HÁ GES­TOS QUE PE­LA SUA EXPRESSIVIDADE CALAM FUN­DO

Folha 8 - - CRONICA -

A5 de Ja­nei­ro de 1975, fo­ram a FNLA, o MPLA e UNITA as­si­na­ram com o go­ver­no por­tu­guês os Acor­dos de Al­vor que de­ram ori­gem à in­de­pen­dên­cia de An­go­la. A ne­ga­ção da FNLA e da UNITA pe­lo MPLA cri­ou uma cri­se que ra­pi­da­men­te se ex­tr­mou e deu lu­gar à uma san­gren­ta guer­ra ci­vil, cu­jas consequências ne­fas­tas e ras­to de des­trui­ção per­du­ram até aos nos­sos di­as. Te­nho acom­pa­nha­do al­gu­mas reações ne­ga­ti­vas à uma afir­ma­ção que o Presidente da UNITA fez, na re­cen­te en­tre­vis­ta que con­ce­deu à LAC, so­bre o Presidente Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. De­pois de ou­vir a re­fe­ri­da en­tre­vis­ta, fran­ca­men­te fi­quei as­saz pre­o­cu­pa­do pe­la ima­tu­ri­da­de po­lí­ti­ca que abun­da em mui­tas men­tes que le­van­tam a on­da de crí­ti­cas à Isai­as Sa­ma­cu­va. Sim! Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos é um na­ci­o­na­lis­ta e pa­trió­ta, in­de­pen­den­te­men­te dos cras­sos er­ros por si co­me­ti­dos du­ran­te o seu lon­ge­vo con­su­la­do. Não há ne­nhu­ma in­ven­ção nem exa­ge­ro nis­so! O país só se cons­trói com ma­tu­ri­da­de po­lí­ti­ca, ele­va­ção e gran­de­za mo­ral ele­men­tos que Sam­ku­va de­mons­trou e vá­ri­as ve­zes alu­diu, aos quais os seus críticos fa­zem tá­bua ra­sa! Con­tra­ri­a­men­te ao que se in­ven­ta por aí, em 1993, o Dr. Sa­vim­bi em no­me da UNITA re­co­nhe­ce­ra em vi­va voz os re­sul­ta­dos elei­to­rais de Se­tem­bro de 1992. Fe­lê-lo tam­bém por es­cri­to atra­vés de uma car­ta en­de­re­ça­da à ONU. A par­tir daí, vá­ri­as fo­ram as ve­zes em pú­bli­co, tra­tou JES de meu presidente. JES co­me­teu mui­tos er­ros e is­so é um fac­to in­de­fen­sá­vel co­mo tam­bém é in­des­men­tí­vel que não os co­me­teu so­zi­nho. Há ges­tos que pe­la sua expressividade calam fun­do. A pre­sen­ça de JES no fu­ne­ral do na­ci­o­na­lis­ta, fi­ló­so­fo e pro­e­mi­nen­te po­lí­ti­co da UNITA, o sau­do­so Dr Al­me­rin­do Ja­ka Jamba, pa­ra mim foi uma es­pé­cie de mea cul­pa, por­que en­quan­to foi Presidente da Re­pú­bli­ca po­dia ter fei­to mais, con­tu­do foi uma men­sa­gem, uma li­ção di­ri­gi­da à so­ci­e­da­de e, so­bre­tu­do pa­ra os ac­to­res po­lí­ti­cos, so­bre a ne­ces­si­da­de do con­ví­vio e do res­pei­to pe­la di­fe­ren­ça. Quan­do os fei­tos de Ál­va­ro Hol­den Ro­ber­to e Jo­nas Ma­lhei­ro Sa­vim­bi fo­rem em fim re­co­nhe­ci­dos es- pe­ro que não se ve­nham es­can­da­li­zar, mui­to me­nos ve­nham pôr em cau­sa es­se re­co­nhe­ci­men­to mais que me­re­ci­do do ge­nuí­no amor des­te ilus­tres fi­lhos de An­go­la pe­la sua pá­tria. Já ago­ra, tam­bém ex­pres­so a mi­nha pre­o­cu­pa­ção so­bre o mo­do co­mo o presidente João Lou­ren­ço tem le­va­do a ca­bo a sua “cru­za­da con­tra a cor­rup­ção” que mais pa­re­ce uma au­tên­ti­ca “caça às bru­xas” ao es­ti­lo da “vin­gan­ça do chi­nês”. É re­cor­ren­te ou­vir pes­so­as pró­xi­mas de JES a quei­xa­rem-se do sen­ti­men­to de es­ta­rem a ser per­se­gui­dos por JLO. O des­fe­cho do ca­so Fun­do So­be­ra­no em Lon­dres, em que fo­ram evi­den­tes lai­vos de má fé por ocul­ta­ção de ele­men­tos im­por­tan­tes do pro­ces­so com o úni­co fi­to de pre­ju­di­car a con­tra­par­te, dá va­zão