A RES­PON­SA­BI­LI­DA­DE DE NOR­BER­TO GAR­CIA

Folha 8 - - DESTAQUE -

Re­cor­de-se que o Ser­vi­ço de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal (SIC) anun­ci­ou no dia 6 de Mar­ço a de­ten­ção de seis es­tran­gei­ros e dois an­go­la­nos que, em 2017, anun­ci­a­ram, em Lu­an­da, um fi­nan­ci­a­men­to de 50 mil mi­lhões de dó­la­res (40,2 mil mi­lhões de eu­ros) pa­ra apoi­ar pro­jec­tos. A in­for­ma­ção, di­vul­ga­da por aque­le ór­gão do Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or, avan­ça­va que os ci­da­dãos fo­ram detidos por sus­pei­ta da prá­ti­ca dos cri­mes de fal­si­fi­ca­ção de do­cu­men­tos, bur­la por de­frau­da­ção, associação de mal­fei­to­res e bran­que­a­men­to de ca­pi­tais. As de­ten­ções ocor­re­ram nos di­as 21 e 23 de Fe­ve­rei­ro, nu­ma uni­da­de ho­te­lei­ra de Lu­an­da, en­vol­ven­do o ca­so qua­tro ci­da­dãos da Tai­lân­dia, um do Ca­na­dá, um da Eri­treia e dois an­go­la­nos. Se­gun­do a in­for­ma­ção do SIC, foi des­co­ber­ta uma ten­ta­ti­va de de­frau­da­ção do Es­ta­do angolano, na me­di­da em que es­ses qua­tro ci­da­dãos tai­lan­de­ses, in­ti­tu­lan­do-se pro­pri­e­tá­ri­os de uma em­pre­sa do­mi­ci­li­a­da nas Fi­li­pi­nas, ma­ni­fes­ta­ram pe­ran­te as au­to­ri­da­des an­go­la­nas a intenção de in­ves­tir no país. Os mes­mos ale­ga­ram ter aces­so a uma li­nha de fi­nan­ci­a­men­to dis- po­ní­vel num ban­co das Fi­li­pi­nas, atra­vés do qual pre­ten­di­am de­sen­vol­ver pro­jec­tos de in­ves­ti­men­to em An­go­la, no va­lor de 50 mil mi­lhões de dó­la­res (40,2 mil mi­lhões de eu­ros). A des­co­ber­ta des­ta bur­la acon­te­ceu, co­mo es­cla­re­ceu o SIC, no mo­men­to de cons­ti­tui­ção da em­pre­sa em An­go­la, que pa­ra o efei­to se­ria ne­ces­sá­ria a con­fir­ma­ção do va­lor que ma­ni­fes­ta­ram exis­tir. “Foi de fac­to no con­tex­to des­te pro­ce­di­men­to, à luz da­qui­lo que é o me­ca­nis­mo de co­o­pe­ra­ção in­ter­na­ci­o­nal em ma­té­ria de bran­que­a­men­to de ca­pi­tais, que a en­ti­da­de com­pe­ten­te pa­ra es­ta ma­té­ria ac­ci­o­nou a sua con­gé­ne­re nas Fi­li­pi­nas, ten­do da­li ob­ti­do a con­fir­ma­ção de que efec­ti­va­men­te aque­les su­pos­tos pro­mo­to­res não eram, na ver­da­de, aqui­lo que de­vi­am ser e mui­to me­nos o che­que que foi apre­sen­ta­do era au­tên­ti­co”, dis­se o che­fe do de­par­ta­men­to cen­tral do SIC, To­más Agos­ti­nho. Na sua in­ter­ven­ção, aque­le res­pon­sá­vel ad­mi­tiu que “te­rá ha­vi­do uma fa­lha, um er­ro, de ava­li­a­ção des­te pro­jec­to de in­ves­ti­men­to, apre­sen­ta­do por es­ses ci­da­dãos es­tran­gei­ros da par­te da en­ti­da­de res­pon­sá­vel