AS AN­TE­RI­O­RES LI­ÇÕES DE JO­SÉ SÓ­CRA­TES

Folha 8 - - DESTAQUE -

Nos tem­pos mais re­cen­tes em que se falou do re­gres­so do FMI a Por­tu­gal, o en­tão pri­mei­ro-mi­nis­tro de Por­tu­gal, men­tor po­lí­ti­co de António Cos­ta, Jo­sé Só­cra­tes, ga­ran­tia aos qua­tro ven­tos que Por­tu­gal não pre­ci­sa­va de aju­da fi­nan­cei­ra e que con­ti­nu­a­va a ter to­das as con­di­ções pa­ra se fi­nan­ci­ar no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal. Co­mo era ha­bi­tu­al, Jo­sé Só­cra­tes di­zia às se­gun­das, quar­tas e sex­tas uma coi­sa e às ter­ças, quin­tas e sá­ba­dos out-

ra. A es­tra­té­gia fez es­co­la e António Cos­ta ali­nha. Aos do­min­gos, cons­ta, am­bos vão à missa to­mar a hós­tia, a tal que re­ti­ra os pe­ca­dos dos ho­mens…aliás, tam­bém o gran­de edu­ca­dor das mas­sas ope­rá­ri­as, tam­bém mi­nis­tro pa­ra to­dos os go­ver­nos, Au­gus­to San­tos Sil­va, acu­sa­va as for­ças de di­rei­ta de “sa­li­va­rem” pe­ran­te a hi­pó­te­se de o FMI en­trar em Por­tu­gal e de co­lo­ca­rem os in­te­res­ses par­ti­dá­ri­os aci­ma dos na­ci­o­nais. Tal co­mo fa­zia re­gu­lar­men­te o pri­mei­romi­nis­tro (o mi­me­tis­mo é atá­vi­co nes­te PS), tam­bém um ou­tro mi­nis­tro, Sil­va Pe­rei­ra, afas­ta­va a pos­si­bi­li­da­de de Por­tu­gal re­cor­rer a uma in­ter­ven­ção do FMI pa­ra so­lu­ci­o­nar o seu pro­ble­ma com a dí­vi­da so­be­ra­na. “Pre­ci­sa­mos de tra­ba­lhar e exe­cu­tar os pro­gra­mas que fo­ram apro­va­dos pa­ra dar con­fi­an­ça à eco­no­mia por­tu­gue­sa. Mas o que não ins­pi­ra qual­quer con­fi­an­ça é que o país se en­tre­te­nha a dis­cu­tir a opor­tu­ni­da­de de uma cri­se po­lí­ti­ca ago­ra ou da­qui a mais um bo­ca­di­nho”, di­zia Sil­va Pe­rei­ra. Co­mo te­o­ria pa­ra quem es­tá agar­ra­do ao ta­cho… até não es­ta­va mal. O PS (tal co­mo o PLA) tem me­do de elei­ções, por is­so não sai de ci­ma. Não tan­to pe­lo car­tão ver­me­lho que os por­tu­gue­ses cer­ta­men­te lhe irão mos­trar, mas so­bre­tu­do por­que den­tro do PS são ca­da vez mais os que pen­sam que António Cos­ta e com­pa­nhia há mui­to dei­xa­ram de ser bes­ti­ais pa­ra se­rem… bes­tas. Daí a alu­são ao mu­seu… A ver­da­de é uma, im­por­ta re­co­nhe­cer. Por al­gu­ma ra­zão, des­de que Jo­sé Só­cra­tes che­gou a do­no do país, Por­tu­gal es­te­ve mais per­to dos mais evo­luí­dos paí­ses de Áfri­ca, si­tu­a­ção que ago­ra – anos de­pois – António Cos­ta qu­er in­cen­ti­var. No en­tan­to, no ca­so de Por­tu­gal e de An­go­la, do PS e do MPLA (par­ti­dos ir­mãos), im­por­ta re­cor­dar o que al­tu­ra dis­se o se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Ad­mi­nis­tra­ção Lo­cal de Por­tu­gal, Jo­sé Jun­quei­ro, quan­do afir­mou que o pri­mei­ro-mi­nis­tro Jo­sé Só­cra­tes “é uma opor­tu­ni­da­de pa­ra o país, mas tam­bém um exem­plo pa­ra a Eu­ro­pa”. Ago­ra, de António Cos­ta dir-seá (tal­vez pe­la bo­ca de Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa) que é “uma opor­tu­ni­da­de o país, mas tam­bém um exem­plo pa­ra… Áfri­ca”.

EX- PRI­MEI­RO-MI­NIS­TRO DE POR­TU­GAL, JO­SÉ SÓ­CRA­TES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.