AGOS­TI­NHO NE­TO “TRÊS DI­MEN­SÕES DE UM PER­CUR­SO ECLÉCTICO” POR JO­SÉ LUÍS MEN­DON­ÇA

No dia 24 de Se­tem­bro de 2018 (2ª fei­ra) pe­las 18H30, no Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês (Av. de Por­tu­gal nº 50), no âm­bi­to da 8ª Edi­ção do FESTINETO 2018, se­rá re­a­li­za­da uma me­sa re­don­da su­bor­di­na­da ao te­ma “Agos­ti­nho Ne­to: As Três di­men­sões de um per­cur­so Ecl

Folha 8 - - CULTURA -

JO­SÉ LUÍS MEN­DON­ÇA fa­rá uma abor­da­gem cen­tra­da, es­sen­ci­al­men­te, no le­ga­do in­te­lec­tu­al de António Agos­ti­nho Ne­to, en­quan­to ho­mem de Cul­tu­ra em­pres­ta­do à Po­lí­ti­ca. Es­te le­ga­do es­tá ma­te­ri­al­men­te con­ti­do nos três vo­lu­mes da sua Po­e­sia e na pro­nún­cia oral, que fez, em di­fe­ren­tes fó­runs. Não se­rá abor­da­da a ac­ção po­lí­ti­ca de Agos­ti­nho Ne­to, en­quan­to di­ri­gen­te. Se­gun­do Jo­sé Luís Men­don­ça, a dis­ser­ta­ção ver­sa­rá so­bre a vi­da e obra de Agos­ti­nho Ne­to (1922-1979) em três gran­des áre­as: Do­mus - Vi­da fa­mi­li­ar Li­ra - Li­te­ra­tu­ra (po­e­sia e en­saio) Po­lis - dis­cur­so po­lí­ti­co Se­gun­do Jo­sé Luís Men­don­ça, “no qua­dro da cos­mo­go­nia ban­tu, do gru­po ét­ni­co-lin­guís­ti­co Kim­bun­du, do qual Agos­ti­nho Ne­to era ori­gi­ná­rio, o cidadão Agos­ti­nho Ne­to mar­cou pre­sen­ça nes­te mun­do com um no­me mui­to par­ti­cu­lar, ads­tri­to à tra­di­ção afri­ca­na e, por is­so, in­clu­so no cír­cu­lo das atri­bui­ções se­cre­tas dos dig­ni­tá­ri­os da es­pi­ri­tu­a­li­da­de Ki­lam­ba. É nes­ta ou­tra es­fe­ra ét­ni­co-lin­guís­ti­ca, fun­da­da na trans­mis­são oral e na sua fi­lo­so­fia, que se in­se­re, tan­to o dom pa­ra a po­e­sia, co­mo o dom da ora­tu­ra, co­mo cri­a­dor de pro­vér­bi­os. A po­e­sia de Agos­ti­nho Ne­to e seus pa­res, fun­da­do­res do Mo­vi­men­to dos No­vos In­te­lec­tu­ais de An­go­la, que ac­tu­a­ram sob a pa­la­vra de ordem “VA­MOS DES­CO­BRIR AN­GO- LA”, mar­ca um dos mo­men­tos pri­vi­le­gi­a­dos de im­po­si­ção do pro­ces­so li­te­rá­rio angolano pe­ran­te a ordem cul­tu­ral co­lo­ni­al. Com es­ta ge­ra­ção, nas­ce a po­e­sia de sub­ver­são po­li­ti­ca, tão bem re­gis­ta­da na obra “Sa­gra­da Es­pe­ran­ça” de Agos­ti­nho Ne­to. Na es­fe­ra da vi­da po­lí­ti­ca de Agos­ti­nho Ne­to, iden­ti­fi­cá­mos cer­tas citações do seu dis­cur­so po­lí­ti­co, pas­sí­veis de se­rem des­ta­ca­das na sua ar­te de ora­tó­ria. Es­tas citações vi­e­ram à luz pe­la voz do en­tão Presidente da RPA, en­quan­to pro­vér­bio da ora­tu­ra e po­e­sia re­si­du­al, am­bas ins­pi­ra­ções de Ki­tu­ta, que en­car­na­va na pes­soa fí­si­ca de Agos­ti­nho Ne­to, Ki­lam­ba. Des­ta sim­bi­o­se cul­tu­ral exis­ten­ci­al, re­sul­tou um per­cur­so gui­a­do por um pen­sa­men­to cons­ti­tuí­do pe­la sín­te­se de par­tes he­te­ro­gé­ne­as de vá­ri­as dou­tri­nas, fi­lo­so­fi­as e ide­o­lo­gi­as, que con­ver­gi­am em tor­no do fio prag­má­ti­co da des­co­lo­ni­za­ção”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.