pe­la cap­ta­ção de in­ves­ti­men­to”. To­más Agos­ti­nho re­cor­dou que a re­fe­ri­da intenção me­re­ceu di­vul­ga­ção pú­bli­ca, o que te­rá fei­to pas­sar a ideia de que os 50 mil mi­lhões de dó­la­res “que se re­fe­ri­ram, co­mo es­tan­do dis­po­ní­veis pa­ra in­ves­tir aqui no mer­ca­do angolano, já era um fac­to”. “E a men­sa­gem que foi pas­sa­da aqui à so­ci­e­da­de foi efec­ti­va­men­te es­ta, e a clas­se em­pre­sa­ri­al de uma ma­nei­ra ge­ral fi­cou con­vic­ta de que ha­via nes­ta su­pos­ta li­nha de fi­nan­ci­a­men­to a opor­tu­ni­da­de pa­ra de­sen­vol­ver pro­jec­tos ador­me­ci­dos por fal­ta de fi­nan­ci­a­men­to ou até mes­mo a to­ma­da de no­vas me­di­das pa­ra a co­ber­to des­sa li­nha de fi­nan­ci­a­men­to po­de­rem de­sen­vol­ver os seus pro­gra­mas”, fri­sou. Do que foi apu­ra­do até ao mo­men­to pe­las au­to­ri­da­des de in­ves­ti­ga­ção an­go­la­nas, há pe­lo me­nos uma ví­ti­ma con­fir­ma­da des­sa bur­la, uma em­pre­sa lo­cal que ce­le­brou um con­tra­to de in­ten­ções pa­ra um pro­jec­to no do­mí­nio da ac­ti­vi­da­de co­mer­ci­al, ten­do pa­go me­ta­de dos 50 mi­lhões de kwan­zas (189.858 de eu­ros) so­li­ci­ta­dos pa­ra a par­ce­ria. “In­clu­si­ve sob o pre­tex­to de que no do­mí­nio co­mer­ci­al eles já te­ri­am mo­bi­li­za­do um car­re­ga­men­to de ce­re­ais, no ca­so ar­roz, pro­ve­ni­en­te da Ásia, e ge­rou es­sa ex­pec­ta­ti­va nes­ta ví­ti­ma. Vi­e­mos de­pois con­fir­mar que não ha­via do­cu­men­ta­ção re­la­ci­o­na­da com a en­co­men­da e o di­nhei­ro foi en­tre­gue em “cash”, há do­cu­men­tos que ates­tam o re­ce­bi­men­to, há in­clu­si­ve con­tra­tos for­ma­li­za­dos en­tre es­ta em­pre­sa lo­cal e os su­pos­tos in­ves­ti­do­res, os tai­lan­de­ses”, dis­se. De acor­do com To­más Agos­ti­nho, exis­tem nes­te mo­men­to ar­ro­la­dos ao pro­ces­so cer­ca de 53 pro­pos­tas de in­ves­ti­men­tos, mas ain­da não hou­ve a opor­tu­ni­da­de de con­tac­tar es­tes pro­mo­to­res, pa­ra se afe­rir se te­rão igual­men­te si­do ví­ti­mas do mes­mo ti­po de bur­la. No mo­men­to da de­ten­ção dos ci­da­dãos tai­lan­de­ses, que se en­con­tra­vam hos­pe­da­dos des­de Novembro de 2017 nu­ma uni­da­de ho­te­lei­ra de re­fe­rên­cia da ca­pi­tal an­go­la­na a ex­pen­sas de em­pre­sa an­go­la­na, tam­bém po­ten­ci­al can­di­da­ta ao fi­nan­ci­a­men­to, foi igual­men­te apre­en­di­do um che­que de um ban­co da Chi­na, do­mi­ci­li­a­do em Hong Kong, no va­lor de 99 mil mi­lhões de dó­la­res, dan­do a en­ten­der às au­to­ri­da­des an­go­la­nas de que “há de fac­to no seio de­les es­ta pro­pen­são pa­ra o co­me­ti­men­to de cri­me de bur­la”.