a es­se sen­ti­men­to. O ar­ro­la­men­to do Ge­ne­ral de Exér­ci­to Sa­chi­pen­go Nun­da e ou­tros ofi­ci­ais ge­ne­rais e su­pe­ri­o­res das For­cas Ar­ma­das An­go­la­nas, pa­re­ce en­qua­dra­se tam­bém na mes­ma es­tra­té­gia. Se­ja­mos sé­ri­os! Se for só mes­mo pa­ra com­ba­ter a cor­rup­ção e a im­pu­ni­da­de en­tão JLO de­ve tor­nar pú­bli­ca a de­cla­ra­ção dos seus bens pa­ra ver­mos se não se­ria ele mes­mo uma ví­ti­ma do tal pro­pa­la­do com­ba­te. Não se faz um país com ba­se na vin­gan­ça ou pa­ra sa­tis­fa­zer ca­pri­chos pes­so­ais. Es­sa aci­ca­ta os res­sen­ti­men­tos, acir­ra an­ta­go­nis­mos e só cria mais ins­ta­bi­li­da­de e mais “mbu­an­ja”. Ade­mais, se­ria pu­ra in­gra­ti­dão e, até mes­mo mui­to ar­ris­ca­do da par­te de JLO pro­cu­rar per­se­guir fa­mi­li­a­res e co­la­bo­ra­do­res pró­xi­mos de JES, sim­ples­men­te hu­mi­lhar ou se vin­gar do seu an­te­ces­sor, se ra­zo­es pa­ra tal ti­ver. To­do o mun­do da­be que quem re­a­bi­li­tou JLO da sua “lon­ga tra­ves­sia do de­ser­to” e o guin­dou pa­ra os vá­ri­os car­gos que exer­ceu, tan­to na As­sem­bleia Na­ci­o­nal, no Exe­cu­ti­vo e no pró­prio MPLA foi JES. Es­cu­sa­do se­ria di­zer que foi JES que por mei­os frau­du­len­tos e não con­for­mes à Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca de An­go­la, tor­nou JLO Presidente da Re­pú­bli­ca de An­go­la. Os 43 anos de in­de­pen­dên­cia so­ma­dos a nos­sa do­lo­ro­sa ex­pe­ri­ên­cia nos de­vem ser­vir pa­ra de uma vez por to­das apren­der­mos a nos res­pei­tar na ba­se da igual­da­de, en­quan­to fi­lhos da mes­ma pá­tria, ce­le­brar a nos­sa uni­da­de na nos­sa ri­ca di­ver­si­da­de po­lí­ti­ca, ra­ci­al cul­tu­ral, et­ni­co-tri­bal, lin­guís­ti­ca... Pa­ra ter­mi­nar dei­xo al­gu­mas su­ges­tões ao Pre­si- den­te João Lou­ren­ço: 1- Se­ja, de fac­to, um Deng Xi­a­o­ping co­me­çan­do por con­gre­gar. Vá pa­ra fo­ra do país ao en­con­tro dos seus ho­mó­lo­gos, mas con­ver­se mais com os seus com­pa­tri­o­tas. 2- Não ali­men­te a ideia de ser vin­ga­ti­vo. Is­so não qu­er di­zer que sim­ples­men­te não com­ba­ta a cor­rup­ção. Fa­ça-o sem per­der o foco nas pro­mes­sas elei­to­rais do seu par­ti­do. Quan­tos vai exo­ne­rar ou vai man­dar pa­ra a ca­deia pa­ra os an­go­la­nos is­so é se­cun­dá­rio. O que os an­go­la­nos es­pe­ram de si é que lhes pro­por­ci­o­ne o aces­so à água po­tá­vel, à ener­gia elé­tri­ca, à saú­de e edu­ca­ção de qua­li­da­de, o aces­so à ha­bi­ta­ção, ao em­pre­go bem re­mu­ne­ra­do, en­fim ao bem-es­tar. 3- Te­nha a co­ra­gem po­lí­ti­ca de, no dia 11 de Novembro de 2018, so­cor­ren­do-me das pa­la­vras do sau­do­so Dr. Agos­ti­nho Ne­to, “pro­cla­mar, so­le­ne­men­te, pe­ran­te a Áfri­ca e o mun­do Ál­va­ro Hol­den Ro­ber­to e Jo­nas Ma­lhei­ro Sa­vim­bi He­róis Na­ci­o­nais e a trí­pli­ce, jun­ta­men­te com o Dr. Agos­ti­nho os Pais da In­de­pen­dên­cia de An­go­la. 4- Por ra­zões hu­ma­ni­tá­ri­as in­dul­te Jo­sé Ju­li­no Ka­lu­pe­te­ka, o Pro­fe­ta da sei­ta re­li­gi­o­sa a luz do Mun­do. A pá­tria faz-se com ab­ne­ga­ção e co­ra­gem. Bem ha­jam as mu­lhe­res e os ho­mens de boa von­ta­de em An­go­la e no mun­do. Nga­sa­ki­di­la ki­a­vu­lu! Nda pan­du­la! Ma­ton­do min­gi!

ALCIBÍADES KOPUMI

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.