe­ci­men­tos fe­cha­dos em si, sem qual­quer ca­pa­ci­da­de pa­ra di­a­lo­gar com ou­tros sa­be­res e ou­tras di­dác­ti­cas e me­to­do­lo­gi­as de pes­qui­sa fo­ra da ór­bi­ta afri­ca­na. ii) Ep­si­te­mi­cí­dio tar­dio. Es­ta mor­te do co­nhe­ci­men­to por re­jei­ção, em no­me da des­co­lo­ni­za­ção dos sa­be­res, é ao con­trá­rio do “epis­te­mi­ci­dio pri­má­rio”, que te­rá si­do cau­sa­do pe­la ide­o­lo­gia da su­pre­ma­cia ra­ci­al bran­ca. As­sim co­mo o in­va­sor co­lo­ni­al ma­tou nos­sos sa­be­res lo­cais, a te­se da des­co­lo­ni­za­ção ex­tre­ma do co­nhe­ci­men­to, in­vi­a­bi­li­zou e “ma­tou” sa­be­res im­por­tan­tes pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de Áfri­ca. Nós po­de­mos des­co­lo­ni­zar, mas ao mes­mo tem­po manter um es­pa­ço aber­to pa­ra di­a­lo­gar com sa­be­res de ou­tros po­vos. Aliás, o sa­ber tal co­mo o ve­mos ho­je, é fru­to de cru­za­men­to de sa­be­res de vá­ri­as ori­gens, po­vos e ge­o­gra­fi­as. O ex­tre­mo da re­jei­ção dos sa­be­res de ou­tras ori­gens, de­sen­ca­de­ou um mo­vi- men­to re­ac­ci­o­ná­rio de re­for­ço da ali­e­na­ção epis­te­mo­ló­gi­ca de pes­qui­sa­do­res den­tro e fo­ra de Áfri­ca. Afri­ca­nos e não afri­ca­nos que en­ten­dem que a pro­du­ção do co­nhe­ci­men­to, o en­si­no e su­as me­to­do­lo­gi­as pas­sam ne­ces­sa­ri­a­men­te pe­los mo­de­los ins­ti­tu­ci­o­nais oci­den­tais. En­ten­do que nem a pri­mei­ra, nem a se­gun­da, são ca­mi­nhos ra­zoá­veis a se­guir pa­ra o en­si­no das ci­ên­ci­as so­ci­ais em Áfri­ca. Pa­ra mim, é ne­ces­sá­rio a cons­tru­ção da au­to­no­mia das nos­sas ins­ti­tui­ções, pro­por mo­de­los, mas man­ten­do-se ao mes­mo tem­po aber­tos pa­ra o mun­do. Em mui­tos paí­ses afri­ca­nos, tal co­mo An­go­la e Moçambique, as ci­ên­ci­as so­ci­ais fo­ram usa­das e in­cor­po­ra­das den­tro de um pro­jec­to po­lí­ti­co e ide­o­ló­gi­co com pro­pó­si­to de res­pon­der aos in­te­res­ses de quem de­tém o po­der. O en­si­no foi trans­for­ma­do num ins­tru­men­to de ma­ni­pu­la­ção e la­va­gem ce­re­bral. Di­an­te des­ta re­a­li­da­de que ain­da pre­va­le­ce em al­guns paí­ses, pa­re­ce-me que um dos de­sa­fi­os das ci­ên­ci­as so­ci­ais é usar es­te sa­ber co­mo ins­tru­men­to de trans­for­ma­ção dos es­tu­dan­tes e dos pes­qui­sa­do­res pa­ra que se­jam fac­to­res de mu­dan­ça das nos­sas so­ci­e­da­des. Não só no sen­ti­do de pen­sar os pro­ble­mas so­ci­ais e pro­por so­lu­ções, mas tam­bém, fa­zer das ci­ên­ci­as so­ci­ais e cor­re­la­ti­vas, ca­te­go­ri­as pri­vi­le­gi­a­das pa­ra pen­sar o so­ci­o­ló­gi­co en­quan­to sa­ber. O so­ci­o­ló­gi­co en­quan­to te­o­ria que de­cor­re dos fac­tos so­ci­ais. Pa­ra is­so, as ins­ti­tui­ções apos­ta­das na for­ma­ção de lí­de­res co­mo é o ca­so da ALU, de­vem ne­ces­sa­ri­a­men­te dis­po­ni­bi­li­zar fun­dos de pes­qui­sa pa­ra que os pro­ble­mas aos quais pro­po­mos so­lu­ções, se­jam so­lu­ções fun­da­men­ta­das não só no con­tex­to e na prá­ti­ca, mas tam­bém no pen­sar teó­ri­co in­tem­po­ral. A ques­tão re­fe­ren­te a pro­du­ção do co­nhe­ci­men­to num con­tex­to que vi­sa for­mar lí­de­res é fun­da­men­tal pe­los se­guin­tes ques­ti­o­na­men­tos: to­do es­tu­dan­te pre­ci­sa um exem­plo. Pa­ra além dos lí­de­res ex­ter­nos que os apre­sen­ta­re­mos co­mo mo­de­los a se­guir, eles pre­ci­sam ver nos pro­fes­so­res ver­da­dei­ros exem­plos de li­de­ran­ça. Não só na for­ma co­mo es­ta­be­le­cem re­la­ções, mas tam­bém nos re­sul­ta­dos aca­dé­mi­cos e ci­en­tí­fi­cos dos pro­fes­so­res. Se­rá que um não lí­der po­de for­mar lí­de­res? Co­mo um pro­fes­sor que não pes­qui­sa, não es­cre­ve e não pu­bli­ca po­de ser le­va­do a sé­rio nu­ma au­la de me­to­do­lo­gia de in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca ou de es­cri­ta cri­a­ti­va? Pa­ra que pos­sa­mos fa­zer com que o en­si­no das ci­ên­ci­as so­ci­ais se­jam es­pa­ços de trans­for­ma­ção das nos­sas so­ci­e­da­des, pre­ci­sa­mos in­tro­du­zir es­ta fi­lo­so­fia nos pro­jec­tos po­lí­ti­cos e fi­lo­só­fi­cos de edu­ca­ção. Ou se­ja, an­tes de cons­truir­mos uma uni­ver­si­da­de são es­sen­ci­ais as se­guin­tes perguntas: Que ti­po de ho­mem se qu­er for­mar? A sua for­ma­ção se­rá ba­se­a­da em quê va­lo­res, me­to­do­lo­gi­as e sa­be­res pré­vi­os? Que pro­ble­mas con­tex­tu­ais es­ta for­ma­ção per­mi­ti­rá que es­te ho­mem, com os va­lo­res pro­pos­to pos­sa aju­dar a ul­tra­pas­sá-los?

DO­MIN­GOS DA CRUZ

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.