A es­co­lha de An­go­la, re­fe­re o SIC te­rá ocor­ri­do, por­que há uma par­te an­go­la­na, que con­vi­dou a par­te tai­lan­de­sa com al­gum per­cur­so e re­pre­sen­ta­ção des­ta em­pre­sa an­go­la­na, na­que­la re­gião da Ásia. Em fi­nais de Novembro de 2017, foi ru­bri­ca­do, em Lu­an­da um me­mo­ran­do en­tre a Uni­da­de Téc­ni­ca pa­ra o In­ves­ti­men­to Pri­va­do (UTIP) de An­go­la, or­ga­nis­mo de apoio ao Presidente da Re­pú­bli­ca na pre­pa­ra­ção, con­du­ção e negociação de pro­jec­tos de in­ves­ti­men­to pri­va­do, e a Cen­ten­ni­al Energy Thai­land. O do­cu­men­to foi ru­bri­ca­do pe­la par­te an­go­la­na pe­lo di­rec­tor da UTIP na al­tu­ra, e de­pois se­cre­tá­rio do Bu­re­au Po­lí­ti­co do MPLA pa­ra a In­for­ma­ção, Nor­ber­to Gar­cia, e o presidente do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção da Cen­ten­ni­al Energy Thai­land, Ra­ve­e­roj Rith­cho­te­a­nan, num ac­to que aco­lheu de­ze­nas de em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos, pa­ra dar a co­nhe­cer as con­di­ções de aces­so ao re­fe­ri­do fun­do. Em de­cla­ra­ções à im­pren­sa na al­tu­ra, Nor­ber­to Gar­cia dis­se que o fun­do es­ta­va à dis­po­si­ção dos in­ves­ti­do­res na­ci­o­nais e ex­ter­nos, e iria per­mi­tir con­cre­ti­zar os pro­jec­tos em An­go­la, es­sen­ci­al­men­te nos sec­to­res pro­du­ti­vos, no­me­a­da­men­te agro-in­dús­tria, tu­ris­mo, ho­te­la­ria, pes­cas e ener­gia. “A exis­tên­cia des­se fun­do vai tra­zer di­nhei­ro pa­ra o mer­ca­do, vai fi­nan­ci­ar o mer­ca­do, que vai po­der au­to­de­sen­vol­ver-se. Es­te fun­do faz to­do o sen­ti­do, por­que o par­cei­ro qu­er é uma par­ce­ria, uma ‘joint-ven­tu­re’, por es­ta via. Não es­ta­mos a fa­lar de ta­xas de ju­ros, de re­tor­nos de for­ma al­gu­ma com­pli­ca­dos, com o pro­ces­so de ges­tão do in­ves­ti­dor, por­que é em fun­ção dos ren­di­men­tos que a par­ce­ria vai pro­por­ci­o­nar, que o re­tor­no se­rá fei­to”, dis­se. Acres­cen­tou que o fun­do vem igual­men­te pa­ra fa­ci­li­tar a im­ple­men­ta­ção de 688 pro­jec­tos nes­te mo­men­to pa­ra­dos por fal­ta de fi­nan­ci­a­men­to. O di­ri­gen­te angolano re­al­çou que es­te fun­do já es­te­ve no Cam­bo­ja e Vietname, paí­ses asiá­ti­cos que se de­sen­vol­ve­ram com re­cur­so ao mes­mo: “O que qu­er di­zer que An­go­la tem que apro­vei­tar es­te fun­do, es­ta opor­tu­ni­da­de”. “Te­mos aqui con­di­ções es­sen­ci­ais pa­ra fa­zer acon­te­cer os pro­jec­tos e fa­zer com que os pro­jec­tos que até ago­ra não têm fi­nan­ci­a­men­to, por­que há al­gu­ma di­fi­cul­da­de na nos­sa ban­ca pa­ra o efei­to, é nos­sa mis­são, que te­mos con­tac­to com o ex­te­ri­or, fa­zer acon­te­cer is­so, pa­ra ter os fi­nan­ci­a­men­tos, os fun­dos, pa­ra que pos­sa­mos ter for­mas de im­ple­men­tar o pro­jec­to no nos­so país”, afir­mou.

CE­LES­TE DE BRI­TO E NOBERTO GAR­CIA